Mostrando postagens com marcador BSDs. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador BSDs. Mostrar todas as postagens

Framework Rump kernel do NetBSD como uma solução para o Hurd

Framework Rump kernel do NetBSD como uma solução para o Hurd

Framework Rumpkernel do NetBSD como uma solução para o Hurd

 Em fevereiro deste ano Damien Zammit apresentou no FOSDEM uma solução para o Hurd*. A ideia é adotar o framework rump kernel do NetBSD; o que não é nenhuma novidade já que o Rump kernel já está presente no Hurd desde 2015 implementando seus recursos de USB e de áudio.

 Outras fontes também estão presentes no Hurd como partes do próprio Linux como servidor de arquivos ext2fs, servidor de rede pfinet, NIC, drivers de disco e muito mais. Algumas versões possuem suporte para execução de rede Linux 2.6.xe e drivers de disco no modo de usuário através da camada de compatibilidade DDE.

 A vantagem de utilizar o Rump kernel no Hurd é que o framework traria mais drivers com uma interface estável sem a necessidade de ficar reinventando a roda e debugar processos e drivers de forma pratica. Como o Hurd é um microkernel, os recursos do Rump kernel (gerenciamento ACPI e PCI e driver) vão rodar em processos separados como servidores.

 Pode ser que o Rump kernel realmente traga vantagens ao Hurd  uma vez que o Hurd possui suporte a hardware muito limitado (até hoje limitado a i386), apresenta muitas falhas (inclusive de kernel panic com muita frequência, muito maior do que o Windows apresenta tela azul) e não há (como nunca houve) previsão de lançamento de uma versão estável que possa ser utilizado em produção.

Hurd source code

O código fonte do Hurd e suas limitações podem ser conferido clicando aqui

GNU/Hurd takes 5 minutes to boot up on a AMD ThreadRipper
Depoimento do GNU/Hurd levando 5 minutos para bootar em um AMD ThreadRipper de 48 núcleos.

 É como já mencionado por Henrik Ingo em seu livro livro Open Life escrito em 2006 e traduzido para inglês pela própria irmã do Linus, Sara Torvalds:
"Uma ironia é que o projeto GNU mencionado por Linus ainda não conseguiu concluir seu próprio ‘grande e profissional’ kernel Hurd. Todo o crédito a eles por não terem desistido, no entanto. Eu venho acompanhando o desenvolvimento do Linux de perto há meia década e durante todo esse tempo o Hurd esteve quase completo. De alguma forma, é divertido ver que a situação deles era a mesma há treze anos, quando o Linux nasceu."
 Dezessete anos depois que o livro Open Life foi escrito pela primeira vez (sua primeira edição em 2.005) e o Hurd ainda não apresenta sinais de que terá uma versão estável. Honestamente não acredito que um dia o Hurd venha a se tornar funcional (há até mesmo piadas na gringa referentes ao Hurd onde a humanidade vai entrar em extinção em 2.050 enquanto que o hurd vai ficar pronto somente depois de 2.060). Há outras versões de microkernel muito mais interessantes que o Hurd e que eu relato no meu artigo 5 diferentes modelos de kernel.

Quando o hurd ficará pronto? Quando mais ninguém precisar?
Quando o hurd ficará pronto? Quando mais ninguém precisar?

 *O nome original deste microkernel é Mach e não Hurd; Hurd é o nome do seu conjunto de daemons (incrível como brigam tanto pelo reconhecimento do nome GNU querendo forçar todos a chamar Linux de GNU/Linux mas quando se trata do nome do microkernel Mach, eles enfatizam o nome do conjunto de daemons...). O Mach não foi desenvolvido pelo projeto GNU e sim pela universidade Carnegie Mellon e trata-se do mesmo microkernel utilizado pela Apple para o desenvolvimento do MacOSX (a junção do Mach kernel com o kernel FreeBSD,  do 4.4BSDLite e do NetBSD forma-se o XNU kernel base que dá origem ao sistema operacional Darwin, ou simplesmente, o MacOSX). E assim continuam a incansável luta para um dia tentar tornar o Hurd funcional.

