Mostrando postagens com marcador desktop. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador desktop. Mostrar todas as postagens

Anunciado o fim do Project Trident

PROJECT TRIDENT SUNSET

 Project Trident iniciou em 2018 como uma distribuição para desktop baseado no TrueOS. Com o fim do TrueOS, dois membros adotaram porções do seu desktop e reconstruíram a distribuição e em 2019 anunciaram que iam abandonar a base do TruOS/FreeBSD e iam basear no Void Linux. A transição foi concluída em Fevereiro de 2020.

 Alguns dos principais recursos do Project Trident era a interface Lumina como ambiente gráfico padrão, o ZFS como sistema de arquivos padrão, criptografia para todos os dados, facilidade de uso e muito mais.

Ambiente gráfico Lumina

Lightweight Desktop Environment

 Infelizmente, o projeto anunciou o seu fim no dia 29 de Outubro devido a pandemia. Não está descrito exatamente assim, mas a informação do anuncio de seu fim deixa isso muito claro.
"Com as mudanças e eventos nos últimos dois anos na vida, trabalhos, família e etc; nossas prioridades individuais tem mudado também."

Lançado KDE Plasma 5.22 com suporte a Wayland

Lançado KDE Plasma 5.22 com suporte a Wayland
Lançado KDE Plasma 5.22 com suporte a Wayland

    Na Terça Feira, 8 de Junho de 2021 foi lançada a versão 5.22 KDE  Plasma com suporte a Wayland por padrão (que também chamaram de o display protocol do futuro). O projeto afirma que ao utilizar o Wayland por traz dos bastidores, o Plasma é capaz de incluir recursos e corrigir bugs que não eram possíveis implementar no X11, oferecendo uma melhor experiência e mais estabilidade.

    Essa é a minha visão que já mostrei em uma live que uma das coisas que é necessário para que Linux ganhe mais usuários é o fato de ter que melhorar as ferramentas de baixo nível. Isso não é importante para o usuário final, mas melhorando as ferramentas de baixo nível, os usuários acabam tendo as suas.


"Uma outra coisa que contribui para uma boa experiência em vídeo no Wayland é que o KWin pode agora configurar um valor de overscan da tela. Isso garante que nenhuma das imagens serão cortadas fora das bordas da tela e pode também ser utilizada para remover bordas pretas. Isso é útil se você quiser assistir um filme na TV por exemplo."
    Fora manter recursos antigos como mostrar todas as janelas abertas quando clicar no canto superior esquerdo da tela e caso tiver mais de um monitor, novas janelas abrem aonde o cursos estiver localizado.. Conectar uma placa de vídeo externa agora é configurada pelo KWin on the fly e sem a necessidade de reiniciar o Plasma.

Diferentes arquiteturas de processadores

Diferentes arquiteturas de processadores

Diferentes arquiteturas de processadores

    Desde o ano passado, um dos assuntos que mais vem ganhando repercução é sobre a Apple migrar de X86 da Intel para seu próprio ARM chamado Apple Silicon, o Linux passar a ter suporte a esse processador da Apple, a NVidia adquirir a arquitetura ARM e o Risc-V passar a ganhar mais notoriedade depois da ultima menção. Depois de tudo o que mencionei, me senti inspirado a escrever este artigo.

    Eu já escrevi uma série chamada "Dando uma olhada na arquitetura dos processadores" onde debato como o processador é constituído internamente (andei até mesmo dando uma atualizada tratando da arquitetura de Havard mostrando em que se difere da arquitetura de Von Neumann e pretendo adicionar mais coisas. Mas  vamos deixar isso para o futuro Deus permitindo que eu faça).

Arquitetura de Havard

O que é arquitetura de processador?

