Uma Breve Introdução Ao BSD, Part. I

O que é BSD?

BSD significa “Berkeley Software Distribution”. É o nome das distribuições de código fonte da Universidade da Califórnia, Berkeley, que originalmente eram extensões ao sistema operacional UNIX® da AT & T. Vários projetos de sistemas operacionais de código aberto são baseados em uma versão deste código fonte conhecido como 4.4BSD-Lite. Além disso, eles compõem uma série de pacotes de outros projetos de código aberto, incluindo, nomeadamente, o projeto GNU. O sistema operacional global compreende:
  • O kernel BSD, que lida com o processo de agendamento, gerenciamento de memória, multi-processamento simétrico (SMP), drivers de dispositivo, etc.
  • A biblioteca C, a API base para o sistema.
  • A biblioteca BSD C é baseada no código de Berkeley, e não no projeto GNU.
  • Utilitários como shells, utilitários de arquivos, compiladores e linkers.
    • Alguns dos utilitários são derivados do projeto GNU, outros não são.
  • O sistema X Window, que manipula a exibição gráfica.
    • O sistema X Window usado na maioria das versões do BSD é mantido pelo projeto X.Org.
       
       
      O FreeBSD permite ao usuário escolher entre uma variedade de ambientes desktop, como Gnome, KDE ou XFCE e gerenciadores de janelas leves, como Openbox, Fluxbox ou Awesome.
  • Muitos outros programas e utilitários

Como o BSD é desenvolvido e atualizado?

Os kernels BSD são desenvolvidos e atualizados seguindo o modelo de desenvolvimento Open Source. Cada projeto mantém uma source tree acessível ao público que contém todos os arquivos de origem para o projeto, incluindo documentação e outros arquivos acidentais. Os usuários podem obter uma cópia completa de qualquer versão.

Um grande número de desenvolvedores em todo o mundo contribuem para melhorias no BSD. Eles são divididos em três tipos:

  • Os contribuintes escrevem código ou documentação. Não são permitidos commitar (adicionar código) diretamente à source tree. Para que seu código seja incluído no sistema, ele deve ser revisado e verificado por um desenvolvedor registrado, conhecido como um committer.
  • Os commiter's são desenvolvedores com acesso de gravação à source tree. Para se tornar um commiter, um indivíduo deve mostrar habilidade na área em que irá atuar.
  • A equipe principal. O FreeBSD e o NetBSD possuem uma equipe central que gerencia o projeto. As principais equipes são desenvolvidas no decorrer dos projetos, e seu papel nem sempre está bem definido. Não é preciso ser um desenvolvedor para ser um membro da equipe principal, embora seja normal. As regras para a equipe principal variam de um projeto para o outro, mas, em geral, eles têm mais opinião no projeto do que os membros fora da equipe principal.

Comparando BSD e Linux


 O que mais eu deveria saber?

Uma vez que menos aplicativos estão disponíveis para o BSD do que o Linux, os desenvolvedores do BSD criaram um pacote de compatibilidade do Linux, que permite que os programas do Linux sejam executados no BSD. O pacote inclui ambas as modificações do kernel, para executar corretamente as chamadas do sistema Linux e arquivos de compatibilidade, como a biblioteca C. Não há diferença notável na velocidade de execução entre uma aplicação que esteja sendo executada em uma máquina Linux e uma aplicação Linux executada em uma máquina BSD da mesma velocidade.

Em algumas situações o FreeBSD pode apresentar desempenho superior ao Linux, mas não é uma regra. A licença BSD é bem mais atrativa que a GPL para empresas por permitir o uso do código-fonte como parte de softwares proprietários. Existem diversos motivos para usar o sistema BSD ou Linux. Cabe aos usuários avaliarem o melhor dentre eles.

O BSD e o MAC OS X

Uma das maiores empresas fabricantes de computadores, smartphones e afins utiliza o código do BSD com parte dos seus sistemas operacionais.

O Mac OS®  X, sistema operacional padrão dos computadores Macintosh®, da Apple utiliza o núcleo open source Darwin que é baseado no BSD e no Mach em conjunto com diversos softwares proprietários desenvolvidos pela Apple, como é o caso da interface gráfica do sistema que foi completamente desenvolvida pela Apple após a aquisição da NeXT, empresa criada por Steve Jobs após ser demitido do cargo de CEO da Apple.

O BSD e o Windows

Códigos do BSD são usados pela Microsoft na implementação do protocolo TCP/IP e em diversas ferramentas de rede desde a época do Windows NT 3.1 e do Windows 2000.

Alguns exemplos de softwares do Windows que usam códigos do BSD são: ftp, finger, rcp, rsh e nslookup. Todos eles são aplicativos de rede.

Conclusões finais

Para este primeiro artigo relações técnicas sobre o processo de desenvolvimento, comparação entre Linux e BSD e algumas curiosidades como, quais empresas o utilizam, serve de alicerce para os temas que iremos tratar na próxima semana, onde iremos falar mais sobre quais são as distribuições BSD, quais seus nichos e por que utilizá-las.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (3) ambiente gráfico (11) AMD (13) analise (8) Andriod (6) artigo (5) benchmark (1) BSDs (12) btrfs (6) Caixa de Ferramentas do UNIX (21) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (13) comp (1) compressores (5) container (1) CPU (12) criptografia (1) crowdfunding (9) cursos (18) daemons (13) Debian (30) desenvolvimento (44) desktop (13) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (44) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (11) Docker (15) DragonflyBSD (5) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (2) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (87) evento (3) facebook (1) filesystem (47) financiamento coletivo (2) fork (2) fox n forests (4) FreeBSD (8) Funtoo Linux (13) games (84) GOG (3) google (8) gpu (1) hardware (92) init system (6) Intel (14) IoT (1) ispconfig (1) jogos (27) kernel (110) lançamento (22) leis (1) LFCS (1) licenças (6) Linus (14) Linux (193) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (10) LTS (1) mesa redonda (28) microst (1) muito além do GNU (93) não viva de boatos (9) navegadores (2) NetBSD (2) novatec (16) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (14) open source (76) OpenBSD (2) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (29) padrim (2) palestras e eventos (2) partições (6) pentest (6) processadores (19) professor Augusto Manzano (9) Programação (30) propagandas com Linux (8) Red Hat (10) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (23) retrospectiva Linux (1) runlevel (2) segurança digital (12) servidores (1) sistema operacional (10) Software livre e de código aberto (149) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (1) suse (3) systemd (7) terminal (68) toca do tux (1) toybox (10) tutorial (2) Tux (2) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (15) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (11) WoT (1) ZFS (2)