Mostrando postagens com marcador wine. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador wine. Mostrar todas as postagens

NTFSv3 para Linux

NTFSv3 para Linux
NTFSv3 para Linux
  
    Noticiei o lançamento do kernel 5.14 e, além de não ter visto adicionarem suporte as novas plataformas da AMD, outro recurso que tive noticias que não tive noticias de sua adoção é o sistema de arquivos NTFS3. Em Setembro de 2020 Konstantin Komarov da Paragon Software anunciou que estaria  trabalhando no desenvolvimento do sistema de arquivos NTFSv3 para Linux. Não é nenhuma novidade que o Linux já possui suporte a NTFS (algo que já via na época que utilizava o Kurumin (não me lembro qual versão) e o Fedora 6  facilmente). Tanto é que eu já fiz benchmarks duas vezes; uma vez em 2015 aqui no blog e outro no meu canal em 2018 (pretendo fazer mais no futuro, mas por ora não).


    O que se nota no NTFS em ambos os benchmarks é uma diferença enorme de sua melhoria. Mas por que a Paragon Software decidiu então desenvolver sua própria versão de NTFS sendo que já possuímos NTFS no Linux? Bom, o maior motivo pode ser conferido em sua FAQ, está relacionado a desempenho. O NTFS que utilizamos no Linux (chamado NTFS-3G e que é desenvolvido pela Tuxera) é na verdade um filesystem in userspace que também conhecemos abreviadamente como FUSE, uma interface simples para exportar um sistema de arquivos virtual para o kernel Linux que, apesar do NTFS-3G funcionar bem, já é conhecido entre nós que o FUSE sofre de perda de desempenho. É o mesmo caso que ocorreu com o ExFat (e o Vfat) que também rodavam via FUSE e que depois que a Microsoft disponibilizou sua especificação técnica, pudemos ver lançamento do kernel com suporte nativo ao ExFat. Foi pensando nisso que a Paragon desenvolveu sua própria versão do NTFSv3 que é realmente um driver. 
    A ASUSD-Link, CorsairBelkin e NETGEAR também já apresentaram relatórios de melhor qualidade em seus serviços e produtos com Linux e que dependem do NTFS. A FixMeStick, a AJA Video e a Wester Digital apresentam seus casos de estudos sobre os produtos da Paragon.


    Mas essa não é sua única vantagem; o NTFSv3 também oferece acesso total a volumes NTFS e o HFS+, melhor integridade, proteção de dados, facilidade de instalação, 
melhor interoperabilidade entre outros sistemas operacionais e dispositivos (seja entre Android, Windows, Macbook, iPad, notebooks Linux, Chromebook e etc),   suporte aos kernels Linux (do 2.6.36 a acima do 5.12.x), distribuições mais recentes e suporte a SMP do kernel. Há uma tabela comparativa de recursos dos sistemas de arquivos desenvolvidos pela paragon para Windows, Linux, MacOSX, iOS UEFI e QNX que pode ser conferida clicando aqui, ou baixando PDF. Seu NTFS acaba apresentando melhores recursos para Linux:

tabela comparativa de sistemas de arquivos entre sistemas operacionais.
tabela comparativa de sistemas de arquivos entre sistemas operacionais.

    O NTFS da Paragon está sob licença EULA (mesmo assim, está disponível o seu código fonte) e há duas edições disponíveis para download:
Diferença de recursos entre a versão free e a profissional do NTFS da Paragon.
Diferença de recursos entre a versão free e a profissional do NTFS da Paragon.

DESVANTAGENS DO NTFS

    Eu já ouvi afirmarem que "para debater assuntos e termos técnicos, é necessário que a Microsoft disponibilize seu código fonte"; o que eu acho uma extrema de uma tolice (não acredito em software livre a troco de nada). É possível sim debater assuntos técnicos sobre ferramentas sem a necessidade de código fonte, alias, muitos dos que brigam para que as empresas disponibilizem seus códigos fonte, nem sabem ler e muito menos contribuem. Então vamos a analise técnica; nem tudo são as mil maravilhas e o NTFS também possui suas limitações. Já me perguntaram o que eu acho do NTFS e isso virou tema de um vídeo. Acho que o NTFS um sistema de arquivos rico e pobre ao mesmo tempo (rico em recursos e pobre em sua execução).

