Mostrando postagens com marcador android. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador android. Mostrar todas as postagens

Android 13 pode receber ExFAT no lugar do FAT

FAT can be replaced by ExFAT on Android 13

Android 13 pode receber ExFAT no lugar do FAT

 Em Maio eu publiquei que o Android 13 poderia ter o sistema de arquivos ext4 substituído pelo ERFS da Hawei. Agora há rumores que o FAT também poderá ser substituído pelo ExFAT também. Se é verdade ou não, eu não sei pois não encontrei fontes sobre o assunto (caso você tenha encontrado no site do Google, deixe nos comentários para nos ajudar).

 Mas caso essa informação seja verdadeira, A empresa Google irá fazer um grande favor para todos nós. Vale lembrar que em Abril a Sony enviou vários patches para o Linux melhorando enormente o desempenho do ExFAT.

 O Android 13 será lançado em breve, enre o final de Julho e meados de Agosto e trará muitas novidades que podem ser conferidas no próprio blog clicando aqui.

Android 13 release preview
Previsão de lançamento do Android 13


ext4 deixará de ser o sistema de arquivos padrão do Android

Phones launching with Android 13 will use a new, space-saving file system format

ext4 deixará de ser o sistema de arquivos padrão do Android


 Foi publicado no site Android Police que o sistema de arquivos ext4 poderá deixar de ser utilizado como sistema de arquivos padrão no Android abrindo caminho para o EROFS (Enhanced Read-Only File System) da Huawei. A migração está prevista para o Android 13 e alguns dos benefícios de sua adoção estão relacionados a redução do tempo de boot (em torno de 22.9%) e potencial redução no tempo de downloads para as atualições além de menor perda de espaço de armazenamento.

 A Huawei já havia postado em seu Twitter em 2019 (e até mesmo enviado seu patch para o kernel neste mesmo ano) um pequeno comparativo entre o ext4 e o Erofs que apresenta ganhos superiores a 20% tanto em desempenho quanto em armazenamento.

Comparativo entre o ext4 e o erofs

 O EROFS não proporciona tais ganhos (armazenamento e desempenho) somente nas atualizações e no processo de boot, mas em todo o seu uso do sistema. Há mais comparativos com inclusive outros sistemas de arquivos que podem ser conferidos no próprio site Android Police. Todas as informações sobre o EROFS podem ser conferidos no próprio site do kernel (clicando aqui).

 O EROFS, de autoria de Xiang Gao, já utilizado no Android da Huawei em mais de 10 milhões de dispositivos. É um dos sistemas de arquivos com o melhor desempenho em compressão/descompressão e leitura por utilizar o algorítimo de compressão/descompressão LZ4 (sendo o mais rápido do mundo para tamanhos fixos).

 E falando de sistema de arquivos, compressão/descompressão e desepenho, não deixe de conferir o meu minicurso de atributos nos sistemas de arquivos do Linux que eu estou deixando com desconto para vocês bastando. Utilizado o cupom EROFSLZ4 você paga apenas US$12,99 (invertendo para LZ4EROFS você paga apenas US$9,99. Mas tem a duração de 5 dias somente)

CONCLUSÃO

 Este não é o fim do ext4 no Android; ele somente deixará de ser utilizado como sistema de arquivos padrão mantendo assim o seu suporte no sistema operacional. Conforme pode ser lindo no Source do Android clicando aqui, o Android possui suporte a ext4, f2fs, fuse, incfs, Vfat, EROFS e exfat a partir do kernel 5.10 (uma pena pois o kernel do meu Android é o 4.14 e assim acabo não tendo suporte ao exfat. Paciencia né; fazer o que?) e quem tem a ganhar é o usuário.


Google passa a financiar o desenvolvimento do terminal de comandos toybox

Google passa a financiar o desenvolvimento do terminal de comandos toybox

Google passa a financiar o desenvolvimento do terminal de comandos toybox

 Rob Landley anunciou que o Google estaria financiando o desenvolvimento do toybox principalmente com o avanço do Hermetic (eu jurava que não tinham dado continuidade nesse projeto) tendo este linkado o terminal de comandos com host bionic tornando o sistema operacional capaz de ser construído em si.