    De acordo com o Dicionario de Termos da computação e da Internet (Dictionary of Computer and Internet Terms) arquitetura de processador é um conjunto  de instruções que decodificam e executam operações aritméticas e lógicas. Esse conjunto de instruções são denominados ISA (Instruction Set Architecture) e, nas minhas palavras, arquitetura dos processadores é a forma como essas instruções são organizadas. Apesar de popularmente acabarmos tendo contato com apenas com X86, existe uma boa variedade de arquiteturas como CISCRISCEPIC ZISC e Linux é uma fonte abundante para adquirir conhecimento sobre elas.


Arquiteturas que o kernel Linux 5.10 possui suporte

    Dentro das arquiteturas existe uma gama de fabricantes diferentes. Então agora vamos estudar um pouco sobre as arquiteturas, suas variedades e aonde geralmente são aplicadas.

CISC

    CISC (Complex Instruction Set Computers) é uma arquitetura construída com muitas instruções de linguagens de máquina diferentes. Tem como objetivo em seu design completar uma tarefa em poucas linhas de código assembly fazendo com que o compilador tenha pouco trabalho para traduzir o código de alto nível. O problema disso é que as suas tarefas acabam exigindo múltiplos ciclos, fazendo com que leve pelo menos duas vezes mais tempo para executá-las.

    Ressalva, não confunda CISC com CICS. CICS (Costumer Information Control System) é uma extensão da IBM utilizada no IBM System Z que tem como objetivo tornar fácil escrever programas e permitir usuários entrar, recuperar e atualizar dados através do seu terminal (fortemente utilizado em sistemas de pontos de venda, reservas de hotel e sistemas de cobrança).

    Popularmente conhecemos a arquitetura CISC devido aos x86 da Intel, da AMD e da Via (após ter adquirido a antiga Cyrix); mas há outras empresas que também já  fabricaram processadores CISC difrentes de x86 como o VAX, o IBM System/370 e houve também o Motorola 6800 (também conhecido como m68k ou simplesmente 68k) na década de 80 que foi o primeiro processador de 32 bits amplamente utilizado e foi o processador do vídeo game Mega Drive, do Macintosh (pois é, a migração de PowerPC para Intel e depois de Intel para ARM não são as únicas experiências que a Apple já teve em sua história), dos computadores da HP e da Sun Microsystem. Falando em Sun Microsystem, foi devido o Motorola 6800 que os desenvolvedores de SunOS tornaram o GCC funcional para uso em produção (o que até então, era simplesmente um compilador inviável).


    Parece estranho afirmar, mas deve ser dito. Foi o x86 que tornou os PCs interessantes (especificamente o 386 a partir de 1986); mas historicamente o x86 parou de fazer sentido para o mercado há algum tempo. Basta repararmos como exemplo Apple em 2018 que vendeu 217.7 milhões de Iphones e 18.2 milhões de Macs (mais de 10 vezes mais dispositivos ARM, o que a chamou a sua atenção para abandonar o x86).


    Abreviação de Reduced Instruction Set Computer (Computador com conjunto de instruções reduzidas) é a arquitetura que realiza processos de forma mais simplificada e que foi projetada para desempenho. Devido haver poucas instruções a serem escolhidas, ela leva menos tempo para identificá-las tornando os resultados mais eficientes e executando os processos mais rapidamente. Foi criada inicialmente na IBM por John Cocke e sua equipe de pesquisadores em 1.974 como controlador de central telefônica (a telefonia sempre tendo importância na computação)

John-Cocke.
John Cocke e o primeiro protótipo de computador RISC que o garantiu os premios Turing Award em 1987, the US National Medal of Technology em 1991 e o  the US National Medal of Science em 1994.

 A arquitetura RISC é tão interessante que há um ditado que diz que "O mundo é RISC". E não é de se duvidar já que a arquitetura é utilizada desde Supercomputadores como é o caso do Fugaku a microcontroladores como o H8/300 da Hitachi.