    Vemos na versão Free do NTFSv3 em limitações que:
  1. Arquivos criptografados não possuem a capacidade de serem descriptografados.
  2. Somente stream de dados é copiado durante a operação de cópia
  3. Hard links e symlinks são copiados como arquivos, sem informações de link. 
    Há uma informação interessante na Wikipedia que diz que "Se usado em uma mídia removível, ela pode se corromper mais facilmente; Não é possível otimizar para remoção rápida".  Isso é realmente verdade (ao menos nas versões atuais tanto do Windows quanto no NTFS-3G que usamos no Linux) e relatei isso em um vídeo:


    A vantagem de se ter NTFS no Linux é que pode ocorrer de certas aplicações que foram desenvolvidas primeiramente para Windows (ou serem aplicações somente para Windows) serem escritas com base em recursos do seu sistemas de arquivos. Isso acaba facilitando muito o trabalho tanto para os desenvolvedores quanto sysadmins e até usuários finais. Na FAQ do Wine é mencionado que "nem todos os sistemas de arquivos / drivers possuem suporte a todos os recursos do Fat32 ou do NTFS. Um exemplo é que driver do NTFSv3 não possuem suporte a shared-write mmap, um recurso que não pode ser emulado e é utilizado por aplicações assim como a Steam." Ou seja, até mesmo entre NTFS e NTFSv3 há seus conflitos (o que não é um caso de se estranhar, já vimos casos assim como é caso que ocorreu no MacOS X).

NTFSv3 da Paragon sendo instalado no Ubuntu.
NTFSv3 da Paragon sendo instalado no Ubuntu.

    Com a crescente adoção de Linux se tornando cada vez mais forte, acabamos vendo a Microsoft portando suas ferramentas para Linux, desenvolvendo novas ferramentas também pensando no Linux e até mesmo abrindo alguns de seus códigos fonte (confira aqui algumas destas noticias). Não vai ser estranho acabarmos vendo a Microsoft sacrificando o Windows para em seu lugar construir um sistema operacional Linux com as aplicações do Windows e assim ela ter o melhor dos dois mundos para o seu publico (já vimos a Microsoft fazer isso com o windows phone que em seu final era uma versão de Android com a cara do Windows phone e a Apple sacrificar o MacOS para colocar em seu lugar o NextSptep com a Cara do MacOS). 

Days Gone no Linux

Days Gone no Linux
Days Gone no Linux

    Beleza galera? Ontem o Junior do canal Tuxter Games postou esta gameplay rodando Days Gone no Fedora 34 utilizando o DXVK 1.8.1 - Proton-experimental via LutrisDXVK 1.8.1 - Proton-experimental via Lutris.

    As especificações para que o jogo funcione bem estão no próprio vídeo do canal. Confiram aí:


    Mesmo não sendo mais compatível com o Lutris, foi com a build do proton-experimental que obtive melhor desempenho no game. Pra rodar o game sem crashar tem que desativar o "lutris Runtime" caso não faça o jogo não inicia. Hoje é preciso usar as libs do dxvk git master.

Red Dead Redemption 2 rodando melhor no Linux do que no Windows 10

Red Dead Redemption 2 rodando melhor no Linux do que no Windows 10
Red Dead Redemption 2 rodando melhor no Linux do que no Windows 10
 O game Red Dead Redemption 2 está na euforia da galera (ou não, sei lá), mas o que importa aqui é que o site PC Gamer postou no dia 18 de Junho que em um recente benchmar Red Dead Redemption 2 está rodando melhor no Linux via wine do que no próprio Windows 10. O benchmark foi realizado FlightlessMango que postou em seu site todos os resultados junto com a versão do Proton que utilizou e que pode ser baixado clicando aqui.


