Mostrando postagens com marcador os vários sabores de Linux. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador os vários sabores de Linux. Mostrar todas as postagens

Equipe Regata OS lança o seu pacote Premium


    O Regata OS é uma distribuição Linux brasileira baseada no OpenSuse que permite que você tenha acesso de forma mais fácil a o que realmente é importante. O Regata OS oferecendo tudo o que você precisa para aproveitar melhor desempenho com o seu desktop, seja fazendo tarefas simples do dia a dia como abrir apps e arquivos, bem como curtindo seus jogos favoritos ou criando conteúdo.
    Ao longo do tempo o Regata OS vem ganhando muito destaque (inclusive fora do país). Um dos pontos chaves é que a equipe do projeto concentra seus esforços em suas ferramentas e nas personalizações da distribuição ao invés de ter que trabalhar em todo o sistema operacional. Os membros já até mesmo participaram do canal em uma entrevista:


    Agora a equipe do Regata OS lança o plano Premium que lhe oferece suporte turbinado e acesso antecipado às novidades incluindo novas versões de aplicativos e recursos que serão adicionados no sistema operacional. Por apenas R$9,99 mensais (R$119,88 por ano) ou uma única parcela de R$99,99 por ano você possui:
  • Suporte via chat privado
  • Servidor privado no Discord
  • Suporte remoto online
  • Acesso às novidades
    Com o seu apoio, a equipe pode manter o Regata OS vivo, ir mais longe e te beneficiar (não somente com suporte; você também recebe prêmios muito legais :).
    Siga também o Regata OS nas redes sociais:

SUSE Linux Enterprise recebe certificação SAP Endorsed App


SUSE e SAP fortalecem ainda mais sua parceria estratégica, reforçando a confiabilidade para implantação de soluções SAP com mais rapidez e eficiência

Nuremberg, Germany -  SUSE®, líder global em inovação de código aberto, anunciou que o SUSE Linux Enterprise Server para aplicativos SAP agora é um aplicativo aprovado pela SAP (SAP Endorsed App) e disponível no SAP® App Center. O SUSE Linux Enterprise Server demonstrou resultados comprovados e passou por testes da SAP, obtendo a certificação premium da companhia.

“A SUSE continua a fortalecer a parceria duradoura com a SAP e a dar aos clientes confiança para implantar soluções SAP com mais rapidez e eficiência”, disse Paul Devlin, diretor de atendimento ao cliente da SUSE. “O SUSE Linux Enterprise Server para aplicativos SAP é a plataforma Linux líder para soluções SAP HANA, SAP S / 4HANA® e SAP NetWeaver®, e o SUSE Linux Enterprise também é o sistema operacional de desenvolvimento para SAP HANA®. Estamos honrados por nossa solução ter recebido distinção como um aplicativo endossado pela SAP, o que nos levará a atender melhor nossos clientes em sua jornada de transformação para uma empresa inteligente. ”

O status de aplicativo aprovado pela SAP reflete muitos anos de parceria, inovação e de valor agregado aos clientes em comum. O aumento da co-inovação com SAP inclui o trabalho em contêineres Kubernetes gerenciados pelo projeto “Gardener”, um projeto de código-aberto baseado em SAP que atende às demandas do mundo real para gerenciamento de serviços Kubernetes em hiperescala, independentemente da infraestrutura. A co-inovação com “Gardener” reúne os melhores especialistas em SUSE e SAP em gerenciamento de contêineres para ajudar no desenvolvimento de ferramentas de implantação e integração de back-end para clientes locais.

“As inovações do ecossistema são essenciais para a visão da SAP e a consolidação de uma empresa inteligente”, disse Tom Roberts, vice-presidente sênior para soluções de parceiros da SAP. “Aplaudimos a SUSE por alcançar o status de aplicativo aprovado pela SAP com o  SUSE Linux Enterprise Server para aplicativos SAP.  O aplicativo foi submetido a intensos testes e medições contra soluções de referência, conquistando a certificação premium. A SUSE é um parceiro confiável e de longa data que compartilha nosso compromisso com os clientes e espero continuar nossa parceria”.

Os clientes transformam a forma como fazem negócios através das soluções SUSE e SAP. Por exemplo, uma empresa global de construção, engenharia e manufatura usa aplicativos SAP para pagar seus 46.000 funcionários com precisão e no prazo. A implantação da solução de alta disponibilidade integrada no SUSE Linux Enterprise Server para aplicativos SAP aumentou a disponibilidade para 99,995% para sistemas de banco de dados SAP HANA. Em quatro anos, a empresa experimentou apenas duas horas de paralisação não planejada.