 Alguns exemplos de processadores RISC são o Dec Alpha (primeiro processador de 64 bits e primeira arquitetura que Linux foi portado em Novembro de 1994); ARM que é muito famoso em dispositivos móveis devido a seu baixo consumo de energia conservando a bateria por mais tempo; Spark da Sun Microsystem (divisão da Oracle); o PowerPC (que foi desenvolvido pela IBM, Motrola e Apple para competir com a Intel e foi especialmente projetado para emular programas outros tipos de CPU eficientemente. Foi utilizado também no PlayStation 3, no Xbox 360 e consoles da Nintendo como Game Cube, Nintendo Wii e Nintendo Wii U e pelo sistema operacional OS/2); o MIPS, o Cris (utilizado em dispositivos de rede) e até mesmo a série de chips Super FX da empresa britânica Argonaut Games (adquirida pela Synopsy) que foi utilizado em jogos do Super Nintendo como o StarFox e Yoshi's Island possibilitando a renderização de centenas de polígonos 3D simultaneamente e desenhando efeitos em 2D.

Em Mario World 2: Yoshi's Island foi utilizado o chip Super FX 2 que é um Risc customizado e que possibilitou ao jogo ter elementos 3D e 2D (sim, o jogo é 2.5D), cores vivas e amplas, efeitos de iluminação, semitransparência e objetos passarem uns pelos outros).

RISC VS CISC

    Ambos possuem vantagens e desvantagens e ambos conseguem executar os mesmos tipos de programa; o que vai diferenciar é como é o código de máquina do programa. A principio da leitura deste artigo, o RISC aparenta ser superior ao CISC, mas nem tudo são as mil maravilha. 

    RISC tende a ser mais rápido que CISC SE o acesso a memória for muito rápido; do contrário (se o acesso a memória for relativamente lento) o CISC tende a ser mais rápido que RISC. Além do mais, máquinas RISC tendem a buscar mais instruções da memória para realizar o mesmo trabalho que CISC (ou seja, utiliza-se mais RAM que CISC).

RISC híbrido


    RISCs puros utilizam uma instrução por ciclo de clock. Foi aí que eu conheci a geração de RISCs hibridos que utilizam correção nas instruções de comprimento de 16 bits com registradores e endereço de espaço de 32 bits. Isso torna mais fácil para os compiladores gerarem melhores códigos RISC e retomam grande parte da densidade de código dos projetos CISC. Mais informações sobre chips híbridos podem ser conferidos clicando nesses dois links da Renesas e da Design & Recue.
ParthusCeva Announces Architecture Standard for Hybrid DSP/RISC-Based System-on-Chip for ARM Environment
    A maioria dos fabricantes hoje tentam combinar as vantagens de cada arquitetura dentro dos seus processadores. A Intel por exemplo, introduziu através do Pentium a possibilidade de seu processador traduzir internamente instruções CISC em RISC (podendo executar duas instruções por ciclo assim como o RISC) e o J64 que planejam uma aproximação do x86-64 ao j4 com compatibilidade a 32 bits (seu design foi elaborado no ano passado). Portanto, dificilmente temos CISCs puros quanto RISCs puros assim como dificilmente encontramos kernel totalmente monolítico quanto totalmente micro-kernel.

 A AMD também tinha um projeto de ARM chamado K12 focado em eficiência energética 
que era planejado para ser lançado em 2017. O desenvolvimento do K12 inspirou a criação do Opteron A1100 e a engenharia do Ryzen (agradeço ao Anderson Rincon por ter me fornecido a informação sobre o K12 e por ter revisado este texto para mim).



PA-RISC

 Foi uma arquitetura RISC desenvolvida pela HP tendo uma ideia de arquitetura mais precisa (daí o PA do seu nome que é a silga de Precision Architecture) porém esse processador foi substituído pela arquitetura EPIC.