 Uma observação que fazem é que esse é um caso a exceção pois na maioria das vezes (como eu mesmo já venho falando em vários vídeos) e como apresentaram artigos do Phoronix, na parte de jogos Windows ainda se mantem com o cinturão de ouro. A coisa começou a ficar mais balanceada entre os dois sistemas operacionais em notebooks com processadores Ryzen. Todos os benhmarks foram realizados especificamente com a distribuição Ubuntu; imagina se tivesse sido feito com o Clear Linux como mostrei há pouco:


 Em 2019, a Forbes também publicouu alguns benchmarks de jogos entre Windows e a distribuição PopOS (testes também realizados via Proton no Linux, claro) e a competição também ficou bem balanceada entre os dois sistemas operacionais.
Benchmarks publicado pela Forbes.
Benchmarks publicado pela Forbes.
 Parece que as coisas estão mudando, pudemos ver que mesmo jogos que não são nativos para Linux estão apresentando desempenho muito bom ao ponto de despertar a curiosidade da galera em conhecer o sistema operacional que muitos temem.
Quer saber mais sobre o Wine? Tem artigos bem interessantes aqui no blog :)

ReactOS rodando com... BTRFS?

ReactOS 0.4.10 rodando com o Btrfs
ReactOS 0.4.10 rodando com o Btrfs
Pois é galera; faz tempo que não falo desse clone do Windows que surgiu utilizando o Wine como sua base e com um kernel WinNT construído do zero. Mas no dia 6 de Novembro lançada a versão 0.4.10 do ReactOS tendo como a principal novidade a adoção do Btrfs como sistema de arquivos tanto para o processo de boot quanto para uso. 

Essa é na verdade uma versão do sistema de arquivos Btrfs chamada WinBtrfs que foi reimplementado por maharmstone feito sem utilizar código do Linux e pode ser utilizado tanto no Windows7 em diante quando no ReactOS. Maharmstone afirma que você utiliza essa versão por sua própria conta e risca e que ele não assume nenhuma responsabilidade.

Nota do maharmstone sobre risco de uso do WinBtrfs
Nota do maharmstone sobre risco de uso do WinBtrfs

O ReactOS já possui suporte ao Fat32 e ao ext2; mas para não violar direitos autorais sobre o NTFS, a equipe do ReactOS resolveu não adotar o sistema de aquivos. Desta forma, adotar uma implementação do BTFS para Windows foi uma estratégia bem interessante uma vez que ambos os sistema de arquivos (NTFS e BTRFS) adotam recursos semelhantes. Mesmo com a nota de risco sobre o uso do WinBtrfs de maharmstone, a equipe do ReactOS tem visão diferente sobre o assunto (e talvez pode até mesmo ser uma boa ajuda para maharmstone enviando-lhe patches de correções)

Nota da equipe do ReactOS sobre estabilidade do WinBtrfs
Nota da equipe do ReactOS sobre estabilidade do WinBtrfs

Eu honestamente fiquei chocado quando vi essa façanha, mas foi bem legal ver isso. É esperar para ver o que vai dar.
NÃO SE ESQUEÇA DE SE INSCREVER NO MEU CURSO DE MIGRAÇÃO PARA LINUX.
 QUER APRENDER A UTILIZAR O BTRFS NO FEDORA, ENTÃO VENHA APRENDER LINUX COMIGO ;)

Lançado novo Minicurso de atributos no Linux

Windows vai morrer?


Com o lançamento do Azure Sphere e a adoção do Linux para seu novo processador que será usado na nuvem da Microsoft conectado ao Azure, eu fiz um vídeo debatendo o assunto e expondo a minha opinião sobre o assunto com base em analise (opinião sem analise não é opinião). Caso você ainda não tenha assistido o vídeo, confiram abaixo:


Não demorou muito para já aparecem os comentários bem interessantes, tanto bons quanto ruins. Muitos comentários foram tão interessantes que me levou a ter a ideia de fazer um vídeo debatendo alguns comentários para serem complementares. Só que não deixei de antes debater os que não gostei (porém, sem mencionar nomes, o que é algo correto a se fazer), como comentários do tipo a "Microsoft abrir o código fonte do windows ao invés de adotar Linux", "a Microsoft não abrir mão dos seus produtos" ou "não abrir o código fonte da interface gráfica" ou até mesmo "Azure Sphere OS não é uma distribuição Linux".

A diagram showing the layers of the Azure Sphere operating system. It includes the following layers. OS Layer 0: Hardware. OS Layer 1: Security monitor. OS Layer 2: Custom Linux kernel. OS Layer 3: On-chip connectivity services. OS Layer 4: App Containers for compute and App Containers for real-time I/O.


