Alpine Linux preparando-se para migrar para o apk-tools versão 3.0


Alpine Linux preparando-se para migrar para o apk-tools versão 3.0
Alpine Linux preparando-se para migrar para o apk-tools versão 3.0
 apk é o gerenciador de pacotes da distribuição Alpine Linux; a distribuição que me fez conhecer, analisar e me apaixonar pela biblioteca C musl. É também a distribuição onde me fez surgir a ideia de muito além do gnu por se tratar de uma distribuição que substituição a maioria das ferramentas gnu de sua base. Eu já relatei sobre essa distribuição na série Os vários sabores de Linux então, antes de darmos continuidade, confira o vídeo aí:


 É comum haver vários gerenciadores de pacotes no mundo Linux. Sem entrar em muitos detalhes e indo para o mais comum, o Debian e derivados possuem o APT, derivados do Fedora possuem o YUM (e adotando o dnf), Suse possui o Zipper, o Gentoo possui o Portage, o pkgtools e o slackpkg, existe também o snap, o flatpak e a lista vai longe... E por que desenvolver mais um gerenciador de pacotes em meio a uma imensidão deles?

 Apesar de já existirem tantos, há motivos reais e específicos para Natanael Copa ter criado o apk. Uma das coisas que me chamou a atenção foi a sua sintax mais simples, o que para o sisadmin é muito interessante. Ao invés de seguir todo um roteiro como no APT de atualizar a base de dados para depois buscar ou instalar algum programa ou atualizar o sistema (e as vezes ainda ter que utilizar o update-rc.d), no apk basta utilizar um único passo como demostrado na imagem abaixo:
Demonstração do APK e do APT
Demonstração do APK e do APT
 Já outros motivos interessantes seria uma base de código limpa que fez com que a distribuição Adélie Linux, mesmo que baseado no Gentoo,  abandonasse o Portage e adotasse o apk. Na imagem abaixo são apresentados mais motivos para o seu desenvolvimento. Acho que é um gerenciador de pacotes que vale a pena ser estudado (e até mesmo adotado. Por que não?)
O que torna o apk-tools rápido
O que torna o apk-tools rápido
 No dia 23 de Janeiro, Ariadne Conill sugeriu como será realizada a migração para a versão 3.0 do apk-tools. A primeira coisa é que o APKv3 deve manter o suporte aos pacotes do APKv2 por um período de tempo (digamos que o óbvio) permitindo uma migração mais segura e com bons testes. Mesmo não tendo muitos detalhes, a linha de raciocínio seria mais ou menos a seguir:
  1. apk-tools 3.0 será lançado nos repositórios de testing.
  2. Usuários que optarem pelo repositório testing, poderão optar pelo apk-tools 3 se desejarem adicionando-o como dependência (apk add apk-tools@testing).
  3. apk-tools 3 utilizar os índices do APKv3, enquanto que o apk-tools utilizará os índices legacy do APKv2.
  4. Se o apk-tools 3 for considerado estável e o suporte a pacotes APKv3 for considerado completo, ele substituirá legacy apk-tools no Alpine 3.12.
  5. Em algum ponto, migrarão para os pacotes APKv3 e encerrarão o suporte aos indices do APKv2 e chamarão esse lançamento de Alpine 4.0.
 Ariadne sugere para as outras distribuições também adotarem a mesma estratégia. Em um eventual problema, simplesmente mantem na  versão 3.13 ao invés de 4.0. Também está em aberto como o apk-tools-static será tratado. Mais detalhes estarão disponíveis quando tiverem um plano específico. Por hora é só o que informaram.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (15) AMD (13) analise (9) Andriod (8) artigo (5) benchmark (3) BSDs (18) btrfs (10) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (6) Código Fonte (50) comandos (16) comp (1) compressores (4) container (1) CPU (15) criptografia (2) crowdfunding (9) cursos (19) daemons (13) Debian (29) desenvolvimento (53) desktop (16) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (49) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (12) Docker (7) DragonflyBSD (12) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (83) evento (4) facebook (1) Fedora (4) filesystem (56) financiamento coletivo (2) fork (3) fox n forests (4) FreeBSD (11) Funtoo Linux (13) games (87) gerenciadores de pacotes (2) GOG (3) google (8) gpu (2) hardware (96) I.A (1) init system (7) Intel (14) IoT (1) ispconfig (1) jogos (33) kernel (114) lançamento (39) leis (1) LFCS (1) licenças (7) Linus (15) linus torvalds (1) Linux (188) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) meetup (1) mesa redonda (27) microsoft (3) microst (1) muito além do GNU (115) não viva de boatos (9) navegadores (2) NetBSD (3) novatec (17) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (78) OpenBSD (3) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (36) padrim (2) palestras e eventos (3) partições (6) pentest (6) processadores (23) professor Augusto Manzano (11) Programação (40) propagandas com Linux (8) Red Hat (13) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) runlevel (2) Secomp (1) segurança digital (13) servidores (1) shell (1) sistema operacional (18) Software livre e de código aberto (147) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (3) suse (3) systemd (7) terminal (73) toca do tux (1) toybox (14) tutorial (5) Tux (3) unboxing (7) UNIX (15) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) wayland (2) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (12) WoT (1) ZFS (7)