Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta dica de leitura. Classificar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta dica de leitura. Classificar por data Mostrar todas as postagens

Dica de leitura - Aprendendo o Docker Do básico a Orquestração de Containers


Dica de leitura - Apdrendendo o Docker Do básico a Orquestração de Containers
Dica de leitura - Aprendendo o Docker Do básico a Orquestração de Containers
 Contêineres Linux não são uma ferramenta nova, mas o Docker está revolucionando a maneira como preparamos ambientes para trabalhar. Com o mote "Build, ship, and run any app, anywhere", o Docker oferece ferramentas que permitem criar, gerenciar, escalar e compartilhar sistemas baseados em hosts Linux – e o melhor: economizando recursos de máquina se comparado à virtualização tradicional baseada em hypervisors.


Aprendendo Docker possibilitará não apenas entender como funcionam os contêineres Linux, mas também como tirar melhor proveito de todo o poder do Docker e suas ferramentas. Começando pelo básico, você não ficará perdido. Tópicos sobre como criar, iniciar e gravar alterações e automatizar construção de contêineres lhe darão subsídios para decidir como montar os ambientes de suas aplicações. Os tópicos sobre orquestração de contêineres proporcionarão o conhecimento sobre as ferramentas Compose, Machine e Swarm e possibilitarão planejar a utilização do Docker em produção.

Alguns dos conteúdos abordados:

Visão geral do Docker, contêineres e diferenças para a virtualização tradicional com hypervisors.
Diferentes tipos de instalação.
Comandos e fluxo de trabalho para gerenciamento de contêineres e imagens.
Comunicação entre contêineres, volumes, redes, portas e rotas.
Escalabilidade horizontal de maneira fácil.
Contêineres rodando em hosts diferentes, inclusive em provedores de serviços de cloud.
Sobre o autor
Sumário
Capítulo exemplo

Para saber mais sobre como utilizar o cupom de desconto TOCADOTUX na editora Novatec clique no link abaixo:
Cupo de desconto TOCADOTUX na Novatec

Dica de leitura - Laravel para NINJAS


Laravel para ninjas
A Nova está com um desconto especial de lançamento: 25% com o código LARAVEL até 02/04. Clique aqui para obter o seu.
O leitor de “Laravel para Ninjas” aprenderá a desenvolver seus próprios projetos com o framework

As aplicações web modernas têm evoluído rapidamente e a demanda por ferramentas capazes de entregar conteúdo dinâmico é crescente. Nesse contexto, frameworks modernos como o Laravel são ferramentas indispensáveis para a produção de sistemas web em tempo hábil, com qualidade e de fácil manutenção.
O livro Laravel para ninjas, lançado pela Novatec Editora, é indicado para desenvolvedores web que procuram uma ferramenta atual e robusta para desenvolvimento de aplicações web com alta qualidade e grande aceitação no mercado.

O título aborda temas como:
•            Instalação do ambiente para desenvolvimento no Windows, MAC OS X e Linux.
•            Instalação e uso do Composer, um gerenciador de dependências para PHP.
•            Instalação do framework Laravel e execução dos primeiros testes.
•            Construção de modo incremental de um catálogo de produtos com integração com o ORM Eloquent, sistema de paginação, busca, upload de imagens, etc.
•            Construção de um aplicativo de página única com API Restful e integração do front-end com a biblioteca JavaScript Angular.
•            Uma visão mais aprofundada do uso do ORM Eloquent.
•            Envio de e-mails com o Laravel usando serviços para envio de e-mails em massa.
•            Execução de testes unitários e de integração com o PHPUnit.
•            Publicação do seu aplicativo em servidor dedicado ou compartilhado.

Sobre o autor

Ademir C. Gabardo é engenheiro de software com mais de quinze anos de experiência em desenvolvimento de sistemas web, doutorando da Faculdade de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação na University of Newcastle (UON), Austrália, mestre em Computação Aplicada com ênfase em Engenharia de Sistemas Computacionais pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e bacharel em Sistemas de Informação pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Autor dos títulos CodeIgniter framework PHPPHP e MVC com CodeIgniter, Criando um E-Commerce com CodeIgniter Análise de redes sociais – uma visão computacional, publicados pela Novatec Editora.

Como participar de projetos open source

A Linux Foundation escreveu um guia de como indivíduos e empresas pode fazer para participar das comunidades open source. Uma vez que o mundo open source tem se tornado uma realidade onde empresas fazem uso das ferramentas para construir suas soluções comerciais como produtos e serviços. Porém, sem entender como o mundo open source funciona e sem uma estratégia pode te deixar até mesmo frustrado acreditando que esse ecossistema não funciona.