 Abreviação de Explicitly Parallel Instruction Computing (Computação com instrução explicitamente paralela), foi criada em parceria entre a HP e a Intel para a criação da família Itanium (também conhecida como IA-64) para substituir o PA-RISC. Itanium foi desenvolvido como uma arquitetura de alto desempenho extremamente paralela realizando tal tarefa ao passar as instruções para o compilador que reorganiza o código para o máximo de paralelismo possível enquanto que o hardware foca em executar as instruções. E aqui mora o grande problema, nos compiladores que foi mais critico implementar do que a Intel esperava; o que resultou em um hardware muito caro e com baixa quantidade de software disponível para a arquitetura.





ZISC

    ZISC (Zero instruction set computer) é uma arquitetura que se baseia nos princípios de correspondência de padrões e ausência de microinstruções. De acordo com documento de patentes do Google sobre circuito neural (ou neurochip ou redes neurais), essa é a arquitetura talvez mais apropriada para as tecnologias neurais devido a forma como trabalha.

DSP

    DSP trata-se na verdade de um processador de sinal de digital (daí o seu nome Digital Signal Processor) que é utilizado para processar áudio (até redução de ruído) e vídeo e é fortemente utilizado em mesas de som e instrumentos musicais. Mas também foi utilizado em cartuchos do Super Nintendo para processar jogos como Super Mario Kart.

    Talvez você deva estar pensando por que estou falando deste tipo de chip como uma arquitetura. Bom, a minha ideia era falar sobre DSP no mesmo artigo "Dando uma olhada na arquitetura de processadores" porque, assim como FPU que era chip separado e hoje é incorporado aos processadores, o mesmo pode ocorrer com os DSPs podendo o seu processador possuir instruções DSP adicionadas a ele. De acordo com informações do J-Core (que é um processador que eu acompanho bastante o seu desenvolvimento) as instruções DSP podem quebrar a pipeline do estilo do RISC e eles possuem um novo design de DSP em desenvolvimento.

    alguns exemplos de DSP que o Linux possui suporte são o Hexagon e o C6x da Texas Instrument.

     Bom, finalizo este artigo por aqui acreditando já estar bom por enquanto dado uma boa base de estudo para todo mundo. Pode ser que eu venha atualizá-lo no futuro assim como faço com os demais artigos.

Apple e os processadores ARM

Apple e os processadores ARM
Apple e os processadores ARM

Depois que a Apple anunciou a migração de X86 para ARM, muita gente se preocupou quanto a possibilidade de não poder utilizar programas de uma arquitetura em outra. A Apple já fez o processo de transição da arquitetura PowerPC para a X86 sem apresentar trabalhos críticos; desta vez eu acredito que não será diferente. No meu vídeo sobre Ubuntu rodando no meu Power Mac G4 eu explico através do kernel do Mac OS X Leopard como a Apple realizou esse trabalho até que todos os fornecedores pudessem portar os seus programas para X86:


 Migrar para ARM parecia algo previsível; em 2.015 o site Mac Rumors já havia postado a noticia sobre a pretensão da Apple migrar para ARM e a resposta da Intel afirmando que o relacionamento entre as duas empresas ainda era muito forte; em 2.018 a Apple vendeu quase 218 milhões de Iphones e apenas pouco mais de 18 milhões de Macs. As coisas ficaram cada vez mais óbvias com o lançamento do novo Ipad Pro que era mais poderoso que 92% dos desktops acessíveis do mercado da época, rodando Photoshop nativamente, navegando na internet e utilizando Whatsapp ao mesmo tempo (e até arrastando do navegador e soltando no Whatsapp) e termina com a frase "ele é como um computador mas diferente de qualquer computador".