 Isso porque o Android é construído através de compilação cruzada. Ao tornar o sistema self hosting, ele não dependerá mais de outro sistema operacional para que seja compilado (como o próprio nome sugere). Este recurso (os comandos sh e toysh) foi adicionado no toybox a partir da versão 0.8.4 como pode ser conferido clicando aqui.

toybox toysh and sh commands
Os comandos toysh e sh que permitem o toybox tornar o sistema operacional self hosting.

 A partir da versão 0.8.5 o toybox passou a ter 85% de tudo o que um terminal de comandos precisa para ser utilizado como terminal de comandos padrão. Hoje estamos na versão 0.8.6 porém, ainda há certos recursos listados pela equipe para incorporar ao terminal de comandos e assim torná-lo capaz de compilar o kernel Linux.

 Questionado "se o toysh será capaz de substituir o dash" Rob Landley respondeu que "visa substituir o bash" (pode ser lido clicando aqui). Eu torço para isso, ams a minha preferência é o Zsh (terminal de comandos muito mais poderoso e muito mais interessante que o Bash). O motivo de demorar parao lançamento da versão 1.0 do toybox (seu ultimo lançamento foi no final de Novembro do ano passado) é que a maior parte dos membros o desenvolve nas horas vagas (inclusive o próprio Rob).

 Só que nos dias 28 e 30 de Janeiro deste ano, Rob publicou as seguintes notas em seu blog:
Estou muito satisfeito por começar a trabalhar na lista de tarefas do toybox hermetic build do Google, mas amanhã tenho que preencher a papelada com o estado do Texas (posso reutilizar o nome Impact Linux de 2008, ou preciso encontrar outro que passe uma busca de conflito), e então eu preciso de um EIN federal ou não?
Eu quero fazer o trabalho. Preciso limpar muitos itens de tarefas. Escrevi um monte de coisas que preciso lembrar de fazer no verso de um envelope esta manhã e, claro, deixei em casa
 Não há como eu opinar nas questões financeiras de uma empresa. Mesmo a Google tendo tamanho Patrimônio, não há como eu saber o quão rentável o Android é para a empresa, principalmente depois da ação judicial que a Oracle moveu contra a Google. Porém assim mesmo eu me faço a seguinte pergunta, só agora? O terminal de comandos toybox é utilizado no Android desde a versão Marshmallow (versão 6 do Android lançado entre 2014 e 2015). Eu mesmo venho divulgando sobre o toybox desde 2017 com a série Muito além do GNU. Será que em oito anos o toybox não apresentou retorno financeiro o suficiente para que a Google financiasse a equipe do projeto. A linguagem bc do Gavin Howard mesmo é utilizado como dependência para compilar o kernel Linux do Android; não seria interessante financiá-lo também?

bc language by Gavin Howard
Linguagem bc de autoria de Gavin Howard.

 O mesmo ocorreu com o CentOS e o Rocky Linux. Quando a Red Hat anunciou o fim do CentOS e iniciou o CentOS Stream, maioria dos usuários de Linux julgaram a Red Hat uma mercenária e egoísta. Interessante é que todos bebiam da fonte do CentOS, mas quase ninguém contribuía (pelo o que me contaram, só haviam dois mantenedores da versão 8 do CentOS). Daí anunciaram o Rocky Linux como seu substituto e hoje o Rocky Linux conta com grandes empresas o financiando como Amazon e Microsoft (inclusive a própria Google). Não seria mais fácil ter financiado o CentOS ao invés de ter deixado o projeto morrer e já que todos bebiam dessa fonte?...

Rocky Linux Sponsors
Patrocinadores do Rocky Linux

 Fica a dica a todos; se você gosta de um projeto, não deixem a sua fonte secar. É melhor do que ficar lamentando depois pelo seu fim. Bom, ao menos a Google tomou essa iniciativa (antes tarde do que nunca); porém, nós também podemos fazer o mesmo (vale para nós também).

HarmonyOS - O sistema operacional que visa substituir o Android

HarmonyOS - O sistema operacional que visa substituir o Android
HarmonyOS - O sistema operacional que visa substituir o Android

 Martin Děcký, um dos autores do sistema operacional HelenOS e que trabalha para a Huawei em um sistema operacional que pretende ser o substituto completo do Android. Em Junho de 2021, Martin concedeu uma entrevista para o site Checo lupa.cz dando uma visão sobre o sistema operacional HongMeng OS e sua relação com o HarmonyOS.

Martin Děcký, um dos autores do sistema operacional HelenOS e do HongMeng OS.
Martin Děcký, um dos autores do sistema operacional HelenOS e do HongMeng OS.

