Android, uma boa alternativa ao desktop Window



 Nota antes de começar o artigo: Esse não é um artigo tentando colocar defeito no Windows. Esse é um artigo que escrevi fazendo uma analise que ocorreu no meu dia a dia.

 Já falado anteriormente sobre os Chromebooks terem superado as vendas dos Macbooks no primeiro quadrimestre de 2.016 e pensando um pouco no Android, resolvi escrever este artigo descrevendo um ambiente que eu acho que seria interessante a atuação do Android.

 Minha inspiração para escrever sobre esse artigo surgiu depois da experiencia de sentar-me em frente a uma máquina com Windows 10. Notei por vezes que a máquina apresentava muita lentidão depois de permanecer ligada no final de semana. O sistema ficava enviando informações para disco o tempo inteiro e se tornava um trabalho de parto até mesmo para poder reiniciar a máquina. Após reiniciar, percebi que tudo voltava ao normal. Foi daí, depois da terceira vez que notei isso acontecendo, que me surgiu a ideia de que o Android seria uma ótima alternativa ao ambiente Desktop.

 Pensei nisso depois de lembrar que meu celular as vezes passa um mês ou mais ligado ininterruptamente. Eu o mantenho ligado para despertar e por fim, eu acabo esquecendo de desligá-lo e tudo continua funcionando normalmente.

 Se notarem, ele não é um bom smartphone para a época que vivemos. Ele possui pouco mais de 400MB de RAM e um processador ARMv6 que ainda por cima é um pouco limitado em recursos.

Informações sobre memória

Informações sobre o processador

 É... sim, sou canguinha. Na verdade eu prefiro usar meu dinheiro em equipamentos para o meu computador do que comprar um smartphone novo (smartphone fica para ultimo caso). Mas o que quero notar aqui é o seguinte fato: Se o Android roda bem em um smartphone antigo como esse, imagina se fosse em um computador com configurações similares a abaixo:

Ok! Observação; sei que são processadores de arquiteturas binariamente diferentes. O processador Intel é X86 (arquitetura CISK) enquanto dos Smartphones são ARM (arquitetura RISK), mas o que quero notar aqui é a questão de clocks, e não de arquiteturas.
 Por fim, o interessante é ele está rodando a quase 300 horas. Quase duas semanas ininterruptas sem o menor problema.

A ultima vez que olhei quando há quanto tempo ele estava ligado foi hoje (dia 03/06/2016)



 Foi daí onde pensei que o Android seria mais uma ótima alternativa ao ambiente Desktop: Funciona bem (gostem os especuladores ou não de ler isso), possui uma ampla gama de aplicativos (hoje temos até jogos como Assassin's Creed Identity e Saint Seya Rebirth para Android :), Fácil (até demais) de utilizar; então, Por que não?

 Está certo, hoje existem versões mais recentes do Android e que consomem muito mais recursos computacionais, mas não é algo exagerado ou assustador. O Android tem um ótimo controle de Memória e de processamento (e de multiprocessamento).

 Seria interessante ver isso acontecer também. Alternativas para o usuário/consumidor final é sempre bom. Haver concorrência sempre é bom, pois isso força os competidores a melhorarem cada vez mais suas soluções.

Mais uma coisa que quero deixar claro; uma vez, debatendo com um amigo sobre o o lançamento do Hurd que na época só possuía suporte a 700MBs de RAM. Ele mencionou que isso demonstrava que ele não precisava de muita RAM para funcionar. Bom neste aspecto o Linux supre muito bem também e até facilmente. Esse smartphone, por exemplo, tem no máximo 400MB e da para fazer o Android rodar com apenas 171MB; então, isso não é um diferencial:


 Deixo  o meu vídeo sobre o Android para quem quiser conferir o assunto. Vejo com frequência pessoas brigando, discutindo e afirmando que Android não é Linux (até mesmo no exterior); então, dei a minha palavrinha sobre o assunto:



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (4) A.I (1) ambiente gráfico (13) AMD (13) analise (8) Andriod (6) artigo (5) benchmark (1) BSDs (12) btrfs (6) Caixa de Ferramentas do UNIX (21) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (15) comp (1) compressores (5) container (1) CPU (12) criptografia (1) crowdfunding (9) cursos (18) daemons (13) Debian (30) desenvolvimento (47) desktop (13) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (48) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (11) Docker (15) DragonflyBSD (6) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (3) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (87) evento (3) facebook (1) filesystem (50) financiamento coletivo (2) fork (2) fox n forests (4) FreeBSD (8) Funtoo Linux (13) games (85) GOG (3) google (8) gpu (1) hardware (93) I.A (1) init system (6) Intel (14) IoT (1) ispconfig (1) jogos (28) kernel (111) lançamento (28) leis (1) LFCS (1) licenças (7) Linus (14) Linux (193) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (10) LTS (1) machine learning (1) mesa redonda (28) microst (1) muito além do GNU (100) não viva de boatos (10) navegadores (2) NetBSD (2) novatec (17) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (14) open source (76) OpenBSD (2) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (32) padrim (2) palestras e eventos (2) partições (6) pentest (6) processadores (20) professor Augusto Manzano (11) Programação (34) propagandas com Linux (8) Red Hat (10) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (23) retrospectiva Linux (1) runlevel (2) segurança digital (12) servidores (1) sistema operacional (12) Software livre e de código aberto (150) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (2) suse (3) systemd (7) terminal (70) toca do tux (1) toybox (12) tutorial (2) Tux (2) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (15) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (11) WoT (1) ZFS (3)