Outro cliente, uma empresa multinacional de tecnologia da informação empresarial, redesenhou processos de negócios para aprimorar a experiência de clientes, parceiros e funcionários. Usando SAP S/4HANA em execução no SUSE Linux Enterprise Server para aplicativos SAP, a empresa conseguiu reduzir o número de aplicativos em uso em 50%, reduzir os pontos de contato em processos de vendas em 90% e aumentar sua receita de comércio eletrônico em 150%.

SUSE e SAP Endorsed Apps

O SAP Endorsed Apps  são aplicações certificadas como premium pela SAP com segurança adicional, testes rigorosos e medições de resultados comparados às soluções de referência. Os aplicativos aprovados destinam-se a agregar valor excepcional aos clientes.

O SUSE Linux Enterprise Server para aplicativos SAP 15 Service Pack 2 oferece novos recursos para simplificar a migração dos serviços SAP HANA e SAP S/4HANA para a nuvem e implementações híbridas por meio da instalação e configuração automatizadas da pilha de software completa, otimizada para desempenho e resiliência.

Para obter mais informações sobre a aliança da SUSE com a SAP e as soluções de cliente resultantes, visite: www.suse.com/sap.

Sobre a SUSE

A SUSE, a maior empresa de código aberto independente do mundo, possibilita a transformação digital com soluções ágeis de código aberto de nível empresarial, de ponta a ponta para a nuvem. Colaborando com parceiros, comunidades e clientes, a SUSE fornece e oferece suporte a soluções corporativas de infraestrutura e entrega de aplicativos para Linux, de nível corporativo, para criar, implantar e gerenciar cargas de trabalho em qualquer lugar - local, híbrido e multi-nuvem - com serviço, valor e flexibilidade e excepcionais.

Para mais informações, visite www.suse.com

Declarações Prospectivas

Quaisquer declarações neste comunicado à imprensa sobre expectativas futuras, planos e perspectivas para a empresa, incluindo declarações contendo as palavras "visa", "metas", "irá", "acredita", "antecipa", "planeja", "espera" e expressões semelhantes podem constituir declarações prospectivas e devem ser lidas com cautela. Os resultados reais podem diferir materialmente daqueles indicados por tais declarações prospectivas como resultado de vários fatores importantes, incluindo cenário competitivo, desenvolvimento de negócios com clientes, confiança em relacionamentos com clientes, gestão de crescimento e aquisições, a possibilidade de problemas de software não detectados, o riscos de impactos da pandemia Covid-19 e crises econômicas, pressões de preços e viabilidade da Internet. Além disso, quaisquer declarações prospectivas incluídas neste documento representam pontos de vista na data deste comunicado à imprensa e esses pontos de vista podem mudar. A empresa não tem nenhuma obrigação de atualizar suas declarações prospectivas. Essas declarações prospectivas estão sujeitas a alterações e não devem ser consideradas como representativas dos pontos de vista da Empresa em qualquer data diferente da data deste comunicado à imprensa.

Declaração Prospectiva da SAP

Quaisquer declarações neste comunicado que não sejam fatos históricos são declarações prospectivas, conforme definido na Lei de Reforma de Litígios de Títulos Privados dos EUA de 1995. Todas as declarações prospectivas estão sujeitas a vários riscos e incertezas descritos nos arquivos da SAP com a US Securities and Exchange Comissão, incluindo seu relatório anual mais recente no Formulário 20-F, que poderia fazer com que os resultados reais difiram materialmente das expectativas. A SAP alerta os leitores para não depositarem confiança indevida nessas declarações prospectivas, que a SAP não tem obrigação de atualizar e que falam apenas em suas datas.

Copyright 2021 SUSE LLC. All rights reserved. SUSE and the SUSE logo are registered trademarks of SUSE LLC in the United States and other countries. All third-party trademarks are the property of their respective owners.

SAP and other SAP products and services mentioned herein as well as their respective logos are trademarks or registered trademarks of SAP SE in Germany and other countries. Please see https://www.sap.com/copyright for additional trademark information and notices.

 
Lançado novo Minicurso de atributos no Linux

Longhorn estende recursos de armazenamento Kubernetes no SUSE


Longhorn estende recursos de armazenamento nativo do Kubernetes para dar suporte a implantações de ponta

Quando associado à Rancher, a versão mais recente de Longhorn permite que as equipes de DevOps gerenciem volumes de dados constantes desde o core da nuvem à borda

Nuremberg, Germany – 26 de janeiro de 2021 – A SUSE, líder global em real inovação de código aberto e proprietária da plataforma de gerenciamento de contêiner Rancher, comemora o lançamento do Longhorn 1.1. Longhorn é um projeto de Sandbox da CNCF (Cloud Native Computing Foundation) desde outubro de 2019. A partir de junho de 2020, quando passou a ser disponível de forma generalizada, a adoção do Longhorn aumentou em 235%, até se tornar um pilar do ecossistema de armazenamento de Kubernetes. Com esta versão mais recente, os usuários de Rancher agora podem aproveitar uma solução de armazenamento nativo de Kubernetes em hardwares de baixa potência na borda.