O chip A12X Bionic utilizado no Ipad Pro.
O chip A12X Bionic utilizado no Ipad Pro.
Poderoso o suficiente para photoshop nativo.
Poderoso o suficiente para photoshop nativo.
Mais rapido do que 92% dos desktops acessíveis.
Mais rapido do que 92% dos desktops acessíveis.
Navegando na web e usando chat ao mesmo tempo.
Navegando na web e usando chat ao mesmo tempo.
Arrastando do navegador e soltando no Whatsapp.
Arrastando do navegador e soltando no Whatsapp.
 Por fim a Apple anunciou no mês de Junho que estaria migrando que X86 para ARM. A coisa está feia para o X86, mas parece que somente para a Intel pois a AMD anda ganhando cada vez mais espaço com o núcleo Zen (com mais um console no mercado da Atari) enquanto isso recentemente Linus mandou a real para a Intel desejando uma morte dolorosa ao AVX-512, que a Intel pare de ficar focando em benchmarks com sua Unidade Ponto Flutuante, pare de ficar inventando moda com instruções mágicas e comece a corrigir problemas reais. Para revidar a situação,parece que a Intel está trabalhando em um novo recurso de tecnologia hibrida para o Alder Lake chamado Big-Bigger similar ao design Big.LITTLE da arquitetura ARM.


 Uma coisa que deixou os apaixonados por Mac foi a possibilidade de retrocompatibilidade não somente com Intel, mas também com outras arquiteturas passadas. Um desenvolvedor apaixonado por Macs antigos chamado tenFOURFox escreveu sobre a possibilidade de rodar até cinco arquiteturas em um unico binários (ARM64, 32-bit PowerPC, 64-bit PowerPC, i386 e x86_64) e potencialmente até 17 arquiteturas em  um único binário (ppc750, ppc7400, ppc7450, ppc970, i386, x86_64, x86_64h, armv4t, armv5, armv6, armv6m, armv7, armv7em, armv7k, armv7m, armv7s e todos os outros Macs com AARM.)

 Uma informação que prometi na live que iria pesquisar é qual tecnologia GPU será utilizada nos novos Macs com ARM. A unica coisa que se sabe é que a Apple guarda esse segredo a sete chaves pois parece ser tecnologia própria da empresa.
Imagem aqui
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
DEMAIS, SÓ FINALIZO DIZENDO QUE, SE VOCÊ É UM USUÁRIO DE MAC OS E ESTÁ PENSADO EM MIGRAR PARA LINUX, MEU CURSO É PENSADO TAMBÉM PARA VOCÊ ;)

FuryBSD - O FreeBSD para Desktop

FuryBSD - O FreeBSD para Desktop
FuryBSD - O FreeBSD para Desktop
 Essa já não é a primeira versão de FreeBSD para Desktops. Já tivemos o PCBSD que hoje é o TrueOS, o GhostBSD, MidnightBSD, o Ubuntu BSD (que parece ter morrido na praia), o DesktopBSD (que também parece ter morrido na praia) e o NomadBSD. Infelizmente o TrueOS chegou ao seu fim, Joshua e Kris anunciaram tal decisão para poderem trabalhar em um novo projeto chamado TrueNAS Core.

 Uma das alternativas sugeridas pela equipe do TrueOS (hoje TrueNAS) para quem quiser continuar utilizando uma versão de FreeBSD para desktop é o FuryBSD. FuryBSD é uma nova distribuição FreeBSD para desktop tendo suas inspirações as versões desktop como o TrueOS e que foi apresentado a comunidade no evento Knoxville Tennesee no dia 28 de Outubro de 2019.


 Dentro do escopo desktop (reforçando, o escopo), eu acho que a equipe está fazendo um ótimo trabalho focando dentro da visão de um ususário. Boa documentação ensinando como instalar e ensinando como atualizar, live images, foruns, grupo no telegram, blog, um git bem trabalhado (quero contar isso também devido a estrutura), duas interfaces gráficas (XFCE e KDE), bons papeis de parede (parece besteira, mas é o tipo de coisa que usuário se importa), um mascote muito bem desenhado. É claro que ainda há muito trabalho a ser feito (como o handbook por exemplo), mas acredito que o projeto está andando no caminho certo. Aqui deixo um pequeno vídeo de apenas 20 segundos que encontrei na comunidade:

Homed, o novo diretório home do Linux sendo reinventado.

