recompilação do kernel 2.6.33.3

 Bom, para terminar o assunto que aviva começado no artigo "Flagrantes da vida real no mundo linux", então estou postando aqui mais um artigo que trago de volta a vida. É o artigo da recompilação do kernel 2.6.33.

recompilação do kernel 2.6.33.3

 Coloquei as imagens anexadas mostrando o kernel no diretório /boot.

Note o kernel 2.6.26-2-686 e o kernel 2.6.33.3

 O Debian Leny vinha com o kernel 2.6.26-2-686 por padrão e eu passei a utilizar o kernel 2.6.33.3. A intenção aqui foi simplesmente desmistificar o que havia sido dito e tirar esse mito.

kernel 2.6.33.3 sendo utilizado, ao invés do tradicional 2.6.26

Como recompilar o kernel Linux

 As informações aqui são para o kernel 2.4 e 2.6, mas podem também ser bem aproveitadas da versão 3.x e 4.x do kernel.

 Primeiro, devemos configurar o kernel; para isso, existe quatro aplicativos que podem ser escolhidos. São eles:
$make config (esse é o configurador padrão do Linux, porém bem demorado devido ser totalmente em modo texto e procedural).
 Os próximos utilizam bibliotecas que geram uma interface amigável, facilitando a instalação.
$make menuconfig (utiliza a biblioteca NCurses)
$make gconfig (utiliza a biblioteca GTK)
$make xconfig (utiliza a biblioteca QT, a mesma da interface KDE).
 Um bom artigo para configurar o kernel está na em:
 Depois de configurado o kernel, você deve fazer o seguinte. Criar a imagem do kernel compactada com os seguintes comandos
 $make clean (para descartar os modulos que não serão compilados).
 $make dep (para gerar a arquitetura do kernel, no meu caso I686, já não é mais necessário fazer isso).
 $make bzImage ou $make zImage (a diferença é o bz é para o bzip2 e o z para gzip).

 compilar os módulos:
  $make modules 
 E instalá-los
 #make modules_install (lembrando que deve ser root para isso).
 Depois disso, digite
 #make install [também devendo ser administrador para essa operação) para que o sistema crie o system.map, o kernel com o nome de vmlinuz-x.y.z (sendo que x.y.z se refere a versão do kernel) e o config do kernel].
 Feito isso, dentro de /boot, digite
 #mkinitramfs -o initrd.img-x.y.z -v x.y.z para criar a imagem de disco ram (initrd) para o kernel. Ou a opção update-initramfs -c -k 2.6.33.3 -v que fará o mesmo.
 Um informação muito interessante que obtive foi que o comando "mkintrd" está defasado, sendo substituído pelo "mkinitramfs", por isso utilizado nessa postagem além de vir por padrão no Debian.
 Um observação que deve ser feita é que, se notarem, eu repeti o x.y.z. Funciona da seguinte maneira: quando vou gerar o initrd, além de indicar para qual kernel, tenho que indicar aonde ele vai buscar os módulos dentro de /lib/modules/. Por exemplo, como recompilei o 2.6.33 com os seus módulos dentro de "/lib/modulos/2.6.33", então tenho que gerar  o initrd.img-2.6.36 que irá buscar os módulos 2.6.33 (está gravado dentro do initrd que ele irá buscar automaticamente dentro de /lib/modules). Caso não passe esse parâmetro,por não ter sido indicado aonde buscar os módulos, você receberá uma mensagem como:
 "FATAL ERROR"  "MODULES NOT FOUNT"
  Por isso deve passar o segundo parâmetro igual. Esse segundo parâmetro é só uma indicativa de qual módulos utilizar.
 Para terminar, se você estiver utilizando o grub como carregador de boot padrão, utilize o comando
#update-grub que o sistema irá se encarregar de atualizar a lista de kernel dentro de /boot/grub/menu.lst (já no ubuntu 10.04 a história muda um pouco).
 Caso queiram me ajudar a escrever melhor este artigo sobre recompilação de kernel, fico feliz se puder receber essa contribuição, por que a intenção é realmente escrever o artigo que vai ajudar a todos com qualquer problema que apareça, até mesmo os novatos.
 O próximo artigo que pretendo escrever sobre o mesmo assunto é sobre o drive de DVD que estou tendo um pequeno problema.

 Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (3) ambiente gráfico (11) AMD (13) analise (8) Andriod (6) artigo (5) benchmark (1) BSDs (12) btrfs (6) Caixa de Ferramentas do UNIX (21) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (13) comp (1) compressores (5) container (1) CPU (12) criptografia (1) crowdfunding (9) cursos (18) daemons (13) Debian (30) desenvolvimento (44) desktop (13) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (44) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (11) Docker (15) DragonflyBSD (5) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (2) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (87) evento (3) facebook (1) filesystem (47) financiamento coletivo (2) fork (2) fox n forests (4) FreeBSD (8) Funtoo Linux (13) games (84) GOG (3) google (8) gpu (1) hardware (92) init system (6) Intel (14) IoT (1) ispconfig (1) jogos (27) kernel (110) lançamento (22) leis (1) LFCS (1) licenças (6) Linus (14) Linux (193) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (10) LTS (1) mesa redonda (28) microst (1) muito além do GNU (93) não viva de boatos (9) navegadores (2) NetBSD (2) novatec (16) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (14) open source (76) OpenBSD (2) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (29) padrim (2) palestras e eventos (2) partições (6) pentest (6) processadores (19) professor Augusto Manzano (9) Programação (30) propagandas com Linux (8) Red Hat (10) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (23) retrospectiva Linux (1) runlevel (2) segurança digital (12) servidores (1) sistema operacional (10) Software livre e de código aberto (149) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (1) suse (3) systemd (7) terminal (68) toca do tux (1) toybox (10) tutorial (2) Tux (2) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (15) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (11) WoT (1) ZFS (2)