LinuxBoot - o Linux no lugar do UEFI

Logo do LinuxBoot
Logo do LinuxBoot
Essa não é a primeira vez que Linux é utilizada em BIOS, Linux é tão presente em tando hardware em torno do mundo que até mesmo em BIOS ele já esteve presente (e em smartwatch muito antes da Apple). Agora há um novo projeto de termos um firmware que roda Linux para substituir funcionalidades como o UEFI DXE em servidores.

LinuxBoot começou com o nome de NERF na Google em Janeiro de 2017 e hoje é um projeto da Linux Foundation envolvendo as mesmas pessoas do projeto e organizações como Google (claro ;), Facebook, Horizon Computing, Two Sigma, 9elements.

Como funciona o esquema de boot atual
Como funciona o esquema de boot atual

O LinuxBoot visa tornar o boot mais até 32 vezes mais rápido eliminado firmware que podem até mesmo realizar exploits (onde Linux não mais possui controle do seu hardware). Na palestra apresentada no Open Source Summit Embedded Linux Conference, foi apresentado que há 2 e meio sistemas operacionais e meio rodando escondidamente em seu Intel X86 (mas que também não acreditem em tudo o que vocês leem sobre o Ryzen pois mudar para AMD não é a solução). eles, além de escondidos, possuem bugs e controlam seu Linux (e qualquer outro OS que estiver rodando na máquina. Perdemos o controle de nossas máquinas). Por hora estão focados em X86, mas irão estender para outras arquiteturas.


O LinuxBoot possui o userland feito na linguagem Go:
O u-root é um rootfs baseado em Go (pacotes com comandos escritos em Go)
Um /init (toolchain em Go)

Esse será um firmware rodando um kernel Linux e userspace com ferramentas escritas em Go onde teremos um (digamos) BIOS ou UEFI (para ficar mais claro o seu enteder) mais limpo, mais rápido e mais seguro.
Como será o esquema do Linuxboot
Como será o esquema do Linuxboot (parecido com o CoreBoot)

Comente com o Facebook:

Deixe seu Comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (3) ambiente gráfico (11) AMD (13) analise (8) Andriod (6) artigo (5) benchmark (1) BSDs (12) btrfs (6) Caixa de Ferramentas do UNIX (21) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (7) Código Fonte (53) comandos (13) comp (1) compressores (5) container (1) CPU (12) criptografia (1) crowdfunding (9) cursos (18) daemons (13) Debian (30) desenvolvimento (44) desktop (13) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (44) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (11) Docker (15) DragonflyBSD (5) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (2) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (87) evento (3) facebook (1) filesystem (47) financiamento coletivo (2) fork (2) fox n forests (4) FreeBSD (8) Funtoo Linux (13) games (84) GOG (3) google (8) gpu (1) hardware (92) init system (6) Intel (14) IoT (1) ispconfig (1) jogos (27) kernel (110) lançamento (22) leis (1) LFCS (1) licenças (6) Linus (14) Linux (193) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (10) LTS (1) mesa redonda (28) microst (1) muito além do GNU (93) não viva de boatos (9) navegadores (2) NetBSD (2) novatec (16) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (14) open source (76) OpenBSD (2) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (29) padrim (2) palestras e eventos (2) partições (6) pentest (6) processadores (19) professor Augusto Manzano (9) Programação (30) propagandas com Linux (8) Red Hat (10) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (23) retrospectiva Linux (1) runlevel (2) segurança digital (12) servidores (1) sistema operacional (10) Software livre e de código aberto (149) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (1) suse (3) systemd (7) terminal (68) toca do tux (1) toybox (10) tutorial (2) Tux (2) unboxing (7) UNIX (16) UNIX Toolbox (15) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (11) WoT (1) ZFS (2)