Como participar de projetos open source

A Linux Foundation escreveu um guia de como indivíduos e empresas pode fazer para participar das comunidades open source. Uma vez que o mundo open source tem se tornado uma realidade onde empresas fazem uso das ferramentas para construir suas soluções comerciais como produtos e serviços. Porém, sem entender como o mundo open source funciona e sem uma estratégia pode te deixar até mesmo frustrado acreditando que esse ecossistema não funciona.

Foi por isso que Stormmy Peters e Nithya Ruff escereveram esse guia para ajudá-los a entender como os projetos são estruturados, como contribuir e como ser bons cidadãos no mundo open source. Esse guia é divido em sete seções explicando desde os benefícios de contribuir para o mundo open sourece a estratégias de como contribuir.

Na Seção 1 explica que algumas empresas como Intel, IBM e Samsung possuem programas inteiramente open source e outras empresas se tornaram consumidoras de open source por acidente. Muitas dependem comercialmente de software open source que se torna critico para o sucesso da empresa. Mais de 15.300 desenvolvedores de mais de 1.300 empresas contribuírem apenas para o kernel. Alguns dos benefícios são atrair novos talentos (isso facilita a vida do RH no processo de seleção de novos colaboradores. Fica a dica de estratégia ;), reduzir custos (uma vez que não precisarão ficar pagando por licenças e ficar aguardando que novos recursos necessários e correções de bugs demorados demais sejam adicionados. Essas empresas preferem contribuir corrigindo bugs, adicionando novos recursos e funcionalidades para seu próprio uso)  e influenciar a direção dos projetos uma vez que se torna mais fácil de se ter novos recursos e funcionalidades aos programas de acordo com a sua necessidade.
numero-de-desenvolvedores-por-kernel
Número de desenvolvedores por kernel
Na seção 2 explica como os projetos open source são gerenciados através de lideres, mantenedrores, os confiáveis que enviam commits, os contribuidores (com código,documentação ou de outra forma. Todas são essenciais) e os usuários.

Na seção 3 explica como as contribuições funcionam que variam de acordo com cada projeto.

Na seção 4 explica como as organizações contribuem. O meio mais comum e mais fácil é contratando pessoas deixando-as trabalhando cima dos projetos em tempo integral. As empresas também devem considerar contratar pessoas que alguém que já fez contribuições significativas para o projeto que pretende contribuir. Logo abaixo está a lista de empresas que contribuem para projetos open source;

empresas-que-contribuem-com-projetos-open-source
Empresas que contribuem com projetos open source
Na seção 5 descreve dicas com detalhes de como ser um bom cidadão corporativo quando for participar de um projeto open source. Que dentre elas estaria se unir a comunidade, entender a governança, começar pequeno, construir relações em eventos, incluir a comunidade cedo e sempre (voltamos ao livro a catedral e o bazzar onde mostra a diferença entre GNU e Linux) e contribuir.

Na Seção 6 descreve como criar suas próprias estratégias open source apresentando porque as contribuições são importantes, quais projetos utilizam e devem focar, quais contribuições estão fazendo, quais financiamentos precisam, como devem promover seus esforços, quais treinamentos precisam fornecer, como determinarão se o projeto é sustentável e se precisam de um escritório para gerenciar esses projetos.

A seção 7 são simples considerações finais. Essa lista de seções é bem extensa e vale a pena para empresas que querem adotar o modelo open source e contribuir fortemente com os projetos. A leitura vale a pena se você consegue ler inglês. Boa leitura e até o próximo artigo =)
Fonte: Linux Foundation

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (15) AMD (13) analise (9) Andriod (8) artigo (5) benchmark (3) BSDs (20) btrfs (10) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (6) Código Fonte (50) comandos (16) comp (1) compressores (4) container (1) CPU (15) criptografia (2) crowdfunding (9) cursos (20) daemons (13) Debian (29) desenvolvimento (53) desktop (16) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (49) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (12) Docker (7) DragonflyBSD (14) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (83) evento (4) facebook (1) Fedora (4) filesystem (57) financiamento coletivo (2) fork (3) fox n forests (4) FreeBSD (12) Funtoo Linux (13) games (87) gerenciadores de pacotes (2) GOG (3) google (8) gpu (2) hardware (96) I.A (1) init system (7) Intel (14) IoT (1) ispconfig (1) jogos (33) kernel (114) lançamento (39) leis (1) LFCS (1) licenças (7) Linus (15) linus torvalds (1) Linux (188) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) meetup (1) mesa redonda (27) microsoft (3) microst (1) muito além do GNU (116) não viva de boatos (9) navegadores (2) NetBSD (3) novatec (17) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (78) OpenBSD (3) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (36) padrim (2) palestras e eventos (3) partições (6) pentest (6) processadores (23) professor Augusto Manzano (11) Programação (40) propagandas com Linux (8) Red Hat (13) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) runlevel (2) Secomp (1) segurança digital (14) servidores (1) shell (1) sistema operacional (18) Software livre e de código aberto (147) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (3) suse (3) systemd (7) terminal (73) toca do tux (1) toybox (14) tutorial (5) Tux (3) unboxing (7) UNIX (15) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) wayland (2) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (12) WoT (1) ZFS (7)