ext4 deixará de ser o sistema de arquivos padrão do Android

Phones launching with Android 13 will use a new, space-saving file system format

ext4 deixará de ser o sistema de arquivos padrão do Android


 Foi publicado no site Android Police que o sistema de arquivos ext4 poderá deixar de ser utilizado como sistema de arquivos padrão no Android abrindo caminho para o EROFS (Enhanced Read-Only File System) da Huawei. A migração está prevista para o Android 13 e alguns dos benefícios de sua adoção estão relacionados a redução do tempo de boot (em torno de 22.9%) e potencial redução no tempo de downloads para as atualições além de menor perda de espaço de armazenamento.

 A Huawei já havia postado em seu Twitter em 2019 (e até mesmo enviado seu patch para o kernel neste mesmo ano) um pequeno comparativo entre o ext4 e o Erofs que apresenta ganhos superiores a 20% tanto em desempenho quanto em armazenamento.

Comparativo entre o ext4 e o erofs

 O EROFS não proporciona tais ganhos (armazenamento e desempenho) somente nas atualizações e no processo de boot, mas em todo o seu uso do sistema. Há mais comparativos com inclusive outros sistemas de arquivos que podem ser conferidos no próprio site Android Police. Todas as informações sobre o EROFS podem ser conferidos no próprio site do kernel (clicando aqui).

 O EROFS, de autoria de Xiang Gao, já utilizado no Android da Huawei em mais de 10 milhões de dispositivos. É um dos sistemas de arquivos com o melhor desempenho em compressão/descompressão e leitura por utilizar o algorítimo de compressão/descompressão LZ4 (sendo o mais rápido do mundo para tamanhos fixos).

 E falando de sistema de arquivos, compressão/descompressão e desepenho, não deixe de conferir o meu minicurso de atributos nos sistemas de arquivos do Linux que eu estou deixando com desconto para vocês bastando. Utilizado o cupom EROFSLZ4 você paga apenas US$12,99 (invertendo para LZ4EROFS você paga apenas US$9,99. Mas tem a duração de 5 dias somente)

CONCLUSÃO

 Este não é o fim do ext4 no Android; ele somente deixará de ser utilizado como sistema de arquivos padrão mantendo assim o seu suporte no sistema operacional. Conforme pode ser lindo no Source do Android clicando aqui, o Android possui suporte a ext4, f2fs, fuse, incfs, Vfat, EROFS e exfat a partir do kernel 5.10 (uma pena pois o kernel do meu Android é o 4.14 e assim acabo não tendo suporte ao exfat. Paciencia né; fazer o que?) e quem tem a ganhar é o usuário.


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Viu algum erro e quer compartilhar seu conhecimento? então comente aí.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (2) ambiente gráfico (19) AMD (14) analise (10) Andriod (16) android (7) Apple (1) arm (5) artigo (5) aws (1) bc (23) benchmark (6) BetrFS (1) blackhat (1) BSDs (30) btrfs (32) bugs (2) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (54) comandos (32) comp (1) compressores (6) container (7) CPU (19) cracker (1) criptografia (5) crowdfunding (9) cursos (24) daemons (13) Debian (31) desempenho (1) desenvolvimento (94) desktop (19) DevOps (3) DevSecOps (4) dic (1) Dica de leitura (91) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diet libc (3) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (14) Docker (12) DragonflyBSD (22) driver (1) dropbear (3) ead Diolinux (2) edição de vídeo (5) embarcados (1) EMMI Linux (4) emuladores (9) endless (5) English interview (3) Enless OS (2) entrevista (17) espaço aberto (82) evento (6) facebook (1) Fedora (11) filesystem (82) financiamento coletivo (2) fork (4) fox n forests (4) FreeBSD (20) Funtoo Linux (13) games (94) gerenciadores de pacotes (4) glaucus (4) GOG (3) google (9) gpu (3) hacker (2) hardware (104) hash (1) helenos (3) I.A (1) init system (12) Intel (15) inteligencia artificial (2) IoT (1) ispconfig (1) jogos (38) kde (1) kernel (138) lançamento (64) leis (1) LFCS (1) libs (2) licenças (8) Linus (16) linus torvalds (2) Linux (194) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (5) LPI (8) LTS (1) Mac (1) machine learning (1) matemática (9) mesa redonda (27) microcontroladores (1) microsoft (6) microst (1) muito além do GNU (169) musl (3) não viva de boatos (9) navegadores (5) NetBSD (7) newlib (1) nim (2) nintendo (1) novatec (17) novidades (1) nuvem (1) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (84) OpenBSD (7) OpenShift (1) oracle (1) os vários sabores de Linux (44) padrim (2) palestras e eventos (5) partições (6) pentest (8) performance (1) pipewire (1) plan9 (1) playstation (1) processadores (30) professor Augusto Manzano (11) Programação (65) promoção (1) propagandas com Linux (8) ps4 (1) real-time. (1) Red Hat (23) redes (4) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (14) RISCV (13) rtos (1) runlevel (2) rust (13) segurança digital (24) servidor web (2) servidores (3) shell (9) shell script (8) sistema operacional (25) skarnet (2) smartphones (3) Software livre e de código aberto (151) sorteio (3) Steam (10) Steam no Linux (8) supercomputadores (4) suse (6) systemd (8) terminal (89) terminal de comandos (18) toca do tux (1) toybox (27) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (17) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) virtualização (2) vulnerabilidade (6) wayland (5) web (1) whatsapp (1) whitehat (1) Windows Subsystem for Linux (2) wine (14) WoT (1) yash (1) ZFS (15) zsh (3)