A junção de microkernel Mach com porções de kernel como do FreeBSD, do NetBSD e do 4.4BSDLite formam o kernel hibrido XNU, base do sistema operacional Darwin (o MacOS X)
A junção de microkernel Mach com porções de kernel como do FreeBSD, do NetBSD e do 4.4BSDLite formam o kernel hibrido XNU, base do sistema operacional Darwin (o MacOS X)

 O site oficial o Mach pode ser conferido aqui.

airyxOS: Um clone do macOS?

airyxOS: Um clone do macOS?

airyxOS: Um clone do macOS?

 Na Segunda Feira eu fiz uma live tratando de um suposto clone do MacOSX que recebeu o nome de airyxOS. Então nesta live tratamos o que esse sistema operacional realmente é, sua proposta, seu design como modelo de kernel, sistemas de arquivos que possui suporte, init system utilizado pelo sistema, GUI, como rodará as aplicações do MacOSX, arquitecturas que possui suporte, se está funcionando e muito mais. Valeu a pena fazer esta live.




CBSD sendo portado para DragonflyBSD

I would like to port the CBSD for QEMU/NVMM to DragonFly
CBSD sendo portado para DragonflyBSD

CBSD, assim como o Docker no Linux, é uma framework para gerenciamento das ferramentas jail, bhyve e Xen do FreeBSD. A ideia é permitir construir seus ambientes virtuais rapidamente e com o minimo de configurações através de programas pré-definidos.
 É possível criar seus ambientes manualmente (assim como no Linux utilizando cgroups e namespace) porém, a ideia do CBSD é evitar exatamente dezenas (ou até centenas) de comandos para colocar um ambiente no ar.
"Cansado de digitar manualmente centenas de comandos apenas para organizar um ambiente virtual? Recomendamos o CBSD." https://cbsd.io/
CBSD
CBSD empregando um ambiente Debian

 Recentemente Oleg Ginzburg anunciou que estaria portando o CBSD para o DragonflyBSD por ter se interessado pela parte de virtualização de NVMM (que inclusive tratei aqui). Porém, devido certas funcionalidades necessárias para o framework funcionar no sistema operacional (algumas delas vinculadas a parte de rede), Oleg acabou entrando em contato com a equipe do DragonflyBSD.

 A equipe do DragonflyBSD atendeu sua requisição e abriu um ticket (https://bugs.dragonflybsd.org/issues/3305) para atender todas as necessidades para o port do CBSD e outro para as subtarefas específicas (https://bugs.dragonflybsd.org/issues/3306). Já existe um trabalho para que o CBSD esteja disponível no DPorts e vamos aguardar para que esteja em breve funcional para todos os BSDs.



Anunciado o fim do Project Trident

PROJECT TRIDENT SUNSET

 Project Trident iniciou em 2018 como uma distribuição para desktop baseado no TrueOS. Com o fim do TrueOS, dois membros adotaram porções do seu desktop e reconstruíram a distribuição e em 2019 anunciaram que iam abandonar a base do TruOS/FreeBSD e iam basear no Void Linux. A transição foi concluída em Fevereiro de 2020.

 Alguns dos principais recursos do Project Trident era a interface Lumina como ambiente gráfico padrão, o ZFS como sistema de arquivos padrão, criptografia para todos os dados, facilidade de uso e muito mais.

Ambiente gráfico Lumina

Lightweight Desktop Environment

 Infelizmente, o projeto anunciou o seu fim no dia 29 de Outubro devido a pandemia. Não está descrito exatamente assim, mas a informação do anuncio de seu fim deixa isso muito claro.
"Com as mudanças e eventos nos últimos dois anos na vida, trabalhos, família e etc; nossas prioridades individuais tem mudado também."

Lançado DragonFlyBSD 6.0.1

Lançado DragonFlyBSD 6.0.1
Lançado DragonFlyBSD 6.0.1

 Em maio deste ano foi anunciado o lançamento da versão 6.0 do DragonflyBSD. Essa nova versão trouxe muitas novidades (algumas ainda pendente para uma futura versão).
 No dia 11 de Justin C. Sherrill anunciou o lançamento da versão 6.0.1 do DragonflyBSD e como já é esperado, trata-se de um lançamento de correções de bugs (total de 5 correções entre 44 atualizações novidade). Porém, a maior alteração foi a atualização da informação de certificado do dports.