Foi por isso que Stormmy Peters e Nithya Ruff escereveram esse guia para ajudá-los a entender como os projetos são estruturados, como contribuir e como ser bons cidadãos no mundo open source. Esse guia é divido em sete seções explicando desde os benefícios de contribuir para o mundo open sourece a estratégias de como contribuir.

Na Seção 1 explica que algumas empresas como Intel, IBM e Samsung possuem programas inteiramente open source e outras empresas se tornaram consumidoras de open source por acidente. Muitas dependem comercialmente de software open source que se torna critico para o sucesso da empresa. Mais de 15.300 desenvolvedores de mais de 1.300 empresas contribuírem apenas para o kernel. Alguns dos benefícios são atrair novos talentos (isso facilita a vida do RH no processo de seleção de novos colaboradores. Fica a dica de estratégia ;), reduzir custos (uma vez que não precisarão ficar pagando por licenças e ficar aguardando que novos recursos necessários e correções de bugs demorados demais sejam adicionados. Essas empresas preferem contribuir corrigindo bugs, adicionando novos recursos e funcionalidades para seu próprio uso)  e influenciar a direção dos projetos uma vez que se torna mais fácil de se ter novos recursos e funcionalidades aos programas de acordo com a sua necessidade.
numero-de-desenvolvedores-por-kernel
Número de desenvolvedores por kernel
Na seção 2 explica como os projetos open source são gerenciados através de lideres, mantenedrores, os confiáveis que enviam commits, os contribuidores (com código,documentação ou de outra forma. Todas são essenciais) e os usuários.

Na seção 3 explica como as contribuições funcionam que variam de acordo com cada projeto.

Na seção 4 explica como as organizações contribuem. O meio mais comum e mais fácil é contratando pessoas deixando-as trabalhando cima dos projetos em tempo integral. As empresas também devem considerar contratar pessoas que alguém que já fez contribuições significativas para o projeto que pretende contribuir. Logo abaixo está a lista de empresas que contribuem para projetos open source;

empresas-que-contribuem-com-projetos-open-source
Empresas que contribuem com projetos open source
Na seção 5 descreve dicas com detalhes de como ser um bom cidadão corporativo quando for participar de um projeto open source. Que dentre elas estaria se unir a comunidade, entender a governança, começar pequeno, construir relações em eventos, incluir a comunidade cedo e sempre (voltamos ao livro a catedral e o bazzar onde mostra a diferença entre GNU e Linux) e contribuir.

Na Seção 6 descreve como criar suas próprias estratégias open source apresentando porque as contribuições são importantes, quais projetos utilizam e devem focar, quais contribuições estão fazendo, quais financiamentos precisam, como devem promover seus esforços, quais treinamentos precisam fornecer, como determinarão se o projeto é sustentável e se precisam de um escritório para gerenciar esses projetos.

A seção 7 são simples considerações finais. Essa lista de seções é bem extensa e vale a pena para empresas que querem adotar o modelo open source e contribuir fortemente com os projetos. A leitura vale a pena se você consegue ler inglês. Boa leitura e até o próximo artigo =)
Fonte: Linux Foundation

Resumo do Tux 23/01/2016

Ó eu aqui trávêis no blog. Como sempre andando muito ocupado, trabalhando na apostila que se tornou manual (de tão grande que já está) e estou contente com isso.
 Bora então para mais um resumo do Tux da semana.

Resumo do Tux 23/01/2016

Resumo do Tux 23/01/2016

 Revendo o resumo do canal, tivemos a segunda parte do série "Espaço aberto: Assunto Game #2 (Parte técnica - Audio/Som). Nessa parte você acaba descobrindo com a parte de audio se tornou uma dificuldade técnica para a aceitação de Linux no mundo dos gamers.


