Microsoft porta DirectX para Linux

Microsoft para Linux

Microsoft porta DirectX para Linux

 Hoje o site MSPower anunciou que que a Microsoft portou o Directx Para Linux (novamente). o DirectX foi disponibilizado como driver no site kernel.org sendo movido para a área do Hyper-V tendo total suporte a virtualização de aceleradores gráficos.

DirectX for Linux

DirectX for Linux

 Há também total suporte a APIs OpenCL, OpenVINO e OneAPI em GPUs Intel GPU para permitir que desenvolvedores escrevam seus códigos que funcionam bem tanto no Linux quanto no Windows.

 De acordo com o site, o driver foi reescrito do zero e organizado em camadas lógicas para que os revisores open source entendam melhor como o driver é construído.
"Muitos esforços foram feitos para abordar o feedback da comunidade neste conjunto revisado de patches e esperamos que isso esteja se aproximando do que a comunidade
gostaria de ver.
Entre o projeto de tempo de execução de computação da Intel e o libdxg, agora temos uma implementação totalmente de código aberto de nossa pilha de computação virtualizada dentro do WSL. Continuaremos a oferecer suporte tanto à API de espaço do usuário de código aberto em nossa abstração de computação quanto à de código fechado (CUDA, DX12), deixando para os proprietários e parceiros da API decidir o que faz mais sentido para eles."
 Será que veremos a Microsoft adotando Linux no lugar do Windows? Pode ser que veremos, Eu já levantei essa bola uma vez onde apresentei fatos históricos de isso já ter ocorrido. Pode ser que veremos uma distribuição Linux com a GUI e ferramentas do Windows assim como ocorreu com  MacOSX (o NetWare pode entrar dentro desta lista também). Mas e vocês? O que acham?

Novidades no Btrfs 5.17

Btrfs 5.17

Novidades no Btrfs 5.17


 Essa semana foi lançado o kernel Linux versão 51.6 e muitos sites como o OMG! Ubuntu e o XDE Developers descrevem que os gamers vão amar esta versão devido o recurso de futex2. Particularmente não encontrei essas notas no anuncio do Linus Torvalds. Eu encontrei até mesmo sobre o Batman (batman-adv e b.a.t.m.a.n. Abreviação de better approach to mobile ad-hoc networking) mas não sobre o que são demonstrados nos sites. Esse release está mais relacionado a correções e reversões do que novidades em si.
"Portanto, isso contém principalmente algumas correções de driver (principalmente rede e rdma), uma correção de uso de credencial do cgroup, algumas correções de rede principais, um algumas reversões de última hora e algum outro ruído aleatório. O shortlog anexado é tão pequeno que você também pode rolar isto."
 Bom, mas novidades também estão vindo aí no Btrfs (e provavelmente no kernel 5.17 já anunciado o seu desenvolvimento). David Sterba da equipe do Suse anunciou no dia 11/01/2022 a atualizações do Btrfs 5.17.

NOVOS RECURSOS

 Agora é possível que o send trabalhe com a realocação de grupo de blocos evitando que falhas ocorram; nova operação de exclusão 'balance paused' que, como o próprio nome já diz, permite adicionar um novo dispositivo ao sistema de arquivos com balance em pausa. o Btrfs também está com novo arquivo sysfs para armazenamento do fsid (em per-device directory) que ajuda a distinguir dispositivos quando seeding estiver habilitado.

MELHORIAS NO DESEMPENHO

 A exclusão de diretórios ficou entre 20% a 40% mais rápidos devido; o zoned mode ficou em torno de 50% durante a montagem; indexação e busca por tamanho com a latência de -30% e menos contenção de tree node locking que permite ganho de até 20%. A parte de desempenho já é uma característica muito boa do Btrfs e de longa data. Eu já até mesmo apresentei essa características em vídeos como benchmarks e comparações com ZFS.



CORREÇÕES DE BUGS

 Houveram correções de bugs (lógico) como falha no ENOSPC quando há escrita direta no range NOCOW; na quota de deablock (e outras operações de quotas); no free space tree e no zoned.

OUTRAS

 Houveram também outras melhorias e limpesas como na parte de HDD e SSD, como o file system lida com erros. Essas novidades ocorreram desde o kernel 5.16-rc8 e estarão disponíveis no link abaixo (um total de 115 mudanças).

HarmonyOS - O sistema operacional que visa substituir o Android

HarmonyOS - O sistema operacional que visa substituir o Android
HarmonyOS - O sistema operacional que visa substituir o Android

 Martin Děcký, um dos autores do sistema operacional HelenOS e que trabalha para a Huawei em um sistema operacional que pretende ser o substituto completo do Android. Em Junho de 2021, Martin concedeu uma entrevista para o site Checo lupa.cz dando uma visão sobre o sistema operacional HongMeng OS e sua relação com o HarmonyOS.

Martin Děcký, um dos autores do sistema operacional HelenOS e do HongMeng OS.
Martin Děcký, um dos autores do sistema operacional HelenOS e do HongMeng OS.

 HongMeng OS é um sistema operacional com seu próprio microkernel que não tem nada a ver com Linux ou base de código de  qualquer outro sistema e que teve seu inicio de desenvolvimento em 2017. Ele tem várias iterações internas e uma terceira transcrição está sendo trabalhada. Martin começou a trabalhar na certificação de segurança deste sistema e alguns de seus colegas começaram a trabalhar em um hipervisor.
Para mim e para a maioria dos meus colegas, o HelenOS foi um projeto que nos moldou em termos de conhecimento e de orientação geral de nossas carreiras. É uma parte fundamental da minha vida profissional. É por isso que lamento que o HelenOS esteja atualmente em uma fase lenta e estou dedicando muito mais tempo e energia a outros sistemas de microkernel.
 Por volta de 2018, o nome do sistema foi alterado para HarmonyOS para melhor adoção no mercado ocidental e a empresa anunciou publicamente que o objetivo era que o HongMeng OS / HarmonyOS era substituir o Android nos smartphones da empresa e ao mesmo tempo ser utilizado em seus navegadores, roteadores, BTS e muito mais. estranhamente depois a empresa decidiu comunicar o sistema sob o nome HarmonyOS e que não tem nada a ver com o HongMeng OS original. HarmonyOS 1.0 é um sistema construído sob o núcleo LiteOS em tempo real enquanto a versão 2.0 do HarmonyOS 2.0 é basicamente Linux mais parte de código aberto do Android mais add-ons internos da empresa.

LiteOS
LiteOS

 O HongMeng OS ainda está evoluindo e há um plano de que ele será o substituto definitivo para o Android.
"Um sistema operacional multiservidor de microkernel é composto de pequenos componentes isolados, cada um executando em um espaço de endereço separado e assim por diante. Esta é uma arquitetura adequada para verificação formal, certificação ou execução em   situações de segurança  e  missão crítica . A sobrecarga associada à comunicação de componentes isolados anda de mãos dadas com isso. Existem cenários, como um smartphone, em que os componentes são um pouco mais monolíticos. Arquitetura flexível significa ter um mecanismo que pode modificar um sistema de componentes e sua arquitetura de modo que durante a implantação seja possível   juntar componentes do espaço do usuário e movê-los de lá para o kernel e assim por diante."
"Há algum tempo, tem havido um esforço para pelo menos unificar os garfos internos do kernel Linux no projeto HULK, o Huawei Unified Linux Kernel, para que tenhamos uma base de código Linux unificada."
 Então, já que a galera está gostando de especular muito sobre o Fuschia, aqui está mais um sistema operacional que irá concorrer com  o Android.

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (9) Andriod (12) android (4) artigo (5) aws (1) bc (3) benchmark (3) BSDs (24) btrfs (18) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (52) comandos (21) comp (1) compressores (5) container (6) CPU (18) criptografia (4) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desenvolvimento (75) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (3) dic (1) Dica de leitura (82) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (13) Docker (11) DragonflyBSD (18) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (5) facebook (1) Fedora (7) filesystem (68) financiamento coletivo (2) fork (3) fox n forests (4) FreeBSD (16) Funtoo Linux (13) games (90) gerenciadores de pacotes (3) GOG (3) google (8) gpu (3) hardware (101) hash (1) helenos (2) I.A (1) init system (7) Intel (15) IoT (1) ispconfig (1) jogos (36) kde (1) kernel (130) lançamento (57) leis (1) LFCS (1) licenças (7) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) matemática (2) mesa redonda (27) microsoft (5) microst (1) muito além do GNU (131) não viva de boatos (9) navegadores (3) NetBSD (5) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (80) OpenBSD (4) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (39) padrim (2) palestras e eventos (4) partições (6) pentest (7) pipewire (1) processadores (27) professor Augusto Manzano (11) Programação (57) promoção (1) propagandas com Linux (8) Red Hat (16) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (1) runlevel (2) segurança digital (18) servidores (1) shell (3) sistema operacional (21) smartphones (3) Software livre e de código aberto (150) sorteio (3) Steam (9) Steam no Linux (7) supercomputadores (4) suse (6) systemd (7) terminal (78) terminal de comandos (5) toca do tux (1) toybox (20) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) wayland (5) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) ZFS (11)