Homed, o novo diretório home do Linux sendo reinventado.
Homed, o novo diretório home do Linux sendo reinventado.
 Lennart Poettering apresentou no FOSDEM 2020 o systemd-homed que faz parte da versão 245 do systemd. Esse novo recurso visa realizar alterações fundamentais no diretório home (e que vale a ressalva antes que a galera anti-systemd de plantão venha a dar chiliques e espernear se jogando no chão; esse é um recurso opcional).

 Chiliques e esperneio a parte, o systemd-homed foca em oferecer suporte a migração de diretórios home de forma mais prática de um sistema para outro, melhor suporte a senha e a criptografia para o home, melhor self containment,  melhores formatos a novos usuário além de oferecer suporte volumes criptografados com  LUKS, pontos de montagem a servidores CIFS, criptografia FSCRYPT, suporte a sub-volumes Btrfs e fazer uso de JSON-formatted user records.


 A nova ferramenta para o gerenciamento do Homed-systemd é o comando homectl com as opções create/remove/change.
NÃO SE ESQUEÇA DE SE INSCREVER NO MEU CURSO DE MIGRAÇÃO PARA LINUX.
NÃO SE ESQUEÇA DE SE INSCREVER NO MEU CURSO DE MIGRAÇÃO PARA LINUX.
CURSO DE SHELL SCRIPT DO MATEUS MÜLLE

XanMod - O kernel Linux focado no desktop

Logo do dragão do XanMod Kernel
Logo do dragão do XanMod Kernel
Durante a live com o Marcos Garcia do canal Vartroy Tecnologia onde debatemos sobre o o seu novo álbum Daydreams que foi desenvolvido utilizado software open source e que será lançado em Janeiro do ano que vem, conhecemos o Alexandre Frade que o mantenedor do XanMod; um kernel personalizado e com novos recursos, construído para proporcionar melhor experiencia do Linux no desktop.

No site oficial é descritos tais recursos sendo alguns deles o +HRT é preemptivo a 500hz + rcu boostCaching, melhoras no gerenciamento de memória virtual e de CPU Governor e construído sob a ultima versão do GCC (8.2).

Abaixo pode ser conferido um benchmark:


O XanMod está disponível para Debian, Ubuntu e há um port não oficial para o Arch Linux. Está disponível unicamente para x86 (AMD e Intel) de 64 bits e as instruções de instalação podem ser conferidas no próprio site.

O que é necessário para a melhor adoção do Linux no Desktop?

Essa semana na série "Linux para leigos" tratamos do que é necessário para melhor adoção do Linux no desktop uma vez que é um sistema forte e bom o suficiente para tal coisa. Na verdade Linux já poderia ser adotado por padrão pelos usuários final sem medo; mas devido ao trauma que colocam nos usuários criando mitos e até mentiras sobre Linux é que sua popularidade no desktop acaba não sendo maior.

Muitos fatores ruins contribuem para isso não acontecer que vão desde usuários extremistas de GNU que acham que Linux e GNU são a mesma coisa e acabam tratando Linux como se fosse com os mesmos ideais do GNU, "profissionais" de Windows (e até fanboys  de Windows) que são mal informados e que acham que entendem de Linux (interessante é que eu conheço profissionais de windows que são certificado e não tem esse tipo de visão sobre Linux enquanto que outros que se consideram bons profissionais de Windows que pensam que entendem alguma coisa) e até empresas que devido a tais mitos anteriormente mencionados não contribuem para sua melhor adoção.

Neste vídeo debatemos de coisas essenciais para isso melhor ocorrer e os inscritos também espoem suas opiniões.


O meu ambiente de trabalho (por Gabriel Costa do canal e blog Toca do Tux)

Chegou a minha vêz de mostrar o meu ambiente de trabalho. Procrastinei um pouco, mas aqui estou eu depois de três semanas.

Eu acho que essa foi uma ideia bem legal; criar uma série dessa versão brasileira é simplesmente sensacional, motivador e espero poder ver essa série crescer bem mais para mostrar que usamos Linux também em desktops.