 HongMeng OS é um sistema operacional com seu próprio microkernel que não tem nada a ver com Linux ou base de código de  qualquer outro sistema e que teve seu inicio de desenvolvimento em 2017. Ele tem várias iterações internas e uma terceira transcrição está sendo trabalhada. Martin começou a trabalhar na certificação de segurança deste sistema e alguns de seus colegas começaram a trabalhar em um hipervisor.
Para mim e para a maioria dos meus colegas, o HelenOS foi um projeto que nos moldou em termos de conhecimento e de orientação geral de nossas carreiras. É uma parte fundamental da minha vida profissional. É por isso que lamento que o HelenOS esteja atualmente em uma fase lenta e estou dedicando muito mais tempo e energia a outros sistemas de microkernel.
 Por volta de 2018, o nome do sistema foi alterado para HarmonyOS para melhor adoção no mercado ocidental e a empresa anunciou publicamente que o objetivo era que o HongMeng OS / HarmonyOS era substituir o Android nos smartphones da empresa e ao mesmo tempo ser utilizado em seus navegadores, roteadores, BTS e muito mais. estranhamente depois a empresa decidiu comunicar o sistema sob o nome HarmonyOS e que não tem nada a ver com o HongMeng OS original. HarmonyOS 1.0 é um sistema construído sob o núcleo LiteOS em tempo real enquanto a versão 2.0 do HarmonyOS 2.0 é basicamente Linux mais parte de código aberto do Android mais add-ons internos da empresa.

LiteOS
LiteOS

 O HongMeng OS ainda está evoluindo e há um plano de que ele será o substituto definitivo para o Android.
"Um sistema operacional multiservidor de microkernel é composto de pequenos componentes isolados, cada um executando em um espaço de endereço separado e assim por diante. Esta é uma arquitetura adequada para verificação formal, certificação ou execução em   situações de segurança  e  missão crítica . A sobrecarga associada à comunicação de componentes isolados anda de mãos dadas com isso. Existem cenários, como um smartphone, em que os componentes são um pouco mais monolíticos. Arquitetura flexível significa ter um mecanismo que pode modificar um sistema de componentes e sua arquitetura de modo que durante a implantação seja possível   juntar componentes do espaço do usuário e movê-los de lá para o kernel e assim por diante."
"Há algum tempo, tem havido um esforço para pelo menos unificar os garfos internos do kernel Linux no projeto HULK, o Huawei Unified Linux Kernel, para que tenhamos uma base de código Linux unificada."
 Então, já que a galera está gostando de especular muito sobre o Fuschia, aqui está mais um sistema operacional que irá concorrer com  o Android.

Lançada bc 5.1.1

Lançada a linguagem bc 5.1.1
Lançada a linguagem bc 5.1.1

 Em Maio deste ano (após o lançamento do toybox 0.8.5) eu iniciei uma trajetória de testes na linguagem bc. De lá pra cá já foi um bug report, o lançamento na versão da versão 5.0 e entrevista com o autor da linguagem e bc Gavin Howard tanto a versão em inglês quanto em português.
 No dia seis de Outubro foi lançada a versão 5.1.1 da linguagem bc. Eu não trouxe nenhuma noticia das versões anteriores pois não eram tão importantes dependendo do publico. A versão 5.0.1 por exemplo, só trazia correções para o MacOS e o Android; a versão 5.0.2 trazia uma correção na parte de teste porém, como mencionado por Gavin, caso você não tenha tido alguma experiencia que a parte de teste não apresentou problemas, essa versão não era tão importante para você.

 Já a partir da versão 5.1.0 (que foi o próximo lançamento depois da versão 5.0.2) trouxe grande novidades porém, como Gavin está sempre dando atenção especial a linguagem bc, resolvi aguardar um pouco e ver se seria lançada uma nova versão. Dito e feito, dois dias depois foi lançada a versão 5.1.1.

 A versão 5.1.0 trouxe as flags -z (para fazer bc e dc imprimirem zeros à esquerda nos números -1 <x <1) e -L (para desabilitar o wrapping quando imprimir números);  mais quatro funções à biblioteca lib2.bc (plz(), plznl(), pnlz() e pnlznl()) para permitir imprimir números com ou sem zeros a esquerda, mesmo com ou sem a opção -z já mencionado anteriormente e mais funções builtin para consultar global state como comprimento, pilhas globais e zeros à esquerda.

