Tratando um pouco sobre a init OpenRC

Bom, cheguei a mencionar sobre o OpenRC no meu artigo "E o Systemd me deixando fulo da vida" em que para mim, muita coisa no Systemd, foi simplesmente reinventar a roda. Por que não comentar sobre o OpenRC?

OpenRC

Tratando um pouco sobre a init OpenRC

 É inevitável que utilizemos o systemd? Bom, em partes pode ser que seja. As principais distribuições estão adotando-a. Fica a critério em alguns casos das nossas decisões sobre o que vamos utilizar. Mas existem outras inits no mundo Linux (o que considero como a beleza do linux, sempre há alternativas da mesma solução a oferecer. Isso é "os vários sabores de Linux").

 A daemon init OpenRC foi desenvolvida em 2001 por Daniel Robins (criador do Gentoo Linux) e mantida por outros membros como Azarh (Martin Schlemmer), com a migração da nova init system com a assistência de Woodchip (Donnie Davies) que convertei todos os scripts ebuild init scripts para funcionar com o novo sistema. Roy Marples se tornou 

  Roy Marples, que se tornou desenvolvedor do Gentoo em 2004 e mantinha os scripts modulares de rede para o pacote baselayout do Gentoo. Em 2007, Roy anunciou a baselayout-2 contendo scripts init reescritos condificados em C e permitindo init scripts POSIX sh ao inves de utilizar o bash (que as implementou em meados do mesmo ano em versões alpha e pre release ao Portage do Gentoo como componente opcional).

 Uma das alternativas para o Debian de substituir o atual SystVinit era exatamente o OpenRC (antes mesmo de pensar em Upstart ou Systemd). O que levou a comunidade Debian a não utilizar o OpenRC (e com uma certa razão) foi como afirmaram no e-mail:
O OpenRC é mais conservador e com menos mudanças revolucionarias do que o Systemd e o Upstart...

Se vamos concentrar esforços de substituir init systems e mudar nossos scriptis startup, um requerimento minimo para mim é que ao menos enderecemos os pontos fracos do mecanismo sysvinit, nomeadamente:
* Ausência de integração com os eventos de kernel-level para para  comandar startup corretamente.
* Sem mecanismo para monitoramento de processo e reiniciar além da inittab.
* Confiança pesada em shell scripting ao inves de syntax declarative.
* Um fork e exit com arquivo modelo PID para daemon startup.
 Isso aconteceu com o OpenRC devido a saída de Roy do projeto Gentoo no final de 2007, quando a baselayout-2 ainda estava em pre stage (o que foi mascardo). Roy continuou mantendo a baselayout-2 como um projeto independente (que foi permitido pelo concelho do Gentoo sob a clausula 2 da licença BSD) . Em meados de 2010, Roy resolveu não mais mantes o OpenRC, como dito por ele mesmo eu seu site, se aposentou devido a rasões politicas. Nesse ponto, ele transferiu o desenvolvimento para a comunidade Gentoo.

 Daniel Robins continua a desenvolvê-lo como um projeto independente, mantendo a versão fork do OpenRC para o Funtoo Linux, que inclui um sistema de configuração de rede Funtoo-specific.

 Para saber mais sobre o OpenRC, visite o link http://www.funtoo.org/Package:OpenRC

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (15) AMD (13) analise (9) Andriod (8) artigo (5) benchmark (3) BSDs (18) btrfs (10) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (6) Código Fonte (50) comandos (16) comp (1) compressores (4) container (1) CPU (15) criptografia (2) crowdfunding (9) cursos (19) daemons (13) Debian (29) desenvolvimento (53) desktop (16) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (49) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (12) Docker (7) DragonflyBSD (12) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (83) evento (4) facebook (1) Fedora (4) filesystem (56) financiamento coletivo (2) fork (3) fox n forests (4) FreeBSD (11) Funtoo Linux (13) games (87) gerenciadores de pacotes (2) GOG (3) google (8) gpu (2) hardware (96) I.A (1) init system (7) Intel (14) IoT (1) ispconfig (1) jogos (33) kernel (114) lançamento (39) leis (1) LFCS (1) licenças (7) Linus (15) linus torvalds (1) Linux (188) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) meetup (1) mesa redonda (27) microsoft (3) microst (1) muito além do GNU (115) não viva de boatos (9) navegadores (2) NetBSD (3) novatec (17) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (78) OpenBSD (3) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (36) padrim (2) palestras e eventos (3) partições (6) pentest (6) processadores (23) professor Augusto Manzano (11) Programação (40) propagandas com Linux (8) Red Hat (13) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) runlevel (2) Secomp (1) segurança digital (13) servidores (1) shell (1) sistema operacional (18) Software livre e de código aberto (147) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (3) suse (3) systemd (7) terminal (73) toca do tux (1) toybox (14) tutorial (5) Tux (3) unboxing (7) UNIX (15) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) wayland (2) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (12) WoT (1) ZFS (7)