Então, espero ver vocês por lá =)


Market Share de Linux no Desktop está crescendo mais rápido que nunca


Olha que noticia interessante. Consta no site netmarketshare que houve um crescimento do Linux nos desktops. Esses numeros chegaram a 3.37%.

Esse crescimento foi de 1.99% em Maio 2017 with 1.99% a 2.36% em junho de 2017 a 2.53% em julho e a 3.37% em Agosto.

Honestamente eu ainda acho esses números um pouco superficiais, mas não por culpa do site. Não se sabe o real numero de usuários de Linux em Desktops uma vez que não totalmente catalogados. uma prova disso é que na revista Seleções (Reader's Digest) de Abril de 2001 (época em que conheci Linux através da distribuição francesa Madrake Linux), Linux somava 30 milhões comparado aos mais de 400 milhões do Windows. Porém, calculando 400 de 30, esse número é de 7,5% em 2001... O que acompanhei ao longo do tempo é que o número de usuários de Linux foi é gradativamente crescendo, e não diminuindo.

Tema no KDE - Look and Feel

KDE com novos temas e novas ferramentas inovadoras. Esse é um vídeo que, além de servir para promover o KDE e manter vocês atualizados, é também um vídeo que vai para a lista Muito além do GNU. Então, confiram as novas informações do KDE =)

Resumo do Tux 15-10-2016 - (Parabens comunidade KDE)


 Beleza cambada? Resumo do Tux chegando atrasado essa semana, mas essa foi uma semana muito especial em que resolvi participar da festa de aniversário dos 20 anos do KDE. Para isso fiz uma série de vídeos especiais que vai de como eu me aprofundei no Linux (o KDE tem a ver com essa história) ao ultimo que foi o lançamento do KDE 5.8 Plasma.
 Mas como o resumo do Tux começa de domingo a sabado, vamos para o arrebendo no primeiro video de domingo então (lembrando que incluo o blog Resenhas Nerd aqui também; porque nerd, sabe comé que é né):





Na Terça iniciamos a festa de aniversário dos 20 anos do KDE:



Na Quinta feira, conforme prometido, publiquei o vídeo em que saem nas ruas da Austrália perguntando as pessoas o que eles acharam do no windows 7 (sendo na verdade o KDE 4):
 


Na Sexta eu respondi a uma pergunta referente ao editor de vídeo que eu utilizo:



E finalizando, ontem eu postei sobre o lançamento do KDE 5.8 que agora é uma versão LTS:

50 lugares que Linux está rodando (e você talvez nem faz ideia) - Quarta parte

Usuários Educacionais de Linux

Instituições educacionais, assim como negócios e governos, tem cada vez mais decidido rodar Linux em servidores e desktops por seu benefício de ser open-source  e de custo. Essas instituições variam de escolas públicas (elementar, ensino médio e segundo grau) à faculdades e escolas de pós graduação. abaixo estão várias de muitos estabelecimentos educacionais proeminentes a terem migrados de Microsoft Windows para Linux.

Escolas Russas

escolas-russas
Escolas russas

Em 2.007, a nação da Russia anunciou que todas as suas escolas começariam a rodas Linux. Uma reportagem da BBC na matéria postada que as "Escolas da Russia formalmente tenderam rodar cópias ilegais do sistema operacional Windows" , mas desde isso a Russia se uniu ao WTO, que não é mais aceita prática, ao invés de comprar licenças para todo software que tinha sido pirateado, a Russia adotou ir adiante com o Linux . Quanto a admitir que muitos professores e alunos não tinham experiencia com Linux, os oficiais de educação da Russia mesmo assim sentiram que a transição iria bem e que o software adequaria aos propósitos das escolas.