E sabe o que é interessante? Eu não disse nada disso. Foi aí que resolvi debater para assim não só deixar mais claro o que foi dito, como também agregar mais conhecimento com especificações técnicas.


E aqui vamos nós agora ler e debater alguns dos bons comentários sobre o Azure Sphere na questão de duvidas que os usuários tiveram (um assunto vai puxando outro ;)

Tutorial configurando DXVK sem usar o terminal

Tutorial configurando DXVK sem usar o terminal
Tutorial configurando DXVK sem usar o terminal

Beleza cambada?

Com frequência aparece uma galera me pedindo dicas sobre o Wine, em como solucionar problemas ou como configurá-lo.  uma das dicas que o pessoal pede é de como melhorar o desempenho nos jogos ou se dá para tirar uns 60fps de quebra.

Bom, eu passei somente para dar essa dica do canal Tuxter Games; pois se quiserem saber algo sobre o Wine, não pense duas vezes, vá direto ao canal Tuxter Games. Lá você vai encontrar todo tipo de dica sobre o Wine, jogos no Linux e muito mais. Neste vídeo mesmo vocês poderão descobrir como tirar melhor desempenho com o dxvk (uma ferramenta de conversão da saída de DirectX para Vulkan) e sair feliz com os resultados:


Bom, por hora é só, não deixe de se inscrever no canal Tuxter Games, confiram também o artigo que escrevi sobre o Wine alguns anos atrás para entender toda a riqueza da bagaça e não deixem de conferir a sugestão de vários cursos baratos ;)

Ransomware no Linux e o invulnerável Windows 10 S (sei...)

 Pois é, no meu vídeo "Ransomware WannaCry - Windows mais segiro que Linux?" teve quem comentasse sobre o assunto (claro, isso não faltou). Outros que são mais fãs de Windows do que analistas em si também não faltaram.

 Foi só sair a noticia (boato de fofoca) que Linux foi atacado por um ransomware que pronto; o cara teve a pachorra de sair disparando em postar a mesma noticia várias vezes no vídeo só pela satisfação de dizer que
"Linux não é seguro!"
Qual a satisfação que as pessoas tem disso, eu não faço ideia; então, só para estragar a felicidade dos que querem se gabar de que Linux foi atacado também, segurem essa de que agora está a solta o Petya e o Cryptlock (Além da notica do invulnerável Windows 10 S não resolveu tanta coisa assim).

Fora isso, eu resolvi então debater o assunto com vocês e ainda pretendo no futuro debater sobre o Android em que afiram ser uma prova de que Linux é inseguro. Por hora, fiquem com o vídeo sobre Ransomware no Linux e o invulnerável Windows 10 S:



Para quem quiser saber mais sobre ransomware, a Novatec lançou um livro totalmente focado no assunto que você pode obter com 20% de desconto usando o cupom TOCADOTUX (resalva: Eu não ganho nada com isso; somente vocês).
Livro ransomware da Novatec

E fica o vídeo também sobre o WannaCry:


Resumo do Tux 28/05/2017 (Semana WannaCry e gamer)

Bora para  mais um resumo do Tux?

Tivemos uma pancada de vídeos e artigos essa semana nos canais e blogs Toca doTux, Resenha Nerd e Flávio dicas.
Canal Toca do Tux e blog Toca do  Tux;
Canal Flávio Dica e blog Flávio Dicas
Canal Resenha Nerd e blog Resenha Nerd 
 Domingo comecei debatendo no canal e blog Resenha Nerd sobre a redução de impostos em jogos no Brasil:

Terça feira foi mais agitada começando com o Flávio dando continuidade sobre o Anydesk:

E eu falando sobre o Ransomeware WannaCry:



Na Quita feira mostrei como foi o sétimo evento de colecionadores que aconteceu nos Trilhos e promovemos projetos relacionados ao Dreamcast e Sega Saturn.




E finalizamos no Sábado entrevistando o Ivan da revista gamer Warpzone:


Visitem a Warpzone clicando aqui
Por hora é só e até mais =)

Resumo do Tux 03/04/2016

FALA CAMBADA! BELEZ? Ó EU AQUI TRÁVÊIS! E lá vamos nós para mais um resumo do Tux desta semana.