 Algo que acho que seria interessante um dia eu espero ver seria uma convergência entre o FreeBSD e o DragonflyBSD trazendo a qualidade de ambos em um único sistema operacional. A flexibilidade de portar aplicações do FreeBSD (veja os exemplos que tem aqui no blog. FreeBSD trabalhou no port do ZFS On Linux e que hoje é simplesmente o OpenZFS, o terminal de comandos toybox e faz uso da linguagem bc de Gavin Howard) e o desempenho e recursos do DragonflyBSD (como o Hammer2).

 Mas como já pude notar em comentários nos meus vídeos e aqui no meu blog, a cultura do ego ainda impera entre os muitos dos amantes de FreeBSD assim como há no meios dos amantes de Linux, GNU, software livre e de código aberto e provavelmente isso nunca desaparecerá (é típico do ser humano).


 Mas o importante mesmo no momento é o lançamento da nova versão, então baixem e desfrutem dela. :)

Lançado DragonFly BSD 6.0

Lançado DragonFly BSD 6.0
Lançado DragonFly BSD 6.0

    No dia 10 de Maio, Justin Sherrill anunciou o lançamento do DragonflyBSD 6.0, o que já era em tempo já que a última versão (a 5.8.2) foi lançada em Setembro do ano passado e que você pode conferir clicando aqui.

    O DragonflyBSD 6.0 recebeu suporte a ext2 filesystem non-GPL (algo que parece atrasado, mas considerando que o ext2 é um sistema de arquivos que pode ser um passo para que o DragonflyBSD tenha suporte ao ext4 assim como o HelenOS, isso se torna ótimo), o TMPFS recebeu melhorias significativas na parte de desempenho e o HAMMER2 passou a possuir suporte a Volume expansion (hammer2 growfs directive) e suporte inicial a multi-volume (Tomohiro Kusumi passou a trabalhar nas atualizações do HAMMER2). Essa versão passou a não mais possuir suporte ao recurso vkernel (há planos para no futuro ter um substituto chamado HVM).

    Meltdown é detectado durante o processo de boot em hardware Intel (é, demorou), o DRM agora é correspondente com o DRM do kernel Linux 4.10.17, foi adicionado a sua base o zstd 1.4.8 (pode ser que teremos suporte ao zstd no HAMMER2 e não somente o zlib), a velocidade da porta serial passou de 9600 para 115200, foram importados do FreeBSD o suporte a amdsmn e amdtemp dos processadores da família Zen da AMD. (o libstdbuf e Refactor printf() libc tabém foram importados do FreeBSD) e foram adicionados suporte as novas controladoras ethernet Intel I219.

    Agora é possível utilizar um script escrito em 2019 por um usuário anonimo do DragonflyBSD que visa simplificar o processo de atualização de uma versão para outra do sistema operacional (bastando executar make -j`sysctl -n hw.ncpu` buildworld). Quem conhece o dragonflyBSD, sabe que esse não é um processo fácil.

Processo de atualização do DragonflyBSD
Processo de atualização do DragonflyBSD

    Foram mais ou menos 187 novidade sendo 50 correções, 12 melhorias de desempenho e segurança e mais atualizações em drivers, no kernel (63 atualizações somente no kernel), no userland e muitas outras ferramentas.

    (Atualizado no dia 21/05/2021) Depois do lançamento, há mais pessoas que estão demonstrando interesse em contribuir para o DragonflyBSD, como é o caso do PHP James Cook que já trabalhou no Google que se interessou em participar o desenvolvimento do kernel do DragonflyBSD tendo interesse em remover remover o recurso zalloc do /sys/vm/swap_pager.c e Mike Carol qe está querendo participar na parte de escrever novos drivers para o sistema operacional baseado no livro FreeBSD Device Drivers.


DragonflyBSD agora possui mais de trinta mil pacotes

DragonflyBSD agora possui mais de trinta mil pacotes

Antonio Huete Jiménez do site QuantuMachine notificou a disponibilidade de um novo conjunto de pacotes baseados nos Ports do FreeBSD de 6 de Setembro de 2.020. Um total 30.960 no RELEASE-5.8 (sendo 30.986 no master).
 Há técnica de upgrade conhecida como Bullet-proof (conflict-proof) descrito no HowToDports do DragonflyBSD, reportar erros no GitHub do projeto e desenvolvedores pode enviar correções clicando aqui.

