Oracle pretende migrar para arquitetura ARM

Oracle pretende migrar para arquitetura ARM

Oracle pretende migrar para arquitetura ARM

 Publicado no site Reuters no dia 28 de Junho de 2023 que tanto a base de dados da Oracle como seu serviço de nuvem (que tenta competir com a Amazon por exemplo) passará a utilizar processadores baseados na arquitetura ARM. O motivo apresentado por Larry Ellison, fundador da Oracle, é que os antigos processadores X86 da Intel está atingindo seu limite.

 As aplicações da Oracle são desenvolvidas sod a arquitetura X86 há várias décadas e o motivo de tal adoção da arquitetura ARM é que, devido a razões regulatórias, alguns data centers da Oracle não pode obter mais energia. Então o único meio para a empresa expandir seu serviço de nuvem é através de mais computação por watt que ela pode ter acesso já que os processadores ARM são famosos por sua eficiência energética e por gerar menos calor (por esse motivo adotado em smartphones e tablets. Leia meu artigo Diferentes arquiteturas de processadores CLICANDO AQUI).

"Temos mais espaço. Simplesmente não temos mais capacidade elétrica. Ao atualizar para Ampere, podemos ocupar esse espaço, dobrar a computação e permanecer dentro do mesmo envelope de energia." disse Ellison, eu particularmente diria mais do que dobrar. Mas quem sou eu na fila do pão?

 O fabricante de ARM escolhido pela Oracle foi a Ampere Computing, uma startup fundada por um ex-executivos da Intel.


 A Ampere produz famílias de processadores ARM; o Ampere Altra Max e o Ampere One. O Ampere Altra Max, família de processadores Cloud Native possui linhas de 32, 64, 80, 96 e 128 núcleos operando a frequência acima de 3.0 GHz e com núcleos compatíveis com o Armv8.2+, SBSA4; 1MB de cachê L2 por núcleo e recursos nativos para nuvem como Vector Units, Single Threaded Cores, Advanced Power Management, Dynamic Estimation, Voltage droop detection. O Altra Max possui suporte a 8 canais de memória DDR4 (3200 MHz) ECC de 72 bits (até 4TB de RAM).

 Já o Ampere One possuí linhas de 136, 144, 160, 176 e 192 núcleos também operando a frequência acima de 3.0 GHz também compatíveis com o Armv8.2+; 2MB de cachê L2 por núcleo; 8 canais de memória DDR5 ECC (até 8TB de RAM). Todas as especificações dos processadores Ampere podem ser conferidos clicando aqui.

 Outros valores agregados pelos processadores ARM que são enfatizados pela Oracle seriam preço (clientes pagarão somente $0.01 por hora/núcleomelhorias na parte de segurança, flexibilidade no uso de núcleos e de memória, escalabilidade linear scalability e desempenho previsível, ecossistema de desenvolvimento rico e muito mais.

Ampere A1 Compute
Ampere A1 Compute

 Este será o primeiro servidor com 160-core Arm no mercado com o preço tão acessível. Aproveitando, quero sugerir a leitura sobre o supercomputador Fugaku clicando aqui da Fujitsu que utiliza processadores ARM e que está na lista dos supercomputadores mais poderosos do mercado.


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Viu algum erro e quer compartilhar seu conhecimento? então comente aí.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (2) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (10) Andriod (16) android (7) Apple (1) arm (5) artigo (5) aws (1) bc (23) benchmark (6) BetrFS (1) blackhat (1) BSDs (30) btrfs (32) bugs (2) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (54) comandos (32) comp (1) compressores (6) container (7) CPU (19) cracker (1) criptografia (5) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desempenho (1) desenvolvimento (93) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (4) dic (1) Dica de leitura (91) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (3) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (14) Docker (12) DragonflyBSD (22) driver (1) dropbear (3) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) embarcados (1) EMMI Linux (4) emuladores (9) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (11) filesystem (82) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (94) gerenciadores de pacotes (4) glaucus (4) GOG (3) google (9) gpu (3) hacker (2) hardware (104) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (12) Intel (15) inteligencia artificial (2) IoT (1) ispconfig (1) jogos (38) kde (1) kernel (138) lançamento (64) leis (1) LFCS (1) libs (2) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) Mac (1) machine learning (1) matemática (9) mesa redonda (27) microcontroladores (1) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (169) musl (3) não viva de boatos (9) navegadores (5) NetBSD (7) newlib (1) nim (1) nintendo (1) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (84) OpenBSD (7) OpenShift (1) oracle (1) os vários sabores de Linux (44) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) performance (1) pipewire (1) plan9 (1) playstation (1) processadores (30) professor Augusto Manzano (11) Programação (64) promoção (1) propagandas com Linux (8) ps4 (1) real-time. (1) Red Hat (23) redes (4) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (14) RISCV (13) rtos (1) runlevel (2) rust (13) segurança digital (24) servidor web (2) servidores (3) shell (9) shell script (8) sistema operacional (25) skarnet (2) smartphones (3) Software livre e de código aberto (151) sorteio (3) Steam (10) Steam no Linux (8) supercomputadores (4) suse (6) systemd (8) terminal (89) terminal de comandos (18) toca do tux (1) toybox (27) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (17) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) virtualização (2) vulnerabilidade (6) wayland (5) web (1) whatsapp (1) whitehat (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) yash (1) ZFS (15) zsh (3)