Resumo do Tux 03/04/2016

 Essa semana tivemos a quarta parte do Espaço aberto - Assunto ZFS. Esperamos que estejam gostando desta série, pois esse é um filesystem muito promissor e que a comunidade Debian e Ubuntu estão trabalhando muito para que ele esteja 100% funcional (eu mesmo torço para isso):


 Tivemos a semana do Linux com o assunto sobre empreendedorismo com software livre. Tive a honra de ser convidado e participar, o que para mim foi algo novo e muito satisfatório.

 E por fim, hoje postei um vídeo da Red Hat que acho muito interessante, seria a desmistificação sobre o assunto Open Source (que vai de encontro com a semana do Linux):


 Indo para as noticias, mais uma vez a Microsoft fazendo uso do Linux, agora o Windows terá o shell do Ubuntu. Estou vendo ainda nascer uma distribuição desenvolvida pela Microsoft cujo o nome será Windows (já mencionei isso, mas quis mencionar de novo).

Intel lança Xeon E5 da família 2600 V4 com 22 núcleos Broadwell e Hyper-Threading:
Apple torna Mac OS X open source. Ok, disseram que foi piadinha de primeiro de Abril, mas se bem que a Apple possui a sua parte Open Source. Então, deixo os caras quietos.

E por ultimo foi lançado Cross over15.1.0 baseado no Wine 1.8.1. Ambos para Mac e Linux. Essa iniciativa foi tomada devido grande avanço e muitas melhorias. O change log pode ser conferido no link abaixo do próprio site da Code Weaver:


Cara de Ubuntu do caramba (ou de Gnome; só que invertido)

 Esses tempos resolvi utilizar o Windows 8.1 Pro na empresa que estou trabalhando e resolvi compartilhar essa experiência com vocês*...

Cara de Ubuntu do caramba (ou de Gnome; só que invertido)

 Parece que a Microsoft tem a ideia de que os seus usuários são desbravadores, porque a cada versão é uma surpresa. Do XP para o Vista foi uma guerra civil na sua curva de aprendizado; o 7 tentou apagar esta impressão, agora... no 8 e 8.1 .... Nass.... As mudanças são radicais.

 Eu resolvi manter minha máquina com Windows para eu atender ao pessoal em suas estações, assim poderia me adaptar e não precisaria ficar perdendo tempo em ficar procurando as coisas na máquina do pessoal ao atender. Temos servidores Linux e para algumas aplicações temos um servidor Windows server (não me perguntem o por que, cheguei na empresa e já funcionava desta forma).

 Bom, já não sou muito bom com as GUIs (por essa razão que uso o MATE, por estar acostumado com o padrão do antigo GNOME). Até me adaptei ao novo Gnome no Wheesy, mas ainda prefiro o Mate. Bom, por fim, eu poderia pedir para utilizar o Linux, meus chefes não se importariam; mas como há estações Windows aqui, prefiro tentar me adaptar para atender ao pessoal.  agora, imagina a cena:
  Eu... acostumado com terminal... de repente me deparo com o Windows 8.1. Pow, quando clico no iniciar, eu me sinto como se estivesse em uma festa rave, tomando energético e absolut**Abre um painel muito do doido que vira um festival e tudo começa a girar (só faltava a musica e estava tudo certo); não sei para aonde ir ou o que fazer (nem aonde estou ou como sair dalí). Me senti totalmente dopado. A Microsoft retornou o botão iniciar, mas basicamente deu tudo na mesma, como se não tivesse ali.

 Bom, por acidente, eu passei o cursor do mouse no canto superior direito da tela e aparece isso:

Interface Unity do Ubuntu
Interface Unity do Ubuntu

Interface Gnome no Fedora
Interface Gnome no Fedora

Interface Gnome no Fedora
Interface Gnome no Fedora


Interface do Windows 8.1
Interface do Windows 8.1

 Na hora eu lembrei da interface Unity do Ubuntu e em seguida lembrei do Gnome. As pessoas dizem que muitos recursos do Windows 10 foram copiados do Linux, mas isso já é visto bem antes disso. Esse mesmo é uma cópia bem óbvia do Gnome com cara de windowsphone tudo junto, só que a Microsoft sempre inverte aonde os recursos copiados ficam localizados. Sempre foi assim, até mesmo os recursos copiados do Mac OS foram simplesmente invertidos em suas localizações (os botões de maximizar, restaurar e fechar quem o digam).