O Longhorn 1.1 permite que as equipes de DevOps gerenciem facilmente volumes de dados constantes em qualquer ambiente Kubernetes, ao mesmo tempo em que traz uma abordagem de nível empresarial, mas neutra para fornecedores, para o armazenamento nativo em nuvem. Com a última atualização, os usuários do Rancher podem conquistar mais resiliência em ambientes edge com suporte a ARM64, novos recursos de autocorreção e maior visibilidade de desempenho fornecida pelo Longhorn 1.1.

De acordo com previsões da Gartner, até 2025 cerca de 75% dos dados gerados por empresas serão criados e processados em borda - fora de um tradicional datacenter centralizado ou da nuvem. A estimativa representa um grande aumento comparado aos números de 2018, 10%. Com esse crescimento em mente, Longhorn 1.1 permite que os desenvolvedores criem aplicativos com segurança e armazenem dados em ambientes periféricos em dispositivos com recursos limitados.

O que há de novo no Longhorn 1.1?
O novo Longhorn atua em plataforma 100% aberta, focado em microsserviços e armazenamento nativo em nuvem para implantações de Kubernetes. O Longhorn 1.1 traz uma série de novos recursos e melhorias para equipes de DevOps empresariais, incluindo:

Robusto armazenamento nativo de Kubernetes em Edge
O Longhorn 1.1 estende os recursos de armazenamento nativo do Kubernetes para oferecer suporte a implantações de ponta. Ele foi projetado para ajudar as equipes a armazenar dados de maneira confiável, mesmo nos ambientes mais hostis e com recursos limitados. Ele também vem com suporte para ARM64 - um dos recursos mais solicitados pela comunidade.

Impulsionando o desempenho eficiente do contêiner
Melhorar a eficiência de maneira consistente é sempre a prioridade dos usuários na comunidade K8s. Provavelmente uma introdução popular, o Longhorn agora oferece suporte ‘ReadWriteMany’ em contêineres, dando aos desenvolvedores uma solução de armazenamento persistente eficiente que permite que volumes sejam lidos e gravados em vários contêineres a qualquer momento. Ao contrário das metodologias "ReadWriteOnce", o Longhorn 1.1 permite que as equipes compartilhem o armazenamento de volume entre paths e nodes diferentes.

Visibilidade aprimorada e suporte de operações
O Longhorn 1.1 traz melhores insights e funcionalidades para a infraestrutura de armazenamento de uma organização. Com o novo suporte integrado para o Prometheus, os usuários agora têm métricas em tempo real da integridade do armazenamento (monitoramento, uso de recursos, rastreamento etc.). O suporte garante uma visão muito mais detalhada do desempenho do cluster e, através do novo suporte para CSI Snapshotter, podem criar ou restaurar backups via ‘kubectl’.

Manutenção otimizada
Outra novidade do Longhorn 1.1 são os recursos aprimorados de manutenção de nós. O Longhorn agora oferece suporte às operações de drenagem de Kubernetes para ajudar os usuários com o desempenho seguro da manutenção. A versão 1.1 também possui a capacidade de reconhecer os discos existentes em um novo nó - o que fornece um melhor ambiente operacional para provedores em nuvem.

Maior resiliência
No topo da lista de prioridades para a maioria das empresas está a mitigação de problemas de rede. Um novo recurso de localidade de dados foi introduzido com o Longhorn 1.1 para aumentar a resiliência em condições de rede instáveis (por exemplo, em cenários de borda). Esse novo recurso manterá uma réplica de armazenamento local para a própria carga de trabalho, garantindo que, mesmo se o nó perder temporariamente a conectividade de rede, o acesso ao armazenamento nunca será perdido.

O Longhorn 1.1 é muito mais simples do que outras soluções de armazenamento definido por software com o objetivo de fornecer armazenamento rápido e confiável para a maioria dos casos de uso, sem o inchaço de abordagens legadas.

Para comprovar a nova experiência, os usuários Rancher podem instalá-lo diretamente do catálogo de aplicativos. O Longhorn também é gratuito para download e uso, mas os clientes que procuram suporte podem adquirir a versão premium com os mesmos SLAs fornecidos pelo Suporte da SUSE. Não há taxas de licenciamento e o preço da assinatura baseada em nós mantém os custos o mais baixo possível.