Universidades da Alemanha

universidades-da-alemanha
Universidades da Alemanha

 ComputerWeekly.com reportou em Agosto de 2.007 que "em torno de 560.000 estudantes alemães mais milhares de de equipes em 33 universidades alemãs agora terão suporte ao sistema operacional Linux da Novell". SuSe Linux Enterprise Desktop foi a distribuição específica escolhida, evidentemente por "arquitetura de TI mais flexível " que ela provê "quando comparada a outro software proprietário."

As Filipinas

as-filipinas
As Filipinas

A migração para Linux é dita estar "forjando uma revolução educacional" nas Filipinas, de acordo com a ComputerWorld. Assim como eles explicam, "depois da concessão do governo de uma implantação bem sucedida de 13.000 sistemas com Fedora Linux, os planos estão a caminho para rodar outras 10.000 baseadas em Ubuntu" nesse país. Aparentemente, Linux alcançou popularidade por causa de seus custos mais baixos de instalação e manutenção nas Filipinas no despertar da crise financeira asiática de 1997.

Georgia

Georgia
Georgia
O estado da Geórgia "começou a rodar Linux em todos os computadores e thin clients LTSP de suas escolas, utilizando especificamente Kubuntu, Ubuntu e distros baseado na linhagem Fedora" de volta a 2.004, de acordo com a Wikipedia adicionando a Georgia a lista de crescimento de países menos desenvolvidos que adotaram o uso de Linux por razões de custo versus pagar por taxas caras de licenças do Microsoft Windows.

Resumo do Tux 02/07/2016

Endless Mini disponível para as vendas no Brasil

 Fala cambada, beleza? Bora para um resumo do Tux?

 Segunda-Feira foi o dia em que comecei a tratar sobre hardware que utilizo no meu dia a dia e a medida que eu for comprando novos equipamentos eu vou postando mais para  poderem saber se o hardware é compatível com Linux ou não. O primeiro foi do unboxing do mouse Logitech M100 que o Thiago Abreu do canal Cartucho 94 postou (já que tenho um também). Depois postei sobre o da Multilaser que comprei recentemente. Vale lembrar que já mostrei que os dois consoles (o Steam Controller e o DualShock4 do Play Station 4 que funcionam no Linux. Confiram os dois vídeos:



 Na Terça-Feira mesmo eu postei o vídeo com o Thiago Abreu do canal Cartucho 94 que foi bem legal conhecer o cara:


 Na Quinta Feira foi vez do navegador Vivaldi que o mano Dio postou no canal Diolinux. Eu tive que postar este artigo pois o vídeo me chamou muita atenção e resolvi testar o navegador.
 E por fim hoje teve sobre o ChromeOS disponível para partir para o arrebento em produção. Agora vai ein. 

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (9) Andriod (14) android (5) artigo (5) aws (1) bc (15) benchmark (3) BSDs (27) btrfs (30) bugs (1) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (24) comp (1) compressores (5) container (6) CPU (19) criptografia (4) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desenvolvimento (80) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (3) dic (1) Dica de leitura (86) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (1) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (13) Docker (11) DragonflyBSD (20) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (10) filesystem (75) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (90) gerenciadores de pacotes (3) GOG (3) google (8) gpu (3) hardware (101) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (8) Intel (15) IoT (1) ispconfig (1) jogos (36) kde (1) kernel (134) lançamento (60) leis (1) LFCS (1) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) matemática (4) mesa redonda (27) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (146) não viva de boatos (9) navegadores (3) NetBSD (7) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (82) OpenBSD (5) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (39) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) pipewire (1) processadores (27) professor Augusto Manzano (11) Programação (60) promoção (1) propagandas com Linux (8) Red Hat (21) redes (3) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (1) runlevel (2) segurança digital (19) servidores (1) shell (3) sistema operacional (22) smartphones (3) Software livre e de código aberto (150) sorteio (3) Steam (9) Steam no Linux (7) supercomputadores (4) suse (7) systemd (7) terminal (83) terminal de comandos (11) toca do tux (1) toybox (23) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (4) wayland (5) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) ZFS (13) zsh (2)