Dando uma olhada na arquitetura dos processadores #3

MMU de um Motorola
MMU de um Motorola

Estamos na terceira parte da série Dando uma olhada na arquitetura dos processadores. Na primeira parte da série tratamos da arquitetura de Von Neumann, Na segunda parte tratamos de um recurso muito importante que é a Unidade de Ponto Flutuante e o seu contesto histórico.

Agora continuando dentro dos recursos temos também a MMU (Memory Management Unit ou a Unidade de Gerenciamento de Memória) Que traduz endereços virtuais para endereços físicos. Antigamente era um chip aparte e hoje (assim como o FPU) é comum estar incorporado aos processadores. Se pararmos para ler os e-mails do anuncio do lançamento do kernel Linux, uma das perguntas feita a Linus era se o Linux possuía suporte a MMU.

Esquema de como funciona o MMU
Esquema de como funciona o MMU

DSP (Digital Signal Processor ou Processador de Sinal Digital) é utilizado para processar áudio e vídeo e faz a eliminação de ruídos. Essa tecnologia é utilizada em teclados musicais, mesas de som, mas não é necessariamente utilizado nos processadores que utilizamos hoje. Alguns jogos do super Nintendo como o Super Mario Kart utilizaram essa tecnologia.

SIMD (Single Instruction Multiple Data ou Dados Únicos de Múltiplas Instruções) de forma simples de entender é o que realiza operações em paralelo (assim como o j-core). A sigla MMX da Intel que conhecemos, trata-se exatamente desse SIMD.

Por hora eu vou ficando por aqui, espero que tenham gostado e vamos compartilhando conhecimento :)

Não esqueçam de ajudar o canal e o blog a se manter independente se tornando um padrinho ;)

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (15) AMD (13) analise (9) Andriod (8) artigo (5) benchmark (3) BSDs (19) btrfs (10) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (6) Código Fonte (50) comandos (16) comp (1) compressores (4) container (1) CPU (15) criptografia (2) crowdfunding (9) cursos (19) daemons (13) Debian (29) desenvolvimento (53) desktop (16) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (49) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (12) Docker (7) DragonflyBSD (13) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (83) evento (4) facebook (1) Fedora (4) filesystem (56) financiamento coletivo (2) fork (3) fox n forests (4) FreeBSD (11) Funtoo Linux (13) games (87) gerenciadores de pacotes (2) GOG (3) google (8) gpu (2) hardware (96) I.A (1) init system (7) Intel (14) IoT (1) ispconfig (1) jogos (33) kernel (114) lançamento (39) leis (1) LFCS (1) licenças (7) Linus (15) linus torvalds (1) Linux (188) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) meetup (1) mesa redonda (27) microsoft (3) microst (1) muito além do GNU (115) não viva de boatos (9) navegadores (2) NetBSD (3) novatec (17) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (78) OpenBSD (3) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (36) padrim (2) palestras e eventos (3) partições (6) pentest (6) processadores (23) professor Augusto Manzano (11) Programação (40) propagandas com Linux (8) Red Hat (13) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) runlevel (2) Secomp (1) segurança digital (13) servidores (1) shell (1) sistema operacional (18) Software livre e de código aberto (147) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (3) suse (3) systemd (7) terminal (73) toca do tux (1) toybox (14) tutorial (5) Tux (3) unboxing (7) UNIX (15) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) wayland (2) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (12) WoT (1) ZFS (7)