Recursos

  • Saiba mais sobre armazenamento persistente, construído com CNCF Sandbox Project Longhorn aqui.
  • Obtenha detalhes técnicos sobre o Longhorn 1.1 aqui.
  • Saiba mais sobre a plataforma de gerenciamento Kubernetes da SUSE, Rancher, em rancher.com.
  • Interessado em certificações Rancher? Visite a Rancher Academy.

Sobre a SUSE 
A SUSE, a maior empresa de código aberto independente do mundo, possibilita a transformação digital com soluções ágeis de código aberto de nível empresarial, de ponta a ponta para a nuvem. Colaborando com parceiros, comunidades e clientes, a SUSE fornece e oferece suporte a soluções corporativas de infraestrutura e entrega de aplicativos para Linux, de nível corporativo, para criar, implantar e gerenciar cargas de trabalho em qualquer lugar - local, híbrido e multi-nuvem - com serviço, valor e flexibilidade e excepcionais.  

Para mais informações, visite www.suse.com

Declarações Prospectivas
Quaisquer declarações neste comunicado de imprensa sobre expectativas futuras, planos e perspectivas para a empresa, incluindo declarações contendo as palavras "visa", "metas", "irá", "acredita", "antecipa", "planeja", "espera" e expressões semelhantes podem constituir declarações prospectivas e devem ser lidas com cautela. Os resultados reais podem diferir materialmente daqueles indicados por tais declarações prospectivas como resultado de vários fatores importantes, incluindo cenário competitivo, desenvolvimento de negócios com clientes, confiança em relacionamentos com clientes, gestão de crescimento e aquisições, a possibilidade de problemas de software não detectados, os riscos de impactos da pandemia Covid-19 e crises econômicas, pressões de preços e viabilidade da Internet. Além disso, quaisquer declarações prospectivas incluídas neste documento representam pontos de vista na data deste comunicado à imprensa e esses pontos de vista podem mudar. A empresa não tem nenhuma obrigação de atualizar suas declarações prospectivas. Essas declarações prospectivas estão sujeitas à alterações e não devem ser consideradas como representativas dos pontos de vista da Empresa em qualquer data diferente da data deste comunicado à imprensa.

Lançado Alpine Linux 3.13.0

 Hoje foi anunciado o lançamento do Alpine Linux 3.13.0 (a primeira versão estável da série v3.13). esta versão traz o kernel Linux 5.10.7, ZFS 2.0.1, musl 1.2, GCC 10.2.1, Busybox 1.32.1, Git 2.30.0, Knot DNS 3.0.3, MariaDB 10.5.8, Node.js 14.15.4, Nextcloud 20.0.4, PostgreSQL 13.1, QEMU 5.2.0, Xen 4.14.1 e Zabbix 5.2.3.

 Além dos mencionados, agora o Alpine possui suporte a cloud images (../cloud) oficial, suporte incial ao cloud-init, introduz o novo ifupdown-ng (que é um substituto para o ifupdown do busybox), melhorias no suporte a rede wifi e muito mais


Lançado LLVM 10.0.1

Lançado LLVM 10.0.1

Lançado LLVM 10.0.1

 Hoje (07/08/2020) Tom Stellard relatou que o LLVM 10.0.1 foi disponibilizado para download. Essa versão traz correções de bugs e mantem a compatibilidade de API e ABI com a versão anterior (realmente não há muito o que se falar se comparado com a versão 10.0, este é somente para lhes manter ciente do novo lançamento).

Btrfs poderá receber novo recurso para ser adotado no Fedora 33

Btrfs poderá receber novo recurso para ser adotado no Fedora 33
Btrfs poderá receber novo recurso para ser adotado no Fedora 33
 Durante a conversa sobre a possível migração do Fedora 33 para o Btrfs (e que pode ser lido clicando aqui), foi mencionado que o Btrfs é particularmente vulnerável a corrupção de metadados (caso uma das raízes globais centrais (em inglês core global roots) venha a corromper, o sistema de arquivos é desmontados e o fsck não consegue fazer nada sem algumas opções especiais.

 Foi aí que sugeriram um adicionar suporte a opção rescue=skipbg ao Btrfs (automaticamente, ao comando mount também). Porém essa opção é muito fraca por só permitir operar sem um extent root e outras opções foram sugeridas como 
mount -o rescue=skipbg,rescue=nocsum,rescue=nofreespacetree,rescue=blah
  Apesar de já estarem trabalhando no patch para o novo recurso, a equipe anda está analisando quais são as melhores e mais vantajosas opções para os usuário. Testes estão sendo realizados com vários dados ao corromper as csum tree e o debate ainda está sendo longo.

NÃO SE ESQUEÇA DE SE INSCREVER NO MEU CURSO DE MIGRAÇÃO PARA LINUX.
NÃO SE ESQUEÇA DE SE INSCREVER NO MEU CURSO DE MIGRAÇÃO PARA LINUX.

