Adeus, "software livre"; olá, "open source"


Adeus, "software livre"; olha, "open source"

Adeus, "software livre"; olá, "open source"

 Esta é uma tradução do texto original Goodbye, "free software"; hello, "open source" de autoria de Eric Raymond (autor do livro A Catedral e o Bazar e do comando minisedseguindo suas própria políticas de direitos autorais:

Se quiser fazer traduções, vá em frente, eu concedo permissão. Eu levarei um link para ele quando você me enviar um URL.

Este é o apelo original à comunidade para começar a usar o termo 'código aberto' que emiti em 8 de fevereiro de 1998. O referido acontencimento no primeiro parágrafo é o anuncio de 23 de Janeiro do Mozilla source code release. Por ser um documento histórico, corrigi alguns desvios de link mas não o re-estilizei para combinar com o resto do site. Embora tenha sido convertido para XHTML ao invés do clássico HTML, exceto para essa caixa cinza e o RCS date no botão ele parece  basicamente como era então. Há traduções em espanhol e indonésio desse documento.

 Após o anuncio da Netscape romper em Janeiro, pensei muito a respeito da próxima fase -- o esforço sério de empurrar a aceitação de "software livre" no mundo corporativo mainstream. E percebi que temos um problema sério com "software livre" em si.

 Especificamente, temos um problema com o próprio termo "free software" (nota do tradutor: no inglês free é ambíguo onde pode significar grátis ou livre), não com o conceito. Me convenci de que o termo tem que acabar.

 O problema é duplo. Primeiro, é confuso; o termo "free" é muito ambíguo (algo com que a propaganda da Free Software Foundation tem que lutar constantemente). "free" quer dizer "sem cobrança monetária"? ou quer dizer "livre para ser modificado por qualquer um", ou outra coisa?

Eric Raymond em Faces of Open Source

 Segundo, o termo deixa um monte de tipos de empresas nervosas. Mesmo que isso não me incomoda intrinsecamente no mínimo, agora temos um interesse pragmático em converter essas pessoas ao invés de torcer o nariz para elas. Agora, há uma chance de gerarmos sérios ganhos no mundo dos negócios sem comprometer nossos ideais e compromissos com a excelência técnica -- então é hora de reposicionar. Precisamos de um rótulo novo e melhor.

 Eu tive uma enxurrada de ideias com os fãs de Linux do Vale do Silício (incluindo Larry August do Conselho Administrativo da Linux International) um dia depois do meu encontro com a Netscape (5 de Fevereiro). Nós chutamos e descartamos várias alternativas, e criamos um rótulo substituto que todos gostamos: "código aberto".

 Sugerimos que todo lugar que nós como uma cultura falamos anteriormente a respeito de "software livre",  o rótulo deveria ser mudado para "open source". Open-source software. O modelo Open-source. A cultura Open-source. O Debian Open Source Guidelines (DFSG). (Ao lançar isso para o mundo corporativo, também vou estar invocando muito a ideia de "revisão por pares".)

 E deveríamos explicar publicamente a razão pela mudança. Linus Torvalds vem dizendo em "World Domination 101" (palestra apresentada por Linus Torvalds nos anos 90) que a cultura open-source precisa fazer um esforço sério para tomar o desktop e envolver o mainstream corporativo. Claro que ele está certo -- e essa re-rotulação, como Linus concorda, é parte do processo. Isso diz que temos vontade de trabalhar com e cooptar com o mercado para nosso próprio propósito, ao invés de permanecer preso em uma posição marginal e adversária.

Apresentação de Linus Torvalds: Wolrd Domination 101

 Essa re-rotulação desde então atraiu bastante suporte (e algumas oposições) na  cultura hacker. Apoiadores incluem o próprio Linus, John "maddog" Hall, Larry Augustin, Bruce Perens do Debian, Phil Hughes do Linux Journal. Opositores incluem Richard Stallman que inicialmente flertou com a ideia mas agora acha que o termo "open source" não é puro o suficiente. 

 Bruce Perens solicitou o registro "código aberto" como marca registrada e a deteve por meio de Software de Interesse Público.  As condições  da marca registrada será conhecida como Open Source Definition, essencialmente a mesma que a Debian Free Software Guidelines.

 É hora da crise, pessoal. O anúncio da Netscape muda tudo. Saímos do cantinho em que estivemos por vinte anos. Estamos completamente num novo jogo agora, um maior e mais emocionante -- e um que eu imagino que possamos vencer.

 (Uma nota a respeito do uso. De acordo com a prática normal do inglês, o termo é "open source" ficando sozinho, mas "open-source" utilizado como um adjetivo ou  em composto; assim, "open-source software".)

 (Sim, estamos cientes do significado especializado que "open source" possui na comunidade de inteligência. Esse é um recurso, não um bug).

(editado por Timothy Brennan, Jr em 2022-05-28)


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Viu algum erro e quer compartilhar seu conhecimento? então comente aí.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (10) Andriod (16) android (7) Apple (1) arm (4) artigo (5) aws (1) bc (23) benchmark (6) BetrFS (1) blackhat (1) BSDs (29) btrfs (32) bugs (2) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (54) comandos (30) comp (1) compressores (5) container (7) CPU (19) cracker (1) criptografia (5) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desempenho (1) desenvolvimento (90) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (4) dic (1) Dica de leitura (90) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (3) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (14) Docker (12) DragonflyBSD (22) driver (1) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) embarcados (1) EMMI Linux (4) emuladores (9) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (10) filesystem (82) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (93) gerenciadores de pacotes (4) glaucus (2) GOG (3) google (8) gpu (3) hacker (2) hardware (104) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (10) Intel (15) inteligencia artificial (1) IoT (1) ispconfig (1) jogos (37) kde (1) kernel (138) lançamento (64) leis (1) LFCS (1) libs (2) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) Mac (1) machine learning (1) matemática (9) mesa redonda (27) microcontroladores (1) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (159) musl (2) não viva de boatos (9) navegadores (5) NetBSD (7) newlib (1) nim (1) nintendo (1) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (84) OpenBSD (6) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (42) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) performance (1) pipewire (1) plan9 (1) playstation (1) processadores (30) professor Augusto Manzano (11) Programação (64) promoção (1) propagandas com Linux (8) ps4 (1) real-time. (1) Red Hat (22) redes (4) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (14) RISCV (13) rtos (1) runlevel (2) rust (12) segurança digital (24) servidores (1) shell (7) shell script (6) sistema operacional (25) smartphones (3) Software livre e de código aberto (151) sorteio (3) Steam (10) Steam no Linux (8) supercomputadores (4) suse (5) systemd (7) terminal (87) terminal de comandos (16) toca do tux (1) toybox (26) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (17) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) virtualização (2) vulnerabilidade (6) wayland (5) whatsapp (1) whitehat (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) ZFS (15) zsh (3)