E tivemos mais dois vídeos curtos, sendo avisos. O primeiro aviso é a criação do quadro "Dica de leitura" que de tempos em tempos estarei indicando materiais de estudo. A maioria em formato PDF, pois livros mesmo se tornam uma certa dificuldade. O primeiro material que indico é o manual Caixa de Ferramentas do UNIX que está na sua versão 0.5. Confiram no vídeo o por que indico primeiro esse manual:


 Para isso eu criei um diretório no Openmailbox chamado "Biblioteca Toca do Tux". Os PDFs estarão disponíveis lá e a cada vez que eu disponibilizar um novo PDF, um curto vídeo anunciando aparecerá no canal. Beleza? O link para a Biblioteca Toca do tux está logo abaixo:

https://cloud.openmailbox.org/index.php/s/oIRaNErKzw15EJj
 O segundo vídeo (que foi disponibilizado no mesmo dia), se trata de avisar sobre o espaço aberto para inscritos. Nesse espaço aberto eu trato de entrevistas e debates com o pessoal especializado em alguma área. É isso aí, o Toca do Tux virando Jô Soares. Um  beijo do gordo:



Tratando das notícias, como todos já estão sabendo, a equipe de pesquisas da startup Perception Point descobriu uma vulnerabilidade 0Day que está presente no kernel Linux desde 2012. Essa vulnerabilidade afeta os kernels 3.18 em diante. O patch já foi disponibilizado e a Perception Point agradece a colaboração de David Howells, Wade Mealing e a toda a equipe de segurança da Red Hat (pela rápida resposta e cooperação em corrigir o Bug. É isso aí, a Red Hat sempre contribuindo).



 Falando de kernel, teve o lançamento do kernel 4.4 que será mentido como LTS pelos próximos dois anos. Ele possui mais de 28 milhões de linha de código. Os recursos mais importantes dessa nova versão, são:
  • Gráficos e áudio: Suporte 3D driver virtual de GPU, que permite o hardware acelerar gráficos em virtual guests; suporte ao AMD Stoney; suporte de áudio ao Intel Lewisburg, driver para o Raspberry Pi KMS
  • Redes: Handling Listener no TCP que permite para servidores TCP se tornarem mais rápidos e mais escalonáveis; API reserva persistente para dispositivos de bloco; suporte a VRF (Virtual Routing and forwarding) na pilha IPV6.
  • Segurança: Correções no suporte a criptografia nativa do filesystem EXT4; funcionalidades adicionais ao UEFI 2.5; código otimizado na extenção Intel SHA; melhora no suporte ao módulo Trusted Platform (TPM).
  • Suporte a Hardware: Suporte aos Open-Channel Solid State Drives (SSDs) via lightVM, melhoria no suporte ao Skylake Windows8 Precision Touchpad; suporte ao Google Fiber TV Remote control.
  • E mais: Um novo mlock2() syscall que permite os usuários requisitarem que memoria seja travada em page fault, suporte Clustered RAID1 e Journaled RAID5, um monte detrabalhos no x86 KVM, numerosas alterações no ARM de 64-bit.

 E por fim não quero deixar de mencionar sobre a adoção do Ubuntu pela AT&T para as aplicações em nuvem empresariais.
 A AT&T selecionou a Canonical para ser parte de seus esforços para dirigir a inovação em rede e nuvem. A Canonical fornecerá os sistema operacional Ubuntu e suporte de engenheiros para as aplicações empresariais, de nuvem, redes da AT&T. A AT&T escolhe o Ubuntu baseado ma sua demonstrada inovação, e desempenho como a plataforma liderante para escalabilidade e nuvem.
 Parabéns Canonical!




NÃO! "Open Source" não significa "Suporte gratuito"

Não, "Open Source" não significa "Inclui suporte gratuito"

    A treta começa com um software chamado Raccoon. Raccoon é uma plataforma open source (sob os termos da licença Apache 2) e independente para download de aplicativos da Google Play Store. O objetivo é te dar acesso seguro aos aplicativos Android sem ter que comprometer o seu smartphone.

Raccoon

    O problema quando as pessoas começaram a reportar bugs e recebiam a seguinte resposta como no exemplo mostrado em seu blog:
Usuário: Oi, eu gostaria de reportar um bug em sua aplicação.
Eu: Ótimo! Então por favor, abra um ticket de suporte.
Usuário: Mas, parece que eu preciso pagar por isso?
Eu: Daí?
Usuário: Eu só quero te dizer que seu app está quebrado, assim você pode concertar.
Eu: Sim, essa é uma solicitação de suporte, por favvor abra um ticket.
Usuário: ...
    Pode parecer estranho a situação que acabaram de ler por estarmos acostumados a receber as coisas tudo de graça no mundo open source MAS, algo que eu sempre digo é:
Não confundam Free e open source software com Freeware.
    A palavra inglesa free pode realmente confundir as pessoas uma vez que pode significar tanto livre quanto de graça. Por exemplo na frase food for free (comida de graça e não comida livre). porém a palavra free em free software refere-se a liberdade (daí software livre) enquanto que em freeware refere-se a de graça (software gratuito).

    O problema é que a falta de leitura faz com que as pessoas que defendem software livre com unhas e dentes passem a condenar e abominar os que cobram por algum tipo de valor financeiro pelo serviço sendo que tudo isto já é previsto dentro das licenças (no caso da GPL é previsto a liberdade de distribuir cópias do software e até mesmo cobrar se achar interessante ou se desejar. Já a Apache 2 (que é open source) prevê no ultimo termo (termo nono) que você pode escolher oferecer e cobrar uma taxa por suporte, garantia, indenização e outros direitos). Ou seja, não há nada de errado no que o autor está fazendo.

    Em seu blog o autor menciona que ele desenvolveu a aplicação para solucionar seu problema e consequentemente disponibilizou gratuitamente junto ao seu código fonte. Então, se o procurarem para reportar um bug, ou as pessoas podem enviar o patch incluso no bugreport ou pagar para que ele solucione o problema (o que é totalmente lógico). O autor diz fica feliz em ajudar, mas além do seu tempo ser valioso, vender o suporte é o que manter as luzes acesas já que aquilo deixou de ser livre quando começou a lhe custar algum valor como manter o servidor web funcionando.
    As pessoas ainda não entenderam que o real sentido de software livre e de código aberto não se trata de receber e utilizar programas gratuitamente; trata-se de lhe oferecer condições de realizar o seu trabalho sem restrições. O que nos remete a celebre frase de Linus Torvalds:
Você suspira pelos bons tempos do Minix-1.1, quando os homens eram homens e escreviam seus próprios "device drivers"? Você está sem um bom projeto em mãos e deseja trabalhar num S.O. que possa modificar de acordo com as suas necessidades? Acha frustrante quando tudo funciona no Minix? Chega de noite ao computador para conseguir que os programas funcionem? Então esta mensagem pode ser exactamente para você. :-)
    Pois é, era exatamente sobre poder realizar seu trabalho que Linus Torvalds estava se referindo. Na época, mesmo o Minix sendo de código aberto, possuía restrições em seu licenciamento onde não era permitido a modificação do seu código fonte. Ou seja, as pessoas estavam limitadas a o que podiam ou não fazer no Minix mesmo podendo visualizar o código e até serem capazes de melhorá-lo. Até que é compreensível e uma ideia interessante já que a intenção era aguçar a habilidade de programação. Mas essa ideia de qualquer jeito frustrava a maioria dos seus usuários (e foi exatamente isso que inspirou Linus a escrever tal frase).

    Então uma dica muito interessante a ser dada aos que criticam esta atitude acreditando que, o que  moralmente deveria ser feita, é disponibilizar o software (inclusive o código fonte) simplesmente é:
Desenvolva o seu projeto e o disponibilize gratuitamente e não ache queas pessoas devam fazer o mesmo simplesmente porque você acredita.
    Então se você também quiser me ajudar, não esqueça de conferir o meu curso de migração para Linux e aprenda Linux de verdade comigo e assim você me ajuda a manter o meu canal e o  meu blog ;) 

Conheça a distribuição Regata OS

Regata OS
Regata OS
 Esta semana tivemos uma live com o pessoal da distribuição Regata OS. Para quem não sabe do que do que se trata, Regata OS é uma distribuição Linux focada em iniciantes em computadores pessoais (fortemente focada em usuários de Windows e Mac OS X), criadores de jogos e gamers. Vale mencionar que o Regata OS tem a sua base a distribuição Open Suse Leap e faz uso de pacotes Rolling Release.
CURSO DE SHELL SCRIPT DO MATEUS MÜLLER
 Foi uma live muito boa e muito interessante. Eu mesmo acabei conhecendo bastante sobre o projeto e me impressionei com o avanço e empenho que a comunidade tem. Há recursos que quero aqui mencionar que o Josué comentou comigo depois no bastidores e quero compartilhar com vocês; mas caso ainda não assistiu a live, confira abaixo.


 Um desses recursos foi que o Josué adicionou o o aplicativo Blizzard Battle.net na loja para as pessoas instalarem de maneira mais fácil jogos como Overwatch, Diablo III e Heroes of the Storm. No caso, se seu hardware tiver suporte a Vulkan, o DXVK é habilitado; caso contrário será habilitado o OpenGL.
Regata OS Store
Regata OS Store
 Existem outras configurações automáticas também que parecem apps nativos. Isso também tira a necessidade de usar um aplicativo de terceiro como Lutris ou playonlinux. É como um Steam Play da vida, onde você só instala e joga, sem ter que lidar com configurações.


 É muito legal ver uma distribuição Linux nacional que inclusive tem forte aceitação na Europa. Este artigo é para fazer o convite a todos a baixar e testar a distribuição, contribuírem da forma que puder, seja um beta tester da distribuição no estilo bazar como descrito no livro A Catedral e o Bazar (está aí até uma dica de leitura) e se for desenvolvedor, contribua com patches. Espero poder ver essa distro ganhar mais adesão :)

Avisos rápidos

 Fala galera, beleza? Muitos já devem ter visto, mas quero fazer por aqui também para poder divulgar melhor entre vocês o que trabalho que estou fazendo. Esses são dois anúncios que fiz hoje no canal de dois quadros.

 O primeiro é o é o quadro "Dica de Leitura" que vocês já vem me pedindo dica de livros há um bom tempo:



 O segundo é o anuncio do quandro "Espaço aberto" que você sabem que estou abrindo espaço para o pessoal que especialização em alguma área em específica dar opiniões, sugestões e explicações:


Espero que gostem dos quadro. Então, confiram os vídeo :-)


O que esperar do canal em 2018?

Neste vídeo resolvi tratar com vocês o cronograma do canal onde debato quais séries teremos e as novidades no canal. O número de séries aumentou o ano passado (o que eu acho muito bom) e novas estão se iniciando; dentre elas, que já não são novidade, estão os vários sabores de Linux (\o/), muito além do GNU, Hardware, A pior história sobre Linux que já ouvi, dica de leitura e o meu ambiente de trabalho.

Mas sem estragar a surpresa das novidades no canal, confiram o vídeo para saber mais:


Já que a galera vem me pedido, resolvi esse ano iniciar meu crowdfunding. Ajude-nos a manter o canal sempre com bastante conteúdos que todos usufruem e ganham conhecimento: https://www.padrim.com.br/tocadotux

Raiding the Wireless Empire Douglas Berdeaux do WeakNet Laboratories​ e Ben Nichols.


Galera, podem aguardar um dica de leitura em breve sobre o livro Raiding the Wireless Empire escrito por Douglas Berdeaux do WeakNet Laboratories​ e Ben Nichols.




Link para Este livro está disponível na amazon:



Link para o canal do Douglas:




Link para o projeto WeakNet Laboratories:







Hi guys, you can wait soon for the reading tip video about the book "Raiding The Wireless Empire" by Douglas Berdeaux from the WeakNet Laboratories. Thank you Douglas Berdeaux for giving me this awesome gift :-D



Link for this book on amazon:



Link for Douglas' Youtube channel:



Link for the WeakNet Laboratories project:



Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (15) AMD (14) analise (9) Andriod (8) artigo (5) benchmark (3) BSDs (20) btrfs (12) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (6) Código Fonte (50) comandos (17) comp (1) compressores (4) container (1) CPU (18) criptografia (2) crowdfunding (9) cursos (21) daemons (13) Debian (29) desenvolvimento (55) desktop (17) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (52) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (13) Docker (7) DragonflyBSD (15) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (83) evento (4) facebook (1) Fedora (4) filesystem (59) financiamento coletivo (2) fork (3) fox n forests (4) FreeBSD (12) Funtoo Linux (13) games (87) gerenciadores de pacotes (2) GOG (3) google (8) gpu (3) hardware (98) I.A (1) init system (7) Intel (15) IoT (1) ispconfig (1) jogos (33) kernel (114) lançamento (43) leis (1) LFCS (1) licenças (7) Linus (15) linus torvalds (1) Linux (188) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) meetup (1) mesa redonda (27) microsoft (3) microst (1) muito além do GNU (120) não viva de boatos (9) navegadores (3) NetBSD (3) novatec (17) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (79) OpenBSD (3) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (39) padrim (2) palestras e eventos (3) partições (6) pentest (6) processadores (25) professor Augusto Manzano (11) Programação (40) propagandas com Linux (8) Red Hat (13) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (1) runlevel (2) Secomp (1) segurança digital (14) servidores (1) shell (1) sistema operacional (18) Software livre e de código aberto (148) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (4) suse (5) systemd (7) terminal (73) toca do tux (1) toybox (15) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (15) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) wayland (2) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (12) WoT (1) ZFS (9)