Lançado Fedora 32

Lançado Fedora 32
Lançado Fedora 32
 Logo hoje (dia 28 de Abril de 2020) que disponibilizei o artigo Utilizando o Zsh no Fedora foi anunciado o lançamento do Fedora 32. Como descrito por Matthew Miller (lider do projeto Fedora) que sempre obtemos a experiencia com a ultima versão software open source para todos os ambiente que o Fedora é oferecido (workstatin, spins servidores, IoT e etc...) e mantendo sempre a qualidade e estabilidade dos pacotes.

Esta nova versão está disponível para as arquiteturas x86-64 (AMD64) e ARM (AArch-64) não sendo mais disponibilizado para x86 de 32 bits na versão Workstation e IoT, mas ainda sendo mantida para a versão servidores. Há informações de suporte as arquiteturas Power e S390x, mas não as encontrei.

 Dentre as novidades estão GNOME 3.36, o GCC 10, Ruby 2.7, e Python 3.8 (um legacy do Python 27 é mantido). Caso esteja utilizando a versão 31 (assim como eu) e quer atualizar para a versão 32, Adam Šamalík disponibilizou hoje também um artigo como fazer isso, basta clicar aqui. e se quiser saber mais detalhes, o Renato do FastOS e Oficina do Tux fez um vídeo hoje testando a nova versão. Confiram aí:

Lançado Alpine 3.11.5, bechmark do Alpine Linux e uma baita novidade

Lançado Alpine 3.11.5, bechmark do Alpine Linux e uma baita novidade
Lançado Alpine 3.11.5

 Noticia um pounco (ou bem) atrasada, mas devido o ultimo vídeo do canal onde trato se o Alpine Linux possui bom desempenho além de sua principal característica (que é ser pequena e leve), então resolvi trazer essa noticia assim mesmo.

 Além de conferir o desempenho do Alpine Linux em um benchmark comparado ao Clear Linux (o que é uma baita comparação), neste vídeo eu trago também uma novidade muito interessante que vale a pena ser conferida e até mesmo considerada adotar em projetos (quem sabe a equipe do Alpine Linux não venha a fazer isso).



 No dia 23 de Março, Natanael Copa anunciou o lançamento do Alpine Linux 3.11.5. Não vou tratar quais as novidades já que se trata de um lançamento mais focado em correções de bugs. Caso queira saber mais sobre as novidades desta versão, aconselho a conferir o link clicando aqui. Aos amantes do Alpine Linux, fica a dica não somente desta nova versão mas também de conferir essa ferramentas muito interessante.


Mais sobre o Alpine Linux
Mais sobre o Clear Linux
Wholly!
http://www.csl.sri.com/users/gehani/papers/FMICS-2018.Wholly.pdf
https://www.nsf.gov/awardsearch/showAward?AWD_ID=1440800

Lançado LLVM 9.0.1

Lançado LLVM 9.0.1
Lançado LLVM 9.0.1
 Um dos compiladores capazes de compilar o kernel Linux é o LLVM/Clang (já fiz uma série cahamada "3 compiladores capazes de compilar o kernel Linux além do GCC" sendo os outros o TinyCC do criador o Qemu e o ICC da Intel).

 Existe até mesmo o projeto da LLVM Linux Foundation que visa compilar totalmente o kernel utilizando o Clang (fronend do LLVM). Algumas distribuições, projetos e empresas já migraram para o compilador como a própria Apple (forte a adotar o LLVM), o Open Mandriva ja compilou 94% dos seus pacotes com Clang, o Android é 100% compilado com o LLVM, o  Debian hoje compila grande parte dos seus pacotes usando o LLVM/Clang, é fortemente indicado para embarcados, FreeBSD, PCBSD, Sony, Qualcomm e mais uma lista gigantesca de empresas.


 Antes de finalizar o ano, o projeto LLVM/Clang lançou a versão 9.0.1. Essa é uma versão de correção de bugs da versão anterior e mantendo sua compatibilidade. Não há muito o que se falar, mas eu não queria deixar passar batido o seu lançamento (e o seu próximo lançamento está previsto para 6 ou 7 de April de 2020). Fica aqui também um forte agradecimento aos financiadores do projeto que tem permitido esse compilador acontecer.

 O código fonte (ou binários) da nova versão podem ser baixados clicando aqui.
Mais sobre o LLVM/Clang pode ser conferido clicando aqui

Lançado Alpine 3.11.2

Alpine Linux
Lançado Alpine 3.11.2
Alpine Linux é uma distribuição Linux orientada em segurança, leveza e baseada na biblioteca musl libc e no busybox. No dia 19 desse mês notificamos o lançamento da versão 3.11.0 (pois é, dias atrás). E na véspera de natal, Natanael Copa resolveu anunciar o lançamento da versão 3.11.2.