Uma das novas opções da linguagem bc
Uma das novas opções da linguagem bc

 Houveram também correções de bugs no if statement  que causava um erro caso não utilizasse um else antes de definir uma função; no bc banner e  na opção -q e  na versão do Windows onde arquivos não eram lidos corretamente (além de melhorias nas builds do Windows).

 Já a versão 5.1.1 trouxe somente correções de bugs complementares a versão 5.1.0 também relacionados ao statement else que o bc não lidava corretamente ao final dos arquivos ou antes da definição da função. Caso pretende baixar a linguagem e testar, não esqueçam de conferir o hash e o stat tanto do código fonte compactado quanto do arquivo .sig, sigam as instruções do manpage build.md (clicando aqui. Vale ressaltar que nessa manpage o Gavin dá dicas de como otimizar a bc) e caso encontre algum bug, não esqueça de reportar (isso facilita muito o trabalho dos desenvolvedores seguindo a cultura bazar ;)

Android: A maior plataforma de jogos da atualidade.

Android: A maior plataforma de jogos da atualidade.
Android: A maior plataforma de jogos da atualidade.

 Parece exagero afirmar tal coisa, mas o Android é a maior plataforma de jogos da atualidade (tente não confundir maior com melhor). site Washington Post publicou a matéria "Esqueça a próxima geração de consoles. A maior plataforma de jogos já está em seu bolso.". Essa plataforma a qual a qual nos referimos é exatamente o Android.

 Logicamente nessa lista também entra o iOS que ambos em 2020 geraram uma receita de US$80 bilhões enquanto os PCs geraram US$37bi e os consoles (Nintendo Switch, PlayStation e Xbox) geraram US$45bi (juntos, PCs e consoles geraram apensa US$2bi a mais que os smartphones). Em 2021, a receita gerada pelos dispositivos móveis (spartphones e tablets) ultrapassam a margem de US$90bi enquanto PCs e consoles juntos permanecem na mesma marca. Houve uma oscilação no mercado devido a vários fatores, mas o mercado conseguiu se manter porém, analisando essas informações em percentual, de acordo com o site newzoo.com, os dispositivos móveis detém 52% do mercado; quase o dobro do mercado dos consoles.

Faturamento de jogos em todas as plataformas
Faturamento de jogos em todas as plataformas

 Algo interessante a frisar é que, tratando-se de tablets, a Apple detem 52% do mercado (Saiba mais porque a Apple migrou de x86 para ARM em seus desktops clicando aqui). Já o Android, como mencionei em Setembro detém 85% dos smartphones (Vale a pena conferir o artigo clicando aqui). Acho um crescimento impressionante pois em 2019, a fatia de mercado do Android era de 36% enquanto o iOS detinha 47%.

85% dos smartphones rodam Linux

85% dos smartphones rodam Linux
85% dos smartphones rodam Linux

    Não é nenhuma novidade que Linux já está presente em celulares muito antes do primeiro iPhone surgir no mercado em 2007. O motorola EZX de 2003 já rodava Linux que leva o mesmo nome do aparelho (EZX Linux que aliás era um celular que eu quis muito na ápoca), a OpenMoko também já produzia celulares com Linux (e teve até um cara que construiu um foguete controlado por celular da OpenMoko) e a lista com celulares em que Linux está presente  é bem grande.

Foguete controlado por celular da OpenMoko
Foguete controlado por celular da OpenMoko

    Fora o FirefoxOS que foi descontinuidade pela Mozilla mas foi descontinuado e mesmo assim adotado por outras empresas em outras áreas como é o caso d
o KaiOS que já mencionei no canal (e em 2019 já havia mais de 85mil aparelhos disponíveis), o UbuntuPhone, o Fire OS da amanzon, e até mesmo Linux em BIOS e UEFI muito antes deste artigo clicando aqui e até Linux em relógios muito antes da Apple (a Apple mesmo anda contratando desenvolvedores de Linux).


    Porém, com a chegada do Android, mesmo havendo outros sistemas operacionais concorrentes que também são focados em dispositivos móveis como é o caso do MeeGo no Nokia e até a Microsoft entrando na disputa com o Windows Phone, 
as empresas passaram a dar atenção especial ao Android sendo hoje o maior concorrente direto do iOS.

