Longhorn estende recursos de armazenamento Kubernetes no SUSE


Longhorn estende recursos de armazenamento nativo do Kubernetes para dar suporte a implantações de ponta

Quando associado à Rancher, a versão mais recente de Longhorn permite que as equipes de DevOps gerenciem volumes de dados constantes desde o core da nuvem à borda

Nuremberg, Germany – 26 de janeiro de 2021 – A SUSE, líder global em real inovação de código aberto e proprietária da plataforma de gerenciamento de contêiner Rancher, comemora o lançamento do Longhorn 1.1. Longhorn é um projeto de Sandbox da CNCF (Cloud Native Computing Foundation) desde outubro de 2019. A partir de junho de 2020, quando passou a ser disponível de forma generalizada, a adoção do Longhorn aumentou em 235%, até se tornar um pilar do ecossistema de armazenamento de Kubernetes. Com esta versão mais recente, os usuários de Rancher agora podem aproveitar uma solução de armazenamento nativo de Kubernetes em hardwares de baixa potência na borda.

O Longhorn 1.1 permite que as equipes de DevOps gerenciem facilmente volumes de dados constantes em qualquer ambiente Kubernetes, ao mesmo tempo em que traz uma abordagem de nível empresarial, mas neutra para fornecedores, para o armazenamento nativo em nuvem. Com a última atualização, os usuários do Rancher podem conquistar mais resiliência em ambientes edge com suporte a ARM64, novos recursos de autocorreção e maior visibilidade de desempenho fornecida pelo Longhorn 1.1.

De acordo com previsões da Gartner, até 2025 cerca de 75% dos dados gerados por empresas serão criados e processados em borda - fora de um tradicional datacenter centralizado ou da nuvem. A estimativa representa um grande aumento comparado aos números de 2018, 10%. Com esse crescimento em mente, Longhorn 1.1 permite que os desenvolvedores criem aplicativos com segurança e armazenem dados em ambientes periféricos em dispositivos com recursos limitados.

O que há de novo no Longhorn 1.1?
O novo Longhorn atua em plataforma 100% aberta, focado em microsserviços e armazenamento nativo em nuvem para implantações de Kubernetes. O Longhorn 1.1 traz uma série de novos recursos e melhorias para equipes de DevOps empresariais, incluindo:

Robusto armazenamento nativo de Kubernetes em Edge
O Longhorn 1.1 estende os recursos de armazenamento nativo do Kubernetes para oferecer suporte a implantações de ponta. Ele foi projetado para ajudar as equipes a armazenar dados de maneira confiável, mesmo nos ambientes mais hostis e com recursos limitados. Ele também vem com suporte para ARM64 - um dos recursos mais solicitados pela comunidade.

Impulsionando o desempenho eficiente do contêiner
Melhorar a eficiência de maneira consistente é sempre a prioridade dos usuários na comunidade K8s. Provavelmente uma introdução popular, o Longhorn agora oferece suporte ‘ReadWriteMany’ em contêineres, dando aos desenvolvedores uma solução de armazenamento persistente eficiente que permite que volumes sejam lidos e gravados em vários contêineres a qualquer momento. Ao contrário das metodologias "ReadWriteOnce", o Longhorn 1.1 permite que as equipes compartilhem o armazenamento de volume entre paths e nodes diferentes.

Visibilidade aprimorada e suporte de operações
O Longhorn 1.1 traz melhores insights e funcionalidades para a infraestrutura de armazenamento de uma organização. Com o novo suporte integrado para o Prometheus, os usuários agora têm métricas em tempo real da integridade do armazenamento (monitoramento, uso de recursos, rastreamento etc.). O suporte garante uma visão muito mais detalhada do desempenho do cluster e, através do novo suporte para CSI Snapshotter, podem criar ou restaurar backups via ‘kubectl’.

Manutenção otimizada
Outra novidade do Longhorn 1.1 são os recursos aprimorados de manutenção de nós. O Longhorn agora oferece suporte às operações de drenagem de Kubernetes para ajudar os usuários com o desempenho seguro da manutenção. A versão 1.1 também possui a capacidade de reconhecer os discos existentes em um novo nó - o que fornece um melhor ambiente operacional para provedores em nuvem.

Maior resiliência
No topo da lista de prioridades para a maioria das empresas está a mitigação de problemas de rede. Um novo recurso de localidade de dados foi introduzido com o Longhorn 1.1 para aumentar a resiliência em condições de rede instáveis (por exemplo, em cenários de borda). Esse novo recurso manterá uma réplica de armazenamento local para a própria carga de trabalho, garantindo que, mesmo se o nó perder temporariamente a conectividade de rede, o acesso ao armazenamento nunca será perdido.

O Longhorn 1.1 é muito mais simples do que outras soluções de armazenamento definido por software com o objetivo de fornecer armazenamento rápido e confiável para a maioria dos casos de uso, sem o inchaço de abordagens legadas.

Para comprovar a nova experiência, os usuários Rancher podem instalá-lo diretamente do catálogo de aplicativos. O Longhorn também é gratuito para download e uso, mas os clientes que procuram suporte podem adquirir a versão premium com os mesmos SLAs fornecidos pelo Suporte da SUSE. Não há taxas de licenciamento e o preço da assinatura baseada em nós mantém os custos o mais baixo possível.