 Essa é uma versão de correções de bugs que corrige arquivos dtbs ausentes para a imagem initramfs  no netboot (e parece que é só isso...). A lista completa das alterações podem ser conferidas no git log e no bug tracker. Está bom, é só isso mesmo. Também, convenhamos, véspera de natal; vamos é dar uma descansada.

Lançado Alpine 3.11.0

Alpine 3.11.0
Alpine 3.11.0
Alpine Linux é uma distribuição segura, pequena e leve que faz uso da musl como biblioteca C no lugar da GlibC e do Busybox como terminal no lugar do Bash. Outras distribuições já passaram a adotar a musl como biblioteca C e há planos também por parte do Debian para a sua adoção (como já houve no passado). Há outras características do Alpine Linux que podem ser conferidos no vídeo da série Os vários sabores de Linux.


 Seis meses depois do lançamento da ulta versão 3.10, aqui vamos nós para mais um lançamento para finalizar o ano. Esse é o primeiro lançamento da versão 3.11 que traz o kernel Linux 5.4 (linux-lts), suporte a Raspberry Pi 4 (aarch64 and armv7),  suporte inicial aoGNOME e ao KDE; suporte for  Vulkan, a MinGW-w64 e a DXVK. Houveram também várias atualizações e mudanças (kernel vanilla foi removido; Python 2 foi descontinuado na distribuição. Automaticamente os pacotes Python 2 foram removidos. Pacotes agoram utilizam /var/mail ao invés de /var/spool/mail de acordo com a FHS (https://refspecs.linuxfoundation.org/FHS_3.0/fhs/ch05s11.html) e o clamav-libunrar não é mais uma dependência do clamav que precisa ser instalado manualmente).

Puppy quirky passará a utilizar toybox, musl e clang

Puppy quirky passará a utilizar toybox, musl e clang
Puppy quirky passará a utilizar toybox, musl e clang
 Puppy Quirky Linux é uma distribuição experimental criada por Barry Kauler em 2013 depois de se aposentar da liderança do projeto Puppy Linux. Sim, o Quirky é desenvolvido pelo fundador do Puppy Linux com a intenção de poder explorar o sistema mais a fundo com novas ideias podendo ser mais ousado nos desafios. Porém em Dezembro de 2018 o Quirky Linux foi descontinuado para dar lugar a sua nova distribuição experimental chamada EasyOS.
curso-linux-da-migração-a-administração-do-sistema-operacional
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
 No inicio de Outubro, anunciaram que irão iniciar sua próxima build T2 para o Puppy quirky e que planejam utilizar musl/clang e substituir o busybox totalmente pelo toybox. O maior problema no momento é que ainda não é possível utilizar o toybox como principal terminal padrão (nem mesmo no Hermetic Linux, ou mkroot que é a distribuição de teste de implementação do toybox) devido ainda ter certa dependência completa do toybox pendente. No caso do mkroot, o que ainda é feito no mkroot é trabalhar em dois  passos.

  1. Utilizar o Busybox como terminal de comandos padrão 
  2. Substituir os comandos pelos existentes no toybox.
 Por hora é o que pretendem fazer no build T2 do Puppy Quirky até que esse objetivo seja alcançado. Espero que tal dependência venha logo o que não falta muito para isso :)

Mais sobre o toybox
Mais sobre a musl
Mais sobre o llvm

NÃO SE ESQUEÇA DE SE INSCREVER NO MEU CURSO DE MIGRAÇÃO PARA LINUX. 

Puppy Linux - uma distro realmente leve!


 Bom legal o vídeo compartilhado pelo Marcos do canal Vartroy sobre a distribuição Puppy Linux. Uma distribuição pequena (uma ISO tem em torno de pouco mais de 350MB), com baixo consumo de RAM e de CPU. É possível conferir isso no vídeo abaixo como é uma distribuição muito leve rodando até mesmo em uma VM.

 Chega de choro, heim? Se essa distro não rodar em seu hardware ferro velho pode aposentá-lo... rsssss

Lançado Alpine Linux 3.10.0

Lançado Alpine Linux 3.10.0
Lançado Alpine Linux 3.10.0
 Quase cinco meses após o lançamento da ultima versão, é lançado o Alpine 3.10.0. Alpine Linux é uma distribuição orientada a segurança e leveza tendo como biblioteca C padrão a musl libc, o busybox como terminal de comandos e é fortemente utilizada no Docker. Quiser saber mais sobre o Alpine Linux, confira o vídeo no final deste artigo; mas vai com calma, leia o artigo também ;)
curso-linux-da-migração-a-administração-do-sistema-operacional
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
  A primeira versão da série 3.10.x traz como novos recursos o suporte a Pine64LTS, iwd que é uma alternativa moderna ao wpa_supplicant (EAP ainda não está funcionando); suporte a ethernet e porta serial para placas arm; ceph (que é um sistema de arquivos e armazenamento para objeto distribuído (distributed object store and filesystem) e o lightdm como cross-desktop display manager.

