ReactOS rodando com... BTRFS?

ReactOS 0.4.10 rodando com o Btrfs
ReactOS 0.4.10 rodando com o Btrfs
Pois é galera; faz tempo que não falo desse clone do Windows que surgiu utilizando o Wine como sua base e com um kernel WinNT construído do zero. Mas no dia 6 de Novembro lançada a versão 0.4.10 do ReactOS tendo como a principal novidade a adoção do Btrfs como sistema de arquivos tanto para o processo de boot quanto para uso. 

Essa é na verdade uma versão do sistema de arquivos Btrfs chamada WinBtrfs que foi reimplementado por maharmstone feito sem utilizar código do Linux e pode ser utilizado tanto no Windows7 em diante quando no ReactOS. Maharmstone afirma que você utiliza essa versão por sua própria conta e risca e que ele não assume nenhuma responsabilidade.

Nota do maharmstone sobre risco de uso do WinBtrfs
Nota do maharmstone sobre risco de uso do WinBtrfs

O ReactOS já possui suporte ao Fat32 e ao ext2; mas para não violar direitos autorais sobre o NTFS, a equipe do ReactOS resolveu não adotar o sistema de aquivos. Desta forma, adotar uma implementação do BTFS para Windows foi uma estratégia bem interessante uma vez que ambos os sistema de arquivos (NTFS e BTRFS) adotam recursos semelhantes. Mesmo com a nota de risco sobre o uso do WinBtrfs de maharmstone, a equipe do ReactOS tem visão diferente sobre o assunto (e talvez pode até mesmo ser uma boa ajuda para maharmstone enviando-lhe patches de correções)

Nota da equipe do ReactOS sobre estabilidade do WinBtrfs
Nota da equipe do ReactOS sobre estabilidade do WinBtrfs

Eu honestamente fiquei chocado quando vi essa façanha, mas foi bem legal ver isso. É esperar para ver o que vai dar.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (3) ambiente gráfico (11) AMD (13) analise (8) Andriod (6) artigo (5) benchmark (1) BSDs (12) btrfs (6) Caixa de Ferramentas do UNIX (21) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (13) comp (1) compressores (5) container (1) CPU (12) criptografia (1) crowdfunding (9) cursos (18) daemons (13) Debian (30) desenvolvimento (44) desktop (13) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (44) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (11) Docker (15) DragonflyBSD (5) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (2) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (87) evento (3) facebook (1) filesystem (47) financiamento coletivo (2) fork (2) fox n forests (4) FreeBSD (8) Funtoo Linux (13) games (84) GOG (3) google (8) gpu (1) hardware (92) init system (6) Intel (14) IoT (1) ispconfig (1) jogos (27) kernel (110) lançamento (22) leis (1) LFCS (1) licenças (6) Linus (14) Linux (193) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (10) LTS (1) mesa redonda (28) microst (1) muito além do GNU (93) não viva de boatos (9) navegadores (2) NetBSD (2) novatec (16) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (14) open source (76) OpenBSD (2) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (29) padrim (2) palestras e eventos (2) partições (6) pentest (6) processadores (19) professor Augusto Manzano (9) Programação (30) propagandas com Linux (8) Red Hat (10) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (23) retrospectiva Linux (1) runlevel (2) segurança digital (12) servidores (1) sistema operacional (10) Software livre e de código aberto (149) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (1) suse (3) systemd (7) terminal (68) toca do tux (1) toybox (10) tutorial (2) Tux (2) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (15) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (11) WoT (1) ZFS (2)