Recursos

  • Saiba mais sobre armazenamento persistente, construído com CNCF Sandbox Project Longhorn aqui.
  • Obtenha detalhes técnicos sobre o Longhorn 1.1 aqui.
  • Saiba mais sobre a plataforma de gerenciamento Kubernetes da SUSE, Rancher, em rancher.com.
  • Interessado em certificações Rancher? Visite a Rancher Academy.

Sobre a SUSE 
A SUSE, a maior empresa de código aberto independente do mundo, possibilita a transformação digital com soluções ágeis de código aberto de nível empresarial, de ponta a ponta para a nuvem. Colaborando com parceiros, comunidades e clientes, a SUSE fornece e oferece suporte a soluções corporativas de infraestrutura e entrega de aplicativos para Linux, de nível corporativo, para criar, implantar e gerenciar cargas de trabalho em qualquer lugar - local, híbrido e multi-nuvem - com serviço, valor e flexibilidade e excepcionais.  

Para mais informações, visite www.suse.com

Declarações Prospectivas
Quaisquer declarações neste comunicado de imprensa sobre expectativas futuras, planos e perspectivas para a empresa, incluindo declarações contendo as palavras "visa", "metas", "irá", "acredita", "antecipa", "planeja", "espera" e expressões semelhantes podem constituir declarações prospectivas e devem ser lidas com cautela. Os resultados reais podem diferir materialmente daqueles indicados por tais declarações prospectivas como resultado de vários fatores importantes, incluindo cenário competitivo, desenvolvimento de negócios com clientes, confiança em relacionamentos com clientes, gestão de crescimento e aquisições, a possibilidade de problemas de software não detectados, os riscos de impactos da pandemia Covid-19 e crises econômicas, pressões de preços e viabilidade da Internet. Além disso, quaisquer declarações prospectivas incluídas neste documento representam pontos de vista na data deste comunicado à imprensa e esses pontos de vista podem mudar. A empresa não tem nenhuma obrigação de atualizar suas declarações prospectivas. Essas declarações prospectivas estão sujeitas à alterações e não devem ser consideradas como representativas dos pontos de vista da Empresa em qualquer data diferente da data deste comunicado à imprensa.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

A pior história sobre Linux que já ouvi (5) A.I (1) ambiente gráfico (15) AMD (14) analise (9) Andriod (8) artigo (5) benchmark (3) BSDs (20) btrfs (12) Caixa de Ferramentas do UNIX (19) canto do Diego Lins (2) certificações Linux (6) Código Fonte (50) comandos (17) comp (1) compressores (4) container (1) CPU (18) criptografia (2) crowdfunding (9) cursos (21) daemons (13) Debian (29) desenvolvimento (55) desktop (17) DevOps (1) DevSecOps (1) dic (1) Dica de leitura (52) dica DLins (2) dicas do Flávio (27) Dicas TechWarn (1) diocast (1) dioliunx (3) distribuições Linux (13) Docker (7) DragonflyBSD (15) ead Diolinux (2) edição de vídeo (4) EMMI Linux (4) emuladores (5) endless (5) English interview (2) Enless OS (2) entrevista (16) espaço aberto (83) evento (4) facebook (1) Fedora (4) filesystem (59) financiamento coletivo (2) fork (3) fox n forests (4) FreeBSD (12) Funtoo Linux (13) games (87) gerenciadores de pacotes (2) GOG (3) google (8) gpu (3) hardware (98) I.A (1) init system (7) Intel (15) IoT (1) ispconfig (1) jogos (33) kernel (114) lançamento (43) leis (1) LFCS (1) licenças (7) Linus (15) linus torvalds (1) Linux (188) linux foundation (3) linux para leigos (1) live (4) LPI (8) LTS (1) machine learning (1) meetup (1) mesa redonda (27) microsoft (3) microst (1) muito além do GNU (120) não viva de boatos (9) navegadores (3) NetBSD (3) novatec (17) o meu ambiente de trabalho (3) off-topic (12) open source (79) OpenBSD (3) OpenShift (1) os vários sabores de Linux (39) padrim (2) palestras e eventos (3) partições (6) pentest (6) processadores (25) professor Augusto Manzano (11) Programação (40) propagandas com Linux (8) Red Hat (13) redes (2) resenha nerd (4) Resumo da Semana do Dlins (2) resumo do Tux (19) retrospectiva Linux (1) risc-V (1) runlevel (2) Secomp (1) segurança digital (14) servidores (1) shell (1) sistema operacional (18) Software livre e de código aberto (148) sorteio (3) Steam (8) Steam no Linux (6) supercomputadores (4) suse (5) systemd (7) terminal (73) toca do tux (1) toybox (15) tutorial (6) Tux (3) unboxing (7) UNIX (15) UNIX Toolbox (14) vartroy (1) vga (1) vulnerabilidade (3) wayland (2) whatsapp (1) Windows Subsystem for Linux (1) wine (12) WoT (1) ZFS (9)