 Houveram atualizações significativas também como kernel Linux 4.19.52, GCC 8.3.0, Busybox 1.30, musl libc 1.1.22, LLVM 8.0.0, Go 1.12.6, Python 3.7, Perl 5.28, Rust 1.34.2, Crystal 0.29.0, PHP 7.3.6, Erlang 22.0.2, Zabbix 4.2.3, Nextcloud 16.0.1, Git 2.22.0, OpenJDK 11.0.4, Xen 4.12.0 e Qemu 4.0.0. Houveram remoções de programas também como Qt4, Truecrypt e o Mongodb. As mudanças podem ser conferidas no Git Log e no Bug Tracker do Alpine.

 Natanael Copa agradece a todos que enviaram patches, bug reports, novos aportes de atualização, escreveram documentações, mantiveram a infraestrutura e que contribuíram de outras formas. E também não deixa de agradecer as empresas por prestar suporte em hardware e hospedagem:



Debian buster está previsto para ser lançado no dia 06 de Julho de 2019

Debian buster está previsto para ser lançado dia 06 de Julho de 2019
Debian buster está previsto para ser lançado dia 06 de Julho de 2019
 Tratamos recentemente do que terá de novo na nova versão do Debian que recebe o code nome Buster, a sua adoção ao Wayland e agora temos a noticia que será lançado no dia 06 de Julho :) Debian é o que não falta no canal e no blog; então, se quiser saber mais sobre o Debian, vou deixar um link no final deste artigo. Agora bora partir para o arrebento sobre o lançamento.
curso-linux-da-migração-a-administração-do-sistema-operacional
CLIQUE AQUI, VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM VERDADEIRO PROFISSIONAL.
 O motivo que a comunidade Debian informa sobre o seu lançamento é que, caso você queira celebrar com eles, você pode participar da festa de lançamento. A lista dos locais está disponível clicando aqui e pode ser conferida em ordem alfabética dos locais (o Brasil aparecendo em primeiro lugar ;).

 Na ultima semana, somente bugs emergenciais serão considerados e serão mais restritos considerando os unblock requests. Todos os detalhes para quem quiser enviar correções bem testadas podem ser conferidas clicando aqui. Por hora é só, fiquem com o vídeo "Os vários sabores de Linux - Debian" que pretendo trazer um segundo capitulo no futuro ;)

Linux Deepin 15.10

Deepin é uma distribuição Linux baseada em Debian mas dedicada a fornecer beleza, fácil uso, segurança e confiabilidade para usuários globais.

 O Marcos Garcia do canal Vartroy dá aqui suas opiniões e criticas a respeito desta distribuição que cada vez ganha mais notoriedade. Então, prepare a pipoca, arruma o sofazão e bora trocar uma ideia com o Marcos a respeito da versão 15.10 da distribuição Deepin.

Clear Linux Autospec Overview

Clear Linux OS
Clear Linux OS
 Esta semana está sendo a vez das distribuições da família Red Hat. Já teve o lançamento do Fedora 30, a mudança de logo da Red Hat e desta vez saiu um novo vídeo da distribuição Clear Linux com sua ferramenta Autospec.

Clear Linux OS é uma distribuição Linux open source, rolling release projetada para ser otimizada em desempenho, segurança, customização e fácil gerenciamento. Foi projetada para ser utilizada em vários ambientes como nuvem, Desktop, máquina virtual e muito mais.
CLIQUE AQUI E VENHA APRENDER LINUX COMIGO E TORNE-SE UM PROFISSIONAL MACHO DE VERDADE.
autospec é uma ferramenta para auxiliar na criação e manutenção automática de pacotes RPM no Clear Linux OS. Onde um processo padrão de build RPM utilizando o rpmbuild exige um tarball e um arquivo .spec para iniciar, o autospec exige apenas um tarball e um package.



Novidades no Debian 10

Debian 10 - Buster com suporte a Secureboot
Debian 10 - Buster com suporte a Secureboot
 O próximo lançamento do Debian é a versão 10 que recebe o code nome Buster e está mais ou menos em seu candidato a lançamento 5. Bora conferir o que a nova versão nos proporcionará.
VENHA APRENDER LINUX COMIGO
O primeiro assunto que eu quero tratar é que hoje (dia 26), Sam Hartman iniciou como lider do projeto Debian (DPL = Debian Leader Project). Isso sana o problema que todos estavam dizendo que ninguém queria ser presidente do Debian.

