A queda da GPL?

Top licenças Open Source no Github
Top licenças Open Source no Github
Ao longo de sua adoção no Linux a GPL ganhou força, respeito, destaque e até autoridade. As empresas não querem saber se o software é livre ou não, elas querem que o serviço delas sejam feitos. Se o software livre atende a seus serviços, Logo elas irão favorece-lo. Por conta desse caso de sucesso (Linux), as próprias empresas e projetos passaram a adotar a GPL acreditando ser correto, confiável e até passando a fazer contribuições com muita frequência para os projetos uma vez que eles se tornaram viáveis como no artigo "Para que serve a liberdade?"
"Para que serve a liberdade?"
 A GPL fazia sentido (e acredito que ainda poderia fazer sentido) como descrito no artigo "As incríveis vantagens proporcionadas pelo software livre e de código aberto", quando a GPL era a GPL.
"As incríveis vantagens proporcionadas pelo software livre e de código aberto"
 Há pessoas que nem sabem o porque estão a defendendo. Isso eu falo pessoas que são considerado gente grande e aclamada. Para começar, a maioria das pessoas tem a concepção errada do que é software livre e de código aberto. Elas veem software livre como software de graça. Muitos acabam sendo nesse aspecto agindo como sangue sugas querendo as coisas de mão beijada não retribuindo de alguma forma.

 O que está errado é o fato de que os amantes de Linux e da liberdade do software tratam Linux como GNU. Apesar de Linux fazer uso de ferramentas do GNU, os dois são projetos distintos (e é isso que muita gente ate hoje não mentalizou). Essa imagem de GNU/Linux precisa ser desvinculada das mentes das pessoas. Não existe GNU e Linux como uma coisa só. Linux não deve satisfação para o GNU e nem vice versa.

 Depois do meu vídeo GPL e o capitalismo e toda discussão no vídeo, resolvi escrever este artigo mostrando como anda a GPL depois da versão 3 e depois de toda a atitude (errada) tomada pela FSF:


 Acho incrível é que mesmo depois de mostrado tudo isso, há pessoas que continuaram e que continuarão batendo na mesma tecla. Mas com as atitudes (até radicais) da FSF, indivíduos, projetos e empresas passaram a temer a GPL. O que era para ser liberdade acabou passando ser uma ditadura.

 Como resultado disso, a GPL passou a entrar em declínio como pode ser visto no gráfico abaixo extraído do site Red Monkey onde a GPLv2 era predominante em 2010 e passou em 2017 a ser a licença MIT (tendo essências das licenças BSD com algumas modificações)

acompanhamento-de-adocao-das-licencas-open-source-entre-2010-e-2017
Acompanhamento de adoção das licenças open source entre 2010 e 2017
No site BlackDuck também mostra o gráfico top licenças Open Source, demonstra a mesma coisa tendo a MIT predominando, a GPLv2 em segundo lugar, a Apache em terceiro (nessa entra forte o Android) e depois a GPLv3:

Top-licencas-open-source
Top licenças open source
 A GPL fazia sentido na versão 2. Hoje ela perdeu a sua característica, essência e sentido com a vinda da GPLv3. O único e real motivo que a FSF criou a GPLv3 foi pelo medo de se tornar politicamente irrelevante. Ela queria que o destaque fosse ao GNU e não Linux (tornando o GNU o garoto Estrela). Tenham cuidado, pois vocês podem estar defendendo gnu e não a liberdade.

Confiram também como anda a adoção das licenças no proprio site Github (e qual melhor né)

Como anda a adoção da GPL no Github
Como anda a adoção da GPL no Github


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (3) ambiente gráfico (11) AMD (13) analise (8) Andriod (6) artigo (5) benchmark (1) BSDs (12) btrfs (6) Caixa de Ferramentas do UNIX (21) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (13) comp (1) compressores (5) container (1) CPU (12) criptografia (1) crowdfunding (9) cursos (18) daemons (13) Debian (30) desenvolvimento (44) desktop (13) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (44) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (11) Docker (15) DragonflyBSD (5) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (2) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (87) evento (3) facebook (1) filesystem (47) financiamento coletivo (2) fork (2) fox n forests (4) FreeBSD (8) Funtoo Linux (13) games (84) GOG (3) google (8) gpu (1) hardware (92) init system (6) Intel (14) IoT (1) ispconfig (1) jogos (27) kernel (110) lançamento (22) leis (1) LFCS (1) licenças (6) Linus (14) Linux (193) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (10) LTS (1) mesa redonda (28) microst (1) muito além do GNU (93) não viva de boatos (9) navegadores (2) NetBSD (2) novatec (16) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (14) open source (76) OpenBSD (2) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (29) padrim (2) palestras e eventos (2) partições (6) pentest (6) processadores (19) professor Augusto Manzano (9) Programação (30) propagandas com Linux (8) Red Hat (10) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (23) retrospectiva Linux (1) runlevel (2) segurança digital (12) servidores (1) sistema operacional (10) Software livre e de código aberto (149) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (1) suse (3) systemd (7) terminal (68) toca do tux (1) toybox (10) tutorial (2) Tux (2) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (15) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (11) WoT (1) ZFS (2)