Ampere nas envolvidas com Steam

Ampere nas envolvidas com Steam

Ampere nas envolvidas com Steam


 Recentemente postei que a Oracle está migrando de X86 para ARM da empresa Ampere. Devido a sua eficiência energética esses processadores permitirão a Oracle expandir seu data center e poder concorre com outras empresas em vários outros serviços com a sua novem. Não somente a eficiência energética, mas os processadores da Ampere permitem também melhor desempenho.


 Mas hoje estamos aqui para falar da empresa Ampere que esta trabalhando para que Steam Linux seja compatível com seus processadores de 192 núcleos. Sim, há mais ou menos um mês a Ampere publicou em seu Github o repositório Steam-on-Ampere. Não se trata de código fonte e sim de um how to explicando como executar Steam em seus processadores através do Box86/Box64

 Bom, neste exato momento você deve estar pensando que então trata-se de emulação e eu vou ter que dizer que você está certo. O Box86 é um emulador que permite rodar aplicações x86 em processadores ARM. Nesse momento deve existir a critica na cabeça de todos, o que é natural, mas o problema está mais vinculado a ferramenta Steam do que aos processadores da Ampere. Ao longo do tempo a ferramenta Steam foi acumulando muito código legado para se manter funcionando; é necessário por exemplo instalar suporte a arquitetura i386 (32 bits) na sua distribuição mesmo ela sendo x86 de 64 bits. No caso dos processadores da Ampere ocorrem a problema similar, só que em arquitetura (o que pode ocorrer no steam sendo executado em qualquer ARM. Nesta documentação, a Ampere exibe prints que evidenciam que é necessário instalar as duas dependências mencionadas neste artigo.




 Basicamente é o mesmo processo utilizado pela Apple chamado carbonização que permitiu o MacOS X desenvolvido para X86 executar suas aplicações na arquitetura PowerPC e hoje de x86 para o Apple Silicon que pode ser conferido neste meu vídeo quando eu digito o comando file no kernel do MacOS X e é possível constar o suporte das arquiteturas X86 e PowerPC. Por este motivo que conseguir executar o MacOS Leopard na arquitetura PowerPC sendo que o Leopard foi projetado para Macs da arquitetura X86.


 Outra característica do processo de carbonização é utilizar a ferramenta Rosetta, que nada mais é do que simplesmente emulação. Então, fazer adoção da mesma estratégia que Apple é algo que pode levar a Valve a melhorar sua ferramenta ao longo do tempo (assim torcemos). Há um bom tempo um desenvolvedor do Clear Linux vem trabalhando para porte Steam para 64, mas já se passaram ao menos sete anos e ainda nada de steam 64 bits para nenhum sistema operacional.


 Os testes foram feitos no Ubuntu como pode ser vista nas imagens e é recomendado instalar o box86 dos repositórios de Itai Nelken. Para o Box64 devem ser instalados os repositórios de um cara chamado Ryan Fortner. Depois, é só executar o steam, selecionar o proton e vida que segue.
GitHub da AmpereComputing: Steam-on-Ampere

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Viu algum erro e quer compartilhar seu conhecimento? então comente aí.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (2) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (10) Andriod (16) android (7) Apple (1) arm (5) artigo (5) aws (1) bc (23) benchmark (6) BetrFS (1) blackhat (1) BSDs (30) btrfs (32) bugs (2) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (54) comandos (32) comp (1) compressores (6) container (7) CPU (19) cracker (1) criptografia (5) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desempenho (1) desenvolvimento (93) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (4) dic (1) Dica de leitura (91) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (3) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (14) Docker (12) DragonflyBSD (22) driver (1) dropbear (3) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) embarcados (1) EMMI Linux (4) emuladores (9) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (11) filesystem (82) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (94) gerenciadores de pacotes (4) glaucus (4) GOG (3) google (9) gpu (3) hacker (2) hardware (104) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (12) Intel (15) inteligencia artificial (2) IoT (1) ispconfig (1) jogos (38) kde (1) kernel (138) lançamento (64) leis (1) LFCS (1) libs (2) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) Mac (1) machine learning (1) matemática (9) mesa redonda (27) microcontroladores (1) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (169) musl (3) não viva de boatos (9) navegadores (5) NetBSD (7) newlib (1) nim (1) nintendo (1) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (84) OpenBSD (7) OpenShift (1) oracle (1) os vários sabores de Linux (44) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) performance (1) pipewire (1) plan9 (1) playstation (1) processadores (30) professor Augusto Manzano (11) Programação (64) promoção (1) propagandas com Linux (8) ps4 (1) real-time. (1) Red Hat (23) redes (4) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (14) RISCV (13) rtos (1) runlevel (2) rust (13) segurança digital (24) servidor web (2) servidores (3) shell (9) shell script (8) sistema operacional (25) skarnet (2) smartphones (3) Software livre e de código aberto (151) sorteio (3) Steam (10) Steam no Linux (8) supercomputadores (4) suse (6) systemd (8) terminal (89) terminal de comandos (18) toca do tux (1) toybox (27) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (17) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) virtualização (2) vulnerabilidade (6) wayland (5) web (1) whatsapp (1) whitehat (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) yash (1) ZFS (15) zsh (3)