 Já me falaram que a Microsoft é padronizada enquanto que o Linux não. Difícil, na verdade, é ver isso no Windows. Se com um único sistema, nunca há um padrão, imagina se tivesse distribuições Windows... noss... a guerra estaria feita.


*A intenção aqui não é difamar o Windows, e sim relatar a experiência que até então não tinha vivido e nem conhecia. Mas Microsoft, fica aqui uma critica para bem dos seus usuários, siga uma linha de padronização.
**Só para constar, eu não bebo.

Shell Linux. Do aprendiz ao Administrador por Tales Araújo Mendonça e Bruno Gonçalves Araujo

Galera, dá um liga no livro que ganhei: Shell Linux. Do aprendiz ao administrador por Tales Araújo Mendoça e Bruno Gonçalvez Araujo.

Shell-Linux.-Do-aprendiz-ao-administrador-por-Tales-Araújo-Mendoça-e-Bruno-Gonçalvez-Araujo

Bruno Gonçalvez Araujo é pós-graduado em software livre, colaborador de diversos aplicativos Linux (mais de uma década de de dedicação ao software livre), criador e mantenedor do projeto BigLinux, criador do site BigBusca.com, idealizador do projeto BigBashView, idealizador do União Livre e contribuinte do Kaiana Linux.
Tales Araújo Mendoça é Bacharel e analise de sistemas com quase 20 (vinte) anos de experiencia com o sistema operacional GNU/Linux e diversas contribuições para a comunidade de software livre.
 confiram seu site pessoal: talesam.org
  Foi o Tales que aparece nos agradecimentos da retrospectiva Linux 2015 que é um dos autores acima mencionado:


 Este livro em breve estará disponível na Diostore. Tales, em parceria com seus amigos, é também autor de outros livros como "GNU/Linux – Aprenda a Operar o Sistema na Prática" e "Linux - Simplicidade ao seu alcance".

Pow, e não é que o cara ainda me manda com uma dedicatória? Se liguem na foto abaixe e aguardem que farei um vídeo em breve sobre esse novo livro. :-)


dedicatória-do-tale

 Caso queiram conferir, o primeiro livro escrito pelo Tales está disponível para download no link abaixo; é antigo, mas ainda quebra um galho:

Resumo do Tux 12 de Dezembro de 2015

 Galera, devido as minhas condições de saúde é que eu não consegui fazer o vídeo, porém não quis faltar a responsabilidade com vocês e deixar de trazer o Resumo do Tux desta semana. Então, eu trago por aqui mesmo.

Resumo do Tux 12 de Dezembro de 2015

 Bom, a questão da saúde, é que eu sofro de enxaqueca desde 2012. Trabalhei em uma empresa que a sala parecia mais um garimpo (sala sem acesso a luz do Sol e a iluminação era extremamente baixa). Daí da para imaginar o resultado; como há pouca iluminação, as pupilas dilatam e recebem toda a iluminação dos monitores. Trabalhei por quase três anos assim. Por fim, meu chefe (que só era focado em marketing) não gostava, mas eu abria a janela assim mesmo.

 Foi isso o que me afetou e eu cheguei a ter uma inflamação na retina esquerda (e cheguei a ter que fazer tratamento por oito meses). Não preciso de óculos; a questão é que de vez em quando acabo tendo essa enxaquecas que não tem hora para acontecer e os médicos afirmam não ter tratamento.

 Bom, vamos ao que interessa. Essa semana eu postei mais um artigo que eu trouxe de volta a vida. É um artigo que na época eu li em um site e achei interessante traduzir e publicar por se tratar de comandos para se obter informações sobre o sistema.