O site It's FOSS publicou o artigo mostrando 14 novos recursos que encontraremos nesta nova versão sendo elas:
  • Nftables substitui o tradicional iptables. Isso já é esperado há longos anos; mas o projeto era algo desafiador e levou muito tempo para chegar ao ponto de maturidade. Essa ferramenta (que eu venho acompanhando seu desenvolvimento ao longo dos anos) traz uma sintax muito mais prática para os sysadmins, código mais fácil de manter e muitos novos recursos e segurança.
  • AppArmor habilitado por padrão: Para quem faz drama com o SELinux, aqui fica uma de várias alternativas. Apesar que o AppArmor já é o modulo padrão no Debian desde que eu uso Debian. A maior diferença entre os dois de uma forma fácil de explicar é que o AppArmor é mais simples de manusear mas seu nível de segurança é menor se comparado ao SELinux.
  • Suporte a Secure-boot: O site Debamax publicou uma visão geral sobre o Secure-boot (mesmo afirmando que não pretendem ser um guia definitivo). Clique aqui para conferir.
  • Implementação do /usr/merge: Nessa nova implementação, diretórios como  /bin, /sbin e /lib passarão a ser links simbólicos para /usr/bin,/usr/sbin e /lib respectivamente. Há toda uma FAQ clicando aqui para entender melhor como tal coisa funciona.
  • Instalador live Calamares: Levem a mal não, mas isso já estava na hora né rsrs Agora o Debian adotou o instalador Calamares como seu live installer (já estou vendo que esse ano meu curso terá mais atualizações do que imaginei. Aproveitando, clique aqui e venha ser meu aluno ;)
New installer in Debian 10 Buster
Calamares como live installer do Debian 
Há muitas outras novidades como kernel 4.19.0-4 com suporte LTS por cinco anos, Bash 5.0Mailman 3, Python 3 (dando fim ao Python 2), suporte a vários ARM 64 e placas ARMHF SBC, Nodejs 10.15OpenJDK 11.0, Gnome 3.30 e novo papel de parede.

 É, fiz um resumo na integra sobre o que está no It's FOSS. Qualquer coisa, confiram lá. Deixo avisado que provavelmente terá "OS vários sabores de Linux - Debian #2", mas será exclusivo para os padrinhos do canal. Então, caso queira assistir a esse vídeo exclusivo do Debian, venha ser padrinho do canal clicando aqui.

Compiling the Linux kernel with LLVM tools



 Uma das belezas do Linux é que tudo é uma questão de escolha. Diferentes opções de escolha como terminais, bibliotecas, init systems, serviços, sistema de arquivos, distribuições,  licenças, ambientes gráficos, aplicações e até de compiladores tornam o Linux muito mais versátil do que qualquer outro sistema operacional. É disso que Linux se trata, da questão de escolha. A liberdade de escolha que sim reflete a verdadeira liberdade de um indivíduo e não somente uma licença.
 LLVM é a coleção de compiladores que tende a substituir o GCC no Linux sendo já adota pelo Android, Debian, Open Mandriva e agora pelo Fedora. Já tivemos vídeo sobre construir uma distribuição com a musl. Agora temos o vídeo sobre compilar o kernel Linux com o LLVM:


Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (9) Andriod (14) android (5) artigo (5) aws (1) bc (16) benchmark (3) BSDs (27) btrfs (30) bugs (1) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (24) comp (1) compressores (5) container (6) CPU (19) criptografia (4) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desenvolvimento (80) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (3) dic (1) Dica de leitura (86) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (1) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (13) Docker (11) DragonflyBSD (20) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (10) filesystem (75) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (90) gerenciadores de pacotes (3) GOG (3) google (8) gpu (3) hardware (101) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (8) Intel (15) IoT (1) ispconfig (1) jogos (36) kde (1) kernel (134) lançamento (60) leis (1) LFCS (1) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) matemática (4) mesa redonda (27) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (146) não viva de boatos (9) navegadores (3) NetBSD (7) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (82) OpenBSD (5) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (39) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) pipewire (1) processadores (27) professor Augusto Manzano (11) Programação (60) promoção (1) propagandas com Linux (8) Red Hat (21) redes (3) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (1) runlevel (2) segurança digital (19) servidores (1) shell (3) sistema operacional (22) smartphones (3) Software livre e de código aberto (150) sorteio (3) Steam (9) Steam no Linux (7) supercomputadores (4) suse (7) systemd (7) terminal (83) terminal de comandos (11) toca do tux (1) toybox (23) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (4) wayland (5) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) ZFS (13) zsh (2)