Lançado DragonFlyBSD 5.8.2

Lançado DragonFlyBSD 5.8.2

 Como todos já devem saber (e caso você ainda não saiba), DragonflyBSD é um fork do FreeBSD cujo seu foco é a melhoria do desempenho. Esse objetivo já foi alcançado ao trabalharem em seu novo sistema de arquivos chamado HAMMER/2, em seus drivers, no recurso swapcache e em muitos outros recursos que podem ser conferidos clicando aqui.

 Noticia rápida, no dia 23 de Setembro foi lançado DragonFlyBSD 5.8.2 que recebeu 64 novidades entre correções, mudanças, backports e novos recursos menores. Todas as novas alterações e os autores podem ser conferidos clicando no link abaixo.

Nova documentação do DragonFlyBSD

DragonFly documentation in EPUB format

 Estou um pouco atrasado com essa postagem que eu gostaria de já ter postado assim que fiquei sabendo, mas aqui estou eu (antes tarde do que nunca). Recentemente postei um artigo sobre o DragonflyBSD passar a receber suporte a Hypervisor do OpenBSD. Pouco depois disso fiquei sabendo de uma nova documentação que foi feita para o DragonflyBSD.

 Um cara chamado Vincent DEFERT criou ebooks no formato EPUB para o DragonflyBSD (um handbook e um HowTo com misselanias). Os dois ebooks estão disponíveis em seu site oficial que podem ser baixados clicando aqui.

DragonflyBSD receberá suporte a Hypervisor do NetBSD

DragonflyBSD receberá suporte a Hypervisor do NetBSD

DragonflyBSD receberá suporte a Hypervisor do NetBSD

Kamil Rytarowski (CTO da Moritz Systems) informou que a Motriz Systems reservou Code Bounty (que é um meio de financiamento do DragonflyBSD) para trabalhar no port de Hypervisor para o DragonflyBSD tendo como principal desenvolvedor Jaromir Dolecek. Há duas propostas de port de Hypervisor:
  1. nvmm do NetBSD
  2. bhyve do FreeBSD
 A Motriz Systems planeja portar o NVMM (NetBSD Virtual Machine Monitor) para o DragonflyBSD. NVMM é uma plataforma hypervisor que fornece suporte a aceleração via hardware. Uma API de virtualização é carregada pela biblioteca libnvmm que permite criar e gerenciar facilmente máquinas virtuais com o NVMM. O pacote Qemu no pkgsrc foi modificado para alavancar a API de virtualização e prover emulação rápida.

Módulo nvmm carregado com Qemu no NetBSD

 Muito trabalho já feito como por exemplo a compatibilidade com a API do NetBSD 9.0 e com melhorias do NetBSD-current, suporte tanto a Intel quanto AMD e já há um processo de upstream NVMM para o Qemu e quando estiver pronto, o backend do NVMM no Qemu deve funcionar bem no DragonflyBSD out of the box (e disponível do Dports).

 O planejamento interno da Motriz Systems é de terminar o projeto até o dia 1° de Setembro de 2020 e todo o projeto será publicado nos seguintes links:

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (9) Andriod (14) android (5) artigo (5) aws (1) bc (16) benchmark (3) BSDs (27) btrfs (30) bugs (1) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (24) comp (1) compressores (5) container (6) CPU (19) criptografia (4) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desenvolvimento (80) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (3) dic (1) Dica de leitura (86) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (1) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (13) Docker (11) DragonflyBSD (20) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (10) filesystem (75) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (90) gerenciadores de pacotes (3) GOG (3) google (8) gpu (3) hardware (101) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (8) Intel (15) IoT (1) ispconfig (1) jogos (36) kde (1) kernel (134) lançamento (60) leis (1) LFCS (1) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) matemática (4) mesa redonda (27) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (146) não viva de boatos (9) navegadores (3) NetBSD (7) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (82) OpenBSD (5) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (39) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) pipewire (1) processadores (27) professor Augusto Manzano (11) Programação (60) promoção (1) propagandas com Linux (8) Red Hat (21) redes (3) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (1) runlevel (2) segurança digital (19) servidores (1) shell (3) sistema operacional (22) smartphones (3) Software livre e de código aberto (150) sorteio (3) Steam (9) Steam no Linux (7) supercomputadores (4) suse (7) systemd (7) terminal (83) terminal de comandos (11) toca do tux (1) toybox (23) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (4) wayland (5) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) ZFS (13) zsh (2)