 Já no canal, postei dois vídeos da série "Propagandas com Linux". O primeiro é mais um do LinuxONE:


 E o segundo (já que o LinuxONE é da IBM), por que não trazer um vídeo da antigo da IBM mesmo? Esse vídeo é muito da hora


 Agora, tratando das noticias que eu achei interessante (lembrem de deixar as que vocês gostaram nos comentários), teve o lançamento do game Nethack, que é um game single player de exploração de masmorra (tudo feito no terminal... É... não é lá grande coisa para quem gosta de jogar, mas por que não experimentar?)


Falando de lançamento, também teve o lançamento da distribuição Chapeau, que á uma distribuição para alto-desempenho baseada no Fedora Workstation e utiliza a interface GNOME. É uma distribuição que pretende ser ÚTIL PARA usuários avançados e fácil para usuários leigos. dá um liga nela:



Então, quem quiser testar a distro, o link está aqui http://chapeaulinux.org/

Lançamento do LibreOffice 4.4.7 e do VoipMonitor.



 De lançamentos a algo a ser descontinuado, a Mozilla anunciou que parará o desenvolvimento e venda de smartphones com o FirefoxOS. Isso é uma coisa que me deixou um pouco triste; estava confiante no FirefoxOS e esperava que vingasse. Seria mais uma alternativa (gosto de ter alternativas em tudo na vida, não dependendo apenas de um único que forneça tudo); achava muito inteligente a ideia de aplicativos feitos em HTML5, CSS e java Script. Ao menos espero que a Marketplace continue existindo dentro do Firefox.



 A Linux Foundation e Microsoft criam parceria para oferece a primeira certificação para Linux no Azure (antes que alguém diga algo; não, eu não critico a ideia. Vamos ver o que o futuro espera antes de sair opinando).


Eu falei do lançamento do Raspberry Pi por US$5, agora teve o lançamento do Pine64 (pinha em português), mais uma versão desses que recebem nomes de frutas ou coisas do tipo. Já teve o Orange Pi, Banana Pi, me lembro de ler algo sobre Fruit Salad Pi e agora um chamado Pinha. O que eu gostei nesse foi a suas configurações:

Pine

  •  Processador A5 QuadCore de 64 bits com clock de 1.2Ghz
  •  Memória DDR3 acima de 2GB (as memórias não são SoC)
  •  Duas portas USB 2.0 (esse poderiam ter tentado ao menos uma de 3.0, mas não sei o grau da complicação)
  •  Bluetooth óptico 4.0 e wireless 802.11BGN
  •  Sltot de expansão MicroSD
  •  RJ para rede Gigabit Ethernet
  •  Saída HDMI 4K
  •  E slots de expansão I/O 2x

 E por ultimo, quero mencionar sobre o primeiro projeto Open Source da Fujitsu: um gerenciador de catálogo de serviços abertos. Ele traz todos os seus serviços oferecidos na nuvem.

 Bom, e é isso galera. Vou ficando mais uma vez por aqui, espero que tenham gostado do resumo do Tux mesmo que pelo blog; aguardem um vídeo especial de natal. Um abraço e falou.

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (9) Andriod (14) android (5) artigo (5) aws (1) bc (15) benchmark (3) BSDs (27) btrfs (30) bugs (1) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (24) comp (1) compressores (5) container (6) CPU (19) criptografia (4) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desenvolvimento (80) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (3) dic (1) Dica de leitura (86) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (1) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (13) Docker (11) DragonflyBSD (20) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (10) filesystem (75) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (90) gerenciadores de pacotes (3) GOG (3) google (8) gpu (3) hardware (101) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (8) Intel (15) IoT (1) ispconfig (1) jogos (36) kde (1) kernel (134) lançamento (60) leis (1) LFCS (1) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) matemática (4) mesa redonda (27) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (146) não viva de boatos (9) navegadores (3) NetBSD (7) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (82) OpenBSD (5) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (39) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) pipewire (1) processadores (27) professor Augusto Manzano (11) Programação (60) promoção (1) propagandas com Linux (8) Red Hat (21) redes (3) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (1) runlevel (2) segurança digital (19) servidores (1) shell (3) sistema operacional (22) smartphones (3) Software livre e de código aberto (150) sorteio (3) Steam (9) Steam no Linux (7) supercomputadores (4) suse (7) systemd (7) terminal (83) terminal de comandos (11) toca do tux (1) toybox (23) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (4) wayland (5) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) ZFS (13) zsh (2)