Microsoft torna principal algoritmo do Bing Open Source

Algorítimo que acelera a busca do Bing agora é Open Source
Algoritmo que acelera a busca do Bing agora é Open Source
 Foi publicado no TechCrunch que a Microsoft tornou Open Source um algoritmo muito importante do seu motor de busca, o Bing. O algoritmo disponibilizado foi de uma biblioteca chamada SPTAG (Space Partition Tree And Graph) que faz com que a busca realizada pelos usuários retorne mais rápida através dos dados coletados e AI (Artificial Intelligence = Inteligência Artificial)
Gaáfico-como-o-SPTAG-funciona
Gráfico vetor demostrando como o SPTAG funciona











Essa biblioteca foi disponibilizada sob licença MIT (ainda bem) e fornecem todas as ferramentas necessárias para trabalhar com Linux e Windows. Sei que vão ter o que afirmam que eu odeio GNU com a minha afirmação sobre a licença MIT, mas que já leu meu artigo A queda da GPL? (e eu sei que muitos não leem porque depois veem me fazer as mesmas perguntas do que eu já falei) sabe do que eu estou falando.

 A Microsoft espera que esse algoritmo venha possibilitar que os desenvolvedores construam soluções similares e isso faz com que encontrem outros caso de usos em clientes e ambientes corporativos (além de poder aplicar novas soluções encontradas ao seu próprio motor de busca).
Linux-da-migração-a-administração-do-sistema-operacional
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
 Como afirmado pela empresas, alguns anos atrás o o sistema de busca era simples. Os usuários digitavam um conjunto de palavras a respeito do assunto que que queriam. Hoje os mesmos usuários podem arrastar imagens para dentro do buscador (que inclusive foi tema no filme Buscando que aconselho assistirem, principalmente os pais) ou utilizar um assistente inteligente fazendo-lhe uma pergunta. Podem até mesmo fazer uma pergunta e aguardar uma resposta e não uma lista de páginas. Através desta biblioteca, a microsoft consegue realizar busca através de bilhões de pedaços de informações em mile segundos.
Agradeço ao Xalas pela revisão feita no meu texto.

IBM i + Nagios: Dando mais poder a núvem

Imagem aqui

 A IBM escolheu Nagios como sua plataforma de monitoramento favorita para o IBM i. Mas, por que?

Nagios XI é uma ferramenta de monitoramento de todos os componentes da infraestrutura de missão critica que incluem aplicações, serviços, sistemas operacionais, protocolos de rede, métricas de sistemas e infraestrutura de rede.
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
Tim Rowe e Wang Yun da IBM falam sobre o poder software de código aberto e as necessidades no ambiente corporativo quando se trata de ambientes distribuídos de nuvem.

Testando Linux Lite OS - Instalados o Kernel 5.1 e Mesa3D-dev 19.2

Testando Linux Lite OS - Instalados o Kernel 5.1 e Mesa3D-dev 19.2
Testando Linux Lite OS - Instalados o Kernel 5.1 e Mesa3D-dev 19.2
 Um pequeno teste com essa distro Linux baseada no Ubuntu LTS. Game Play de Rise of the Tomb Raider nativo do Linux com a API Vulkan.
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
 Se você vai usar o sistema para jogos e sua placa de vídeo for Intel ou AMD, faça como Sir Rob Linux ensina no vídeo abaixo e  instale a última versão do Kernel adicionando o repositório de terceiros do Mesa3D, mas sempre acompanhe nosso quadro Sir Rob Linux Notícias para saber das novidades do mundo do Linux:


 Já deixa seu Like antes de continuar. Se inscreva no canal e compartilhe o vídeo, pode ser útil também para outras pessoas. 

Lançado John the Ripper 1.9.0-jumbo-1

Lançado John the Ripper 1.9.0-jumbo-1
Lançado John the Ripper 1.9.0-jumbo-1
 É, um nome um tanto estranho para uma aplicação fazendo referência ao Jack. John the Ripper é um software Open Source projetado para quebra de senhas de forma rápida. Sua primeira forma de ser distribuído é somente o código fonte e gratuita, mas também permitindo a obtenção comercial para o uso em outros sistemas operacionais variados.
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
 Dentre a lista de sistemas operacionais disponíveis estão vários sabores de Unix, macOS, Windows, DOS, BeOS e OpenVMS. Seu primeiro propósito histórico era detectar senhas fracas em Unix tendo suporte a vários tipos de hashes diferentes.

 Foi lançada a versão 1.9.0-jumbo-1 disponível primeiramente e principalmente no site oficial do desenvolvedor (que é inclusive um dos financiadores da biblioteca musl) e no momento somente o tarball do código fonte.

 No total são mais 6.000 commits na arvore jumbo (jumbo tree) durante quatro anos e meio de trabalho (sem contar os commits na arvore JtR).

 Dentre as principais mudanças (sem entrar em detalhes) estão a otimização do desempenho no carregamento e na quebra de senhas, adição de novos recursos como de benchmark utilizando diferentes a senha, implementação de Bitslice DES com suporte a mais conjunto de instruções SIMD em várias arquiteturas (Bitslice DES também recebeu suporte a expressões S-box), suporte a FPGA para sete tipos de hashes, remoção do suporte a CUDA focando mais em OpenCL por ser mais portável (tendo no momento suporte a 88 formatos em OpenCL). E honestamente? Eu vou deixar por aqui porque a lista de novos recursos a essa nova versão é imensa, galera. Corram lá e confiram as novidades.

Falando o "Tecniquês" do Linux - D.E. Gabriel (Parte 3/Final)

 Nesta ultima parte da entrevista sobre o meu curso no canal Diolinux, o Dionatan e eu tratamos sobre números nice (e renice), clonagem de dispositivos de armazenamento e como os alunos aprenderão Linux. Alias, o próprio vídeo foi uma baita aula e que vale a pena ser conferido.


 QUER SABER MAIS SABER MAIS SOBRE LINUX E APRENDER DE VERDADE? ENTÃO CLIQUE NO LINK DA IMAGEM ABAIXO E VENHA APRENDER COMIGO.
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO.
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO.

Lançado Rook V1.0

Rook V1.0
Rook V1.0
 Rook é um orquestrador cloud native storage para Kubernetes que vem sendo desenvolvido desde 2.016 e já chegou a 5.000 estrelas no GitHub e já foi baixado quase 40 millhões de vezes. É, está virando moda falar de Kubernetes aqui no blog (o que não é nada mal. Na verdade é importantes).

 Rook automatiza tarefas do administrador (deployment, bootstrapping, configuração, provisionamento, scalonamento, atualização, migração, recuperação em desastre, monitoramento e gerenciamento) tornando sotrages em serviços auto-gerenciávei, auto-escalonáveis e auto-corregível.
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
 Dentre alguns dos recursos da sua primeira versão estão suporte a object Storage Ceph, ao sistema de arquivos multi-cloud EdgeFS e ao sistema de arquivos NFS (pois é, NFS ainda tem que fazer parte do nosso conhecimento). A ferramenta já é utilizada em produção por várias empresas como a Crowdfox e Cloudways.
Fonte para saber mais sobre o Rook e baixar a versão 1.0