    Começou de forma minguada e até de futuro de certa forma duvidoso e aos poucos foi crescendo ao ponto que hoje é noticiado pela haydenjames que 85% dos smartphones rodam Linux; mais especificamente o Android que estamos tratando aqui. Se você é um dos que até hoje duvida que o Android é uma distribuição Linux, há uma série de vídeos no meu canal sobre o Android; um deles é exatamente o fato de ser uma distribuição Linux (a diferença entre Android e as distribuições convencionais que utilizamos como Debian, Ubuntu e CentOS é que os programas no user-space do Android estão sob licenças open source como Apache e BSD, mas nunca sob GPL). E sim, o  Android é open source, a questão é que, diferente do iOS que é distribuído direto pela Apple, o Android é distribuído por várias empresas diferentes e por esse motivos vemos tantas versões diferentes.


    Mas voltando a noticia, as informações foram extraídas da International Data Corporation (IDC). que exibe não somente o crescimento de sistemas operacionais como também das marcas, de acordo com países e muito mais. O número real até o momento é de 83.8% e é previsto o número de 84.9% até de 2025.

Crescimento do Android em 2021 segundo a IDC.
Crescimento do Android em 2021 segundo a IDC.

    Como os smartphone são considerados a 4ª geração de computadores (Mainframes foram substituídos por minicomputadores, que foram substituídos pelos microcomputadores que utilizamos e que estão sendo naturalmente substituídos pelos smartphones), é natural que seu uso gerasse um ecossistema gigantesco. Hoje em dia é muito comum ver pessoas preferirem a comodidade de ficarem sentadas ou deitadas com seus smartphones e poderem realizar todas as suas tarefas por ali. 

    Logicamente não é possível substituir os microcomputadores por completo pois não há todas as funções ali porém, o Android ganhou tamanha proporção que facilmente o encontramos sendo utilizado para outros propósitos muito além de smartphones como steraming de TV e jogos (veja o Nvidia Shield), em consoles (ou ao menos partes do Android como é o caso do Nintendo Switch) e até mesmo em telões de supermercados como é o caso da imagem que pode ser vista abaixo.

Android sendo utilizado em telões para exibir produtos e preços em supermercados.
Android sendo utilizado em telões para exibir produtos e preços em supermercados.

    O Android gerou um ecossistema gigantesco e movimenta cada vez mais mercados. Sempre há especulações de que o Fuschia anda sendo desenvolvido para substituir o Android (mesmo que a Google nunca se pronunciou sobre o assunto).  Honestamente eu vejo o Fuschia mais sendo pensando para outros mercados do que em substituir o Android da mesma forma que é muito dificil substituir o Windows nas áreas que possui seu propósito.

NÃO SE ESQUEÇA DE SE INSCREVER NO MEU CURSO DE MIGRAÇÃO PARA LINUX.
APROVEITE O DESCONTÃO DE CELEBRAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL E VENHA APRENDER LINUX DE COMIGO;)

Lançado novo Minicurso de atributos no Linux

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (10) Andriod (15) android (7) artigo (5) aws (1) bc (18) benchmark (5) BSDs (27) btrfs (31) bugs (1) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (26) comp (1) compressores (5) container (6) CPU (19) criptografia (4) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desenvolvimento (82) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (3) dic (1) Dica de leitura (87) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (1) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (13) Docker (11) DragonflyBSD (21) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) EMMI Linux (4) emuladores (6) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (10) filesystem (78) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (90) gerenciadores de pacotes (3) GOG (3) google (8) gpu (3) hardware (102) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (8) Intel (15) IoT (1) ispconfig (1) jogos (36) kde (1) kernel (134) lançamento (62) leis (1) LFCS (1) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) matemática (5) mesa redonda (27) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (149) não viva de boatos (9) navegadores (3) NetBSD (7) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (83) OpenBSD (5) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (39) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) pipewire (1) processadores (27) professor Augusto Manzano (11) Programação (61) promoção (1) propagandas com Linux (8) Red Hat (21) redes (3) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (12) RISCV (11) runlevel (2) segurança digital (19) servidores (1) shell (3) sistema operacional (23) smartphones (3) Software livre e de código aberto (151) sorteio (3) Steam (9) Steam no Linux (7) supercomputadores (4) suse (7) systemd (7) terminal (84) terminal de comandos (12) toca do tux (1) toybox (23) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) virtualização (1) vulnerabilidade (4) wayland (5) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) ZFS (14) zsh (2)