O dia em que o pinguim adquire asas e cauda de um dragão de ferro.

O dia em que o pinguim adquire asas e cauda de um dragão de ferro.

O dia em que o pinguim adquire asas e cauda de um dragão de ferro.

 Desde que eu utilizo Linux, os asciduos usuários de Linux sempre utilizaram o argumento de Linux é somente o kernel enquanto que as ferramentas são do projeto GNU. Este argumento, além de fraco e inutil, deixa as pessoas confusas quanto ao Linux, desvirtua as pessoas do verdadeiro conhecimento tecnico e afasta-as de conhecer novas ferramentas que poderia ser muito mais uteis. Existem Muitas ferramentas que podem substituir as do projeto GNU tanto em empresas quanto no uso comum em seu dia a dia. conheça aqui algumas delas.

 Anos atrás (especificamente em 2010) li a noticia de ser possível compilar o Linux com o Clang. Eu, com a minha paixão pelos ideais de software era grande, discordei de tudo o que foi dito (paixão é fogo e nos cega). Alguns dias (ou semanas) depois, publicaram um benchmark entre algumas versões do GCC, do Clang, do ICC da Intel e do ovo de dragão (Dragon Egg). Passado algum tempo, tive a curiosidade de pesquisar sobre o Clang e acabei gostando do que descobri a respeito do compilador. Foi bom saber que haviam outras opções para compilar o Linux além do GCC; como em tudo o que há no Linux são outras opções (GUIs, editores de texto, navegadores, terminais de comando, comandos e tudo mais, a regra vale também para compiladores, bibliotecas e tudo mais). 
 Esse é o tipo de liberdade que gosto; a liberdade de escolher o que quero e o que vou utilizar; a liberdade se estende a muito mais do que as citadas pela GPL e não ficar preso ou limitado à uma única opção. Seria a mesma liberdade que tenho de ir ao mercado e poder escolher se quero presunto de uma marca ou de outra (a lei da concorrência existe para isso, assegurar o nosso direito como consumidor e desta forma, as empresas busquem conquistar seus clientes com a melhoria continua de seus produtos ou serviços).
 Como mencionei, eu até era extremo defensor de software livre e de código aberto (ainda defendo a adoção de ferramentas open source, mas não da forma que eu abordava anteriormente acreditando que software proprietário representam ameaças à humanidade), recebia newsletters da FSF por e-mail, porém, tomei antipatia quando Richard Stallman ficou cantando vitória sobre a morte de Steve Jobs. Mas ainda assim, continuei com os ideais de software livre e de código aberto.

 Certa vez participei de um podcast onde um dos convidados que não vou mencionar o nome (e por favor, não me perguntem quem é, pois não irei responder; citação de nome é difamação) era defensor de software livre. Até aí tudo bem, eu também era; o problema é que o cara não queria participar simplesmente pelo fato do software que iria ser utilizado para gravar não era (totalmente) livre; isso rendeu alguns comentários. Depois começou a ficar difícil interagir com ele, pois tudo para ele era somente software livre sem ouvir o que o outro lado tinha a dizer. Percebi que eles pregam a liberdade mas se tornam escravos de  tais ideais, se tornam flexíveis.

 Gosto de software livre e de código aberto, não deixei de usar as ferramentas do projeto GNU (e talvez não deixa de usar tão cedo), mas da comunidade eu passo longe (a não ser que venham me encher a paciência kkkk).

 Alguns dias atrás, um amigo conversou comigo sobre chamar o sistema de GNU/Linux ou simplesmente de GNU, e não somente de Linux (como assim?). Beleza; o assunto encerrado depois de longo debate entre nós. Coincidência ou não, um ou dois dias depois um seguidor do meu canal comentou a mesma coisa no meu vídeo "Linux (dando nome a criança):


 O nome correto é Linux e não de GNU/Linux (e muito menos somente de GNU. GNU seria horrível). Primeiro porque Linux é um nome proprietário (uma propriedade intelectual de Lius Torvalds que pode lhe autorizar utilzar seu nome ou não); segundo, não há somente ferramentas GNU presentes no sistema operacional Linux (isso sim é uma verdadeira falácia e desinformação); terceiro, as ferramentas GNU são substituíveis e quarto, ambos são projetos distintos com propósito e propostas diferentes. Essa guerra por reconhecimento de nome do sistema operacional é na verdade relacionada a ego e não ao argumento meritocracia. Mesmo que discordem de mim, eu afirmo:
O GNU só é um projeto bem sucedido e amplamente utilizado graças a sua adoção pelo Linux (mesmo o GNU sendo mais velho). Duvido que o Gnu seria amplamente conhecido se não fosse o Linux.
 Se considerarmos chama-lo de GNU/linux ou somente de GNU, então deveríamos considerar todos os outros projetos que utilizamos no Linux e que não fazem parte do GNU e que compoem o sistema operacional.

 Quando se fala de GNU, as pessoas só lembram do stallman; não nos lembramos de pessoas como Brian fox que foi o autor do Bash, do GNU Makeinfo, do GNU Info, do GNU Finger, thereadline e history libraries além de ter sido o mantenedor do GNU Emacs por um tempo (e há quem acredite que o Stallman que é o cara). Alias, em torno de 80% das pessoas nem sabem destas coisas e acabam dando créditos ao Stallman.

Brian Fox foi o autor do GNU Bash, do GNU Makeinfo, do GNU Info, do GNU Finger, thereadline e history libraries. Além de ter sido o mantenedor do GNU Emacs por um tempo (e tem gente que acha que o Stallman que é o cara)
Brian Fox, autor do GNU Bash

 Muitos não se lembram de Mark Adler, que foi um os criadores do Gzip (e que inclusive é um dos responsáveis pela missão espacial para Marte).
Mark Adler
Mark Adler, um dos autores do Gzip e um dos responsáveis pela missão de exploração ao planeta Marte.
 Muitos não se lembram de pessoas valiosas como essa. Já quando falamos de linux, o caso é o contrario disso; quem já esteve em um evento como a Linuxcon sabe que isso é bem diferente.

 Existem muitas ferramentas do GNU que são utilizadas no Linux, e disso todos nós já sabemos. Ferramentas como: GCC, make, Glibc, Bash, Coreutils, Emacs, Gzip e etc. A questão é que tais ferramentas são passíveis de substitução; é aí aonde a liberdade entra em cena.

 Então, para esclarecer esse assunto, selecionei aqui algumas dentre as muitas ferramentas que são possíveis utilizar no lugar das mencionadas do GNU. Não estou fazendo isso com a intenção de discussão, apenas procurando ajudar vocês a ampliarem seus conhecimentos e abrir os seus olhos para a gama de software de qualidade que o mundo proporciona.

 LLVM (Low Level Virtual Machine) é uma coleção de compiladores modulares e reutilizáveis que foi iniciado como um projeto de pesquisa na universidade de Illinois. Está sob licença open Source UIUC no estilo BSD. que mencionam que pretendem mantê-lo permanentemente aberto.O Clang, compilador que mencionei no inicio deste artigo, que é uma alternativa ao GCC, faz parte do LLVM. A palavra Clang (pronuncia-se cléng) é uma onomatopeia em inglês do som emitido pelo metal. O Clang possui as características de compilação mais rápida, menor uso de memória e melhores ferramentas de diagnósticos como no modelo apresentado abaixo:

gcc vs clang
Comparação das ferramentas de analise de log do GCC e do Clang.

Há muitos recursos e atributos interessantes no LLVM/Clang para os desenvolvedores e pessoas que integram sistema podem tirar vantagem quando desenvolver ou implantar seus próprios projetos. Um outro recurso interessante mencionado no site do Funtoo Linux, é a sua capacidade de compilação de programas Leiam o artigo em http://www.funtoo.org/Clang ou leia na imagem abaixo:

pode ocorrer de alguns programas não compilarem (como o glibc) por que eles dependem de extensões específicas do GCC (é por isso que todo o código do BSD pode ser compilado com o LLVM mas alguns códigos GNU não) [nota do redator: liberdade?] ou padrões depois de compilação com sucesso do LLVM (como o xorg-server) ... ... Os frontends do C/C++ do LLVM, clang and clang++ na versão 3.0 são estáveis o suficiente para ser self-hosting compilar Boost, Qt, LibreOffice, FreeBSD, algumas partes do kernel Linux kernel e muito mais.
Passe o cursor para ler a tradução.

 O FreeBSD foi o primeiro sistema operacional da família BSD a construir todo o seu Kernel com o CLANG (algo que ele se beneficiou já que a Apple foi a primeira a investir no LLVM) se livrando do antigo GCC que utilizavam (mesmo esse ainda baseada na GPLv2). O Debian já adota o clang, o Fedora também passou a adotar o LLVM/Clang, o Open Mandriva é quase 100% compilado com o LLVM, o Android e o OSX são 100% compilados com o LLVM/Clang.

 Existe o projeto da Linux Foundation que visa construir o kernel Linux totalmente utilizando o Clang. Foi de onde eu retirei a imagem do Tux com as asas e cauda de ferro. Um site realizou um benchmark entre os compiladores Intel C++, GNU C++ e LLVM Clang.



 Existem muitas empresas trabalhando e investindo recursos nesse projeto. Até mesmo a Microsoft está investido recursos financeiros no LLVM, pois irá basear o seu futuro .Net no LLVM.
Acompanhe a lista de empresas e projetos que utilizam o LLVM

 Na verdade, até aonde se sabe, existem quatro compiladores que são capazes de construir o kernel Linux sendo eles o GCC (que na verdade é o EGSC), o TinyCC do criador do ffmpeg, o ICC da Intel e o LLVM/Clang. Nos vídeos abaixo você pode conhecer melhor sobre os compiladores.




MUSL

 Musl (pronuncia-se mâssl) uma biblioteca C desenvolvida do zero. O site do Musl mostra um gráfico comparativo entre as bibliotecas C. A empresa OpenWall faz referência a biblioteca Musl por oferecer suporte nativo ao pacote TCB.


 Existe a distribuição Alpine Linux que faz uso dessa biblioteca ao invés da Glibc e do Busybox ao invés do Bash. Para quem não sabe o que é o Busybox, ele é conhecido como o canivete Suíço do Linux embarcado. É um conjunto de comandos dentro de um único executável. É o Busybox que fica dentro o initrd para o kernel utilizar no momento do boot. Foi originalmente desenvolvido por Bruce Perens que já foi presidente do projeto Debian assumindo o lugar de Ian Murdock.

toybox 0.8.6
Comandos do toybox 0.8.6

Comando reunidos no do Busybox.
Lista de comandos no Busybox

Terminais de comandos (11/02/2022)

O terminal de comando Bourne Shell de autoria de Jörg Schilling

 Existem vários terminais de comandos disponíveis para Linux cada um tendo suas particularidades. Alguns deles o Zsh (que muito recomendo inclusive no meu curso e já até entrevistei o criador do Oh-My-Zsh), o Fish shell que galera gosta muito (e com razão), o Ksh (Kornshell), o csh (C shell), o tcsh, o Bourne Shell mantido por Jörg Schilling e o toybox que tem bastante conteúdo por aqui.


Pacotes de comandos (15/04/2022)

 Aproveitando que falamos de terminais de comandos, existem também pacotes com comandos complementares como no caso o CoreUtils do GNU que, semelhantes a esse são o embutils criado por Felix von Leitner (criador da dietlibc que eu acho incrível); o 9base de origem do plan9 e portado para outros sistemas operacionais; o sbase que é uma coleção de comandos herdados dos Unix e portados para 5 Unix diferentes e o ubase que já é específico para Linux seguindo  mesmo espirito do Util-Linux e está sob licença MIT e X; o ubase pode ser compilado com o GCC, LLVM ou TCC e é altamente recomendado compilar com a musl.

sbase

ubase

sbase-box

 Até mesmo os comandos do toybox que podem ser compilados separadamente. Porém, estes pacotes não fornecem apenas um conjunto básico de comandos não sendo o suficiente para ter um sistema operacional em funcionamento. Como exemplo, o coreutils não fornece comandos para formatar partições, configurar rede, gerenciar processos, drivers, serviços e muito mais (o argumento apresentado para tentar chamar o Linux de GNU/Linux é simplesmente muito superficial e utilizado pela equipe do GNU e da FSF para se promover). Estes comandos são fornecidos por outros pacotes sendo muitos deles do próprio Linux e alguns deles criados pelo próprio Linus Torvalds e outros com sua participação:


XZ

 Tukaani, era uma distribuição derivada do Slackware (que merecia ter sido mencionada no meu vídeo sobre o Slackware devido a sua ótima contribuição) e que deu origem a alguns projetos. A distribuição não existe mais, mas as ferramentas que eram parte integrante da distribuição estão em pleno desenvolvimento.

 Em suas primeiras versões chamava-se de LZMA, é um compressor que nasceu na distribuição. O XZ hoje é utilizado fortemente pelo kernel desde de Dezembro de 2.013 e pelo Funtoo desde 2.008 (como mencionei no meu artigo parabenizando a equipe do Funtoo). O XZ apresenta melhor compressão do que o Gzip mesmo em compressões com o Gzip utilizando a opção "-9". Na verdade o XZ apresenta melhor compressão até mesmo que o Bzip2.

Star (11/02/2022)

 Eu conheci esse comando depois da live com o Luiz Anotnio do projeto Pindomara Copacabana. Start é uma versão do comando tar (dentro das conformidades POSIX 1003.1) com o maior desempenho que existe. Também de autoria de Jörg Schilling e mantido hoje por schilytools depois da morte de Jörg Schilling em Outubro de 2021 (este complemento é uma homenagem a Jörg Schilling). A Sintax do comando star pode ser conferido aqui na página do Fedora. Todos os projetos de Jeorg Schily podem ser conferidos aqui.

O comando star e suas opções de des/compactação.
O comando star e suas opções de des/compactação.

decompressing files using star
utilizando o star para descompactar arquivos. Apenas um exemplo de uso uma vez que um arquivo muito pequeno (apenas 4KB).


CMake

Cmake é uma ferramenta build system cross-platform. Como postado do Diolinux no artigo sobre Linux ser o ambiente mais utilizado em C e C++, é possível ver que o CMake é mais utilizada do que o GNU Make.


Dentre os casos de sucesso do CMake podemos ver o Netflix, o KDE, o game Second Life, sistemas de robóticas, o MySQL entre outros. Um coisa que considero a equipe do CMake é a sua humildade.

Scons

 Falando de CMake, eu não poderia deixar de citar o Scons, que também é uma ferramenta de construção. Escrita em Python, o Scons visa ser um substituto para o tradicional make e que possui funcionalidade integrada semelhando ao autoconf/automake.
 Muitos já elogiaram o Scons; pessoas como Eric S. Raymond, authr de "A Catedral e o Bazaar", Timothee Besset da id Software onde menciona que o Linux build system do Doom3 utiliza o Scons e que é show. Essa já é a segunda vez que ouço que o Scons é utilizado em compilação de alguma coisa relacionada a jogos. Gosto de considerar a parte da avaliação envolvendo jogos devido sua dificuldade de programação que envolve inteligencia artificial, simulação de física, renderização e etc.

MK

O mk surgiu no sistema operacional Plan9 como um simples substituto para o make, mas que provê várias extensões, flexível e execução em paralelo. É possível compilar o mk também para Linux, BSDs (Free/Net/OpenBSD e Darwin), Solaris, HP UX e OSF1.

Smake e Makefiles de autoria de Jörg Schilling (11/02/2022)

 Smake é focado em alta portabilidade já que GNU Make não está disponível para todas as plataforma que o Smake (Linux, Windows (até MSDOS), MacOSX (e versões anteriores), Solaris, SSPM, PPC, HPUX, AIX), gnu make não permite realizar debugging no Makefile.

O comando smake e suas opções de des/compactação.
O comando smake e suas opções de des/compactação.

 O Smake possui também seu Makefiles que permitem montar uma source tree via NFS e simultaneamente compilar (reutilizar) para todas as plataformas. Além do Cmake, do Scon, do MK e do Smake temos também o Ninja Buil e o Samurai é compatível com o Ninja Build (e até mesmo um concorrente direto).

smake examplo
Exemplo de uso do smake


Man

 Apesar de muito conhecido, incluí o Man nessa história por que o GNU possui o seu próprio, o comando info. Detesto o info; hora ele é útil, a maior parte do tempo não.

QT 

É um framework muito conhecido por ser utilizado no desenvolver o KDE. Menciono essa pois acho mais poderosa do que a GTK.

Existem muitos outros projetos que são possíveis substituir os do GNU como:
 Percebi que projetos fora do GNU ou até forks são em certos aspectos mais eficientes em seus propósitos. Não estou aqui difamando o projeto GNU, mas a mesma mensagem que deixo aos usuários de Windows envio também às comunidades de software livre de código aberto: Não devemos ficar presos unicamente à ideias ou paixões. O mundo é muito mais amplo do que possamos imaginar e podemos usufruir de tudo isso dando chance a outros projetos também. Adaptar ou morrer é um fato.

 Se uma ferramenta surge para bem e vindo a substituir a já existente, ela deve ser bem recebida. Isso é algo que acontece constantemente no Linux. Essas ferramentas vem para a melhoria das nossas próprias vidas. O que vejo é muita rivalidade inútil ao invés de foco na coisa mais importante, que é a melhoria contínua.

 Lembrem-se não somente do GNU, e sim de todos os projetos de open source que compoem o Linux (está muito longe de ter somente ferramentas do GNU presentes no sistema operacional). Lembrem-se de todas as licenças que também proporcionam e possibilitam a liberdade (GPL não é única. Existem em torno de 800 licenças). Lembrem-se de todas as pessoas que contribuem para esses projetos; graças a elas é que os projetos tem crescido e evoluído. E o mais importante unindo aos três itens mencionados, lembrem-se de serem livres (liberdade vai além da GPL, FSF e GNU).

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Viu algum erro e quer compartilhar seu conhecimento? então comente aí.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (2) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (10) Andriod (16) android (7) Apple (1) arm (5) artigo (5) aws (1) bc (23) benchmark (6) BetrFS (1) blackhat (1) BSDs (30) btrfs (32) bugs (2) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (54) comandos (31) comp (1) compressores (5) container (7) CPU (19) cracker (1) criptografia (5) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desempenho (1) desenvolvimento (90) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (4) dic (1) Dica de leitura (90) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (3) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (14) Docker (12) DragonflyBSD (22) driver (1) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) embarcados (1) EMMI Linux (4) emuladores (9) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (10) filesystem (82) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (94) gerenciadores de pacotes (4) glaucus (3) GOG (3) google (9) gpu (3) hacker (2) hardware (104) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (11) Intel (15) inteligencia artificial (2) IoT (1) ispconfig (1) jogos (38) kde (1) kernel (138) lançamento (64) leis (1) LFCS (1) libs (2) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) Mac (1) machine learning (1) matemática (9) mesa redonda (27) microcontroladores (1) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (165) musl (3) não viva de boatos (9) navegadores (5) NetBSD (7) newlib (1) nim (1) nintendo (1) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (84) OpenBSD (7) OpenShift (1) oracle (1) os vários sabores de Linux (43) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) performance (1) pipewire (1) plan9 (1) playstation (1) processadores (30) professor Augusto Manzano (11) Programação (64) promoção (1) propagandas com Linux (8) ps4 (1) real-time. (1) Red Hat (23) redes (4) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (14) RISCV (13) rtos (1) runlevel (2) rust (12) segurança digital (24) servidor web (2) servidores (2) shell (9) shell script (8) sistema operacional (25) skarnet (1) smartphones (3) Software livre e de código aberto (151) sorteio (3) Steam (10) Steam no Linux (8) supercomputadores (4) suse (6) systemd (7) terminal (89) terminal de comandos (18) toca do tux (1) toybox (27) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (17) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) virtualização (2) vulnerabilidade (6) wayland (5) web (1) whatsapp (1) whitehat (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) yash (1) ZFS (15) zsh (3)