PX5: Um dos melhores RTOSes do mercado

PSX5: Um sistema operacional Real Time ótimo para embarcados

PX5: Um sistema operacional Real Time ótimo para embarcados

 Em 2017 eu havia postado um artigo que, devido ao tamanho do Linux, RTOSes (Real Time Operating System = Sistemas Operacionais em Tempo Real) estavam ganhando mais destaque em IoT do que o Linux. Foi apresentado soluções de reverter essa situação reduzindo tanto o tamanho do kernel quanto do filesystem. Mas os RTOSes voltam a ganhar destaque; especificamente o PX5.


 O PX5 é um RTOS da quinta geração projetado para aplicações em embarcados como semáforos, mutex, fila de mensagens e IoT. Focado em tamanho, desempenho, segurança e proteção reduzindo o time-to-market, melhorando a qualidade de firmware e aprimorando a portabilidade entre plataformas.

 No site oficial do PX5 é descrito que:

 "Liinux é um dos sistemas operacionais mais populares no ambiente de embarcados detendo a marca de 70% deste mercado. Porém Linux é muito intensivo no uso de memória e de processamento dentro deste tipo de plataforma".

 E não; antes que algum apaixonado se manifeste, utilizar Rust NÃO solucionaria este problema. O que pode ocorrer na verdade é o contrario; os binários Rust são simplesmente enormes. A ideia do PX5 é trazer as pthreads da API POSIX encontrada em embarcados Linux para dentro do RTOS em dispositivos com recursos limitados.

PX5 RTOS + Linux Pthread
PX5 RTOS + Pthread do Linux

 Por esse motivo, o PX5 foi construído sobre a implementação das pthreads e tambem oferece extensões real-time como event flagsqueues rápidascronômetros, e gerenciamento de memória

 Implementado sob funções da linguagem C, PX5 é um dos menores RTOSes dependendo de menos de 1KB de FLASH e 1KB de RAM em microcontroladores de 32 bits à 80MHz. O PX5 também é extremamente rápido e eficiente podendo completar o seu carregamento em menos de um microsegundo (podendo ser instalado e utilizado em minutos) além de conseguir determinar quais threads serão ou não necessárias para o dispositivo.

 O PX5 é projetado explicitamente para segurança em proteção incluindo a tecnologia patent-pending Pointer/Data Verification (PDV) que é uma técnica que ajuda a detectar e mitigar corrupção de memória intencional ou acidental. 

PX5 design
Design do PX5

 Seu código é também simples e fácil de manter. Devido sua API consistir em implementações nativas da pthreads POSIX, suas aplicações são facilmente portáveis tanto para Linux quanto para outros RTOSes. Muitas empresas já são parceiras do PX5 tanto em provedores de núvem, Semiconductores, embarcados e consultorias. Há também o Zephyr que é financiado pela Linux que eu pretendo abordar aqui no blog. Até a próxima, povo.


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Viu algum erro e quer compartilhar seu conhecimento? então comente aí.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (2) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (10) Andriod (16) android (7) Apple (1) arm (5) artigo (5) aws (1) bc (23) benchmark (6) BetrFS (1) blackhat (1) BSDs (30) btrfs (32) bugs (2) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (54) comandos (32) comp (1) compressores (6) container (7) CPU (19) cracker (1) criptografia (5) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desempenho (1) desenvolvimento (94) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (4) dic (1) Dica de leitura (91) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (3) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (14) Docker (12) DragonflyBSD (22) driver (1) dropbear (3) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) embarcados (1) EMMI Linux (4) emuladores (9) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (11) filesystem (82) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (94) gerenciadores de pacotes (4) glaucus (4) GOG (3) google (9) gpu (3) hacker (2) hardware (104) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (12) Intel (15) inteligencia artificial (2) IoT (1) ispconfig (1) jogos (38) kde (1) kernel (138) lançamento (64) leis (1) LFCS (1) libs (2) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) Mac (1) machine learning (1) matemática (9) mesa redonda (27) microcontroladores (1) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (169) musl (3) não viva de boatos (9) navegadores (5) NetBSD (7) newlib (1) nim (2) nintendo (1) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (84) OpenBSD (7) OpenShift (1) oracle (1) os vários sabores de Linux (44) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) performance (1) pipewire (1) plan9 (1) playstation (1) processadores (30) professor Augusto Manzano (11) Programação (65) promoção (1) propagandas com Linux (8) ps4 (1) real-time. (1) Red Hat (23) redes (4) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (14) RISCV (13) rtos (1) runlevel (2) rust (13) segurança digital (24) servidor web (2) servidores (3) shell (9) shell script (8) sistema operacional (25) skarnet (2) smartphones (3) Software livre e de código aberto (151) sorteio (3) Steam (10) Steam no Linux (8) supercomputadores (4) suse (6) systemd (8) terminal (89) terminal de comandos (18) toca do tux (1) toybox (27) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (17) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) virtualização (2) vulnerabilidade (6) wayland (5) web (1) whatsapp (1) whitehat (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) yash (1